rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Luiz Fernando Emediato, autor: "Golpe de 64 frustrou nossa aventura familiar"

Por Leticia Constant

Jornalista, editor e escritor, o mineiro Luiz Fernando Emediato está em Lisboa participando do FESTin, o famoso festival do cinema itinerante da língua portuguesa (1° a 8 de março) que está na oitava edição. Inspirado em seu livro, foi o filme "O outro lado do paraíso", dirigido pelo cineasta André Ristum, que abriu o evento este ano.

A história de "O outro lado do paraíso" se passa nos anos 60, quando a construção de Brasília atraiu milhares de brasileiros de todas as regiões. Autobiográfico, ele fala da grande aventura vivida pela família Emediato: "Escrevi o livro há 36 anos como uma forma de homenagem a meu pai, que teve uma vida de aventuras e marcou muito a minha vida. O que sou hoje devo a essa convivência com ele", diz o autor, contando que o pai era um visionário que buscava o paraíso na Terra, vivia mudando de uma cidade para outra, viajava, sumia e voltava. "Ele admirava muito o João Goulart, que era presidente do Brasil, e em 1963 Brasília estava sendo construída, então, meu pai pegou toda a família, enfiou num caminhão e fomos para lá. E é aí que se desenrola essa tragédia que foi nossa aventura em Brasília, que foi abortada pelo golpe militar de 64", ele relembra.

Na época, Luiz Fernando tinha 12 anos e era um menino curioso, que gostava muito de ler. "O filme trata da minha descoberta da leitura, da literatura, da vida, é um rito de passagem, uma história de amor, aventura, utopia, com o golpe militar como pano de fundo", conta o autor. Ao contrário da maioria dos escritores, que rejeitam as adaptações cinematográficas de suas obras, Emediato aprovou totalmente o resultado final, assim como a escolha do ator estreante Davi Galdeano, no papel de Nando, o narrador.

Golpes diferentes no Brasil

Inevitável fazer um paralelo dos anos 60 com o atual processo político brasileiro. "Na verdade, aquela elite civil que se uniu com os militares e foi responsável pelo golpe de 64, ela nunca saiu do poder, mesmo depois da democratização. Foram as mesmas pessoas, a mesma elite econômica, industrial, agrária, essa mesma elite deu um golpe no Brasil, um golpe mais moderno, mais inteligente, um golpe parlamentar, ou seja, há um simulacro de que foi um processo de impeachment democrático, não foi! É a mesma elite interrompendo (...) a evolução do Brasil para uma democracia de fato. Nunca tivemos uma democracia plena no Brasil, um país rico mas como o povo não tem acesso à educação plena, à cidadania para lhe dar consciência dos seus atos, inclusive na hora de votar, as elites continuam no poder. Aconteceu um retrocesso, uma continuação de 1964, infelizmente, 52 anos depois, veio um novo golpe, temos que chamar isso de golpe, mesmo que não aceitem, é um golpe", observa Emediato.

"O outro lado do paraíso" foi premiado como melhor filme do júri popular no Festival de Gramado e no Festival de Brasília,recebeu o Troféu Câmara Legislativa de melhor filme escolhido pelo público, melhor ator (Davi Galdeano), melhor atriz (Simone Iliescu) e melhor roteiro;  prêmios de melhor filme, melhor atriz (Maju Souza) e melhor filme do júri popular no Festival Latino-americano de Trieste, na Itália;  prêmio Rádio Exterior da Espanha pelo longa que melhor reflete a realidade latino-americana, e prêmio no Festival Latino-Americano da Catalunha, em Lleida, na Espanha.

 

“Discurso de Bolsonaro legitima ‘direito de matar’”, afirma professora da Universidade de Brasília

Ex-ambulante brasileiro fala para 400 estudantes na Europa: “Seja parte da solução, não do problema”

“Romances em quadrinhos estão em momento especial”, diz ilustradora Luli Penna

“Sociedade civil é quem vai mudar o Brasil”, diz empresária Luiza Trajano em Paris

“É preciso regulação para que investigações sobre fake news não demorem anos”, diz especialista

"O problema do brasileiro é se conformar que Bolsonaro está eleito", diz Delfim Netto

Fotógrafa francesa Charlotte Dafol expõe em Paris imagens de ocupações brasileiras

“Atualmente, a França me dá mais perspectivas que o Brasil”, diz cantora Camila Costa que lança CD em Paris

"Trump colocará na conta dos democratas tudo o que não conseguir fazer", diz ex-correspondente do NYT no Brasil

"Governo brasileiro precisa facilitar exportação para pequenos empresários", afirma designer de joias

Grupo franco-brasileiro Bel Air de Forró é finalista em concurso internacional

"Brasil caminha muito mais para o isolamento do que para uma relação integrada com a comunidade internacional," diz cientista político

“A oratória de protesto do rap estava um pouco adormecida”, diz MC Rael, em turnê na Europa

Pintora brasileira radicada na França denuncia desmatamento da Amazônia em telas gigantes

Diretora de teatro de Belo Horizonte divulga festival artístico interdisciplinar em Paris

Bolsonaro representa uma continuidade do que está acontecendo hoje no Brasil, diz historiador americano

“Estamos todos ameaçados”, diz escritor João Paulo Cuenca sobre Bolsonaro

Cordel se adapta à tecnologia e tem até desafio repentista por WhatsApp, diz pesquisadora francesa

"Brasil vive época propícia para arte subversiva", diz autor de livro sobre cena musical psicodélica

Livro sobre Dandara, líder do movimento negro do Quilombo dos Palmares, é lançado na França