rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Cultura
rss itunes

Festival "Les Femmes S’en Mêlent" valoriza produção musical feminina na França

Por Daniella Franco

Foi dada a largada para a 20a edição do Les Femmes S'en Mêlent, o maior festival dedicado à música feminina independente da França. O evento foi inaugurado na quinta-feira (22) nas cidades de Rezé e Perigueux, no leste do país, se espalha pelo resto da França neste fim de semana e aterrissa em Paris na próxima segunda-feira (27).

No line up do festival, 35 bandas e artistas, algumas já conhecidas na cena independente, como a canadense Austra, a israelense Keren Ann, a francesa Rebeka Warrior, ex-Sexy Sushi, e a escocesa Marnie, ex-Ladytron. Mas a grande marca do evento, revelar novos talentos, não ficou de lado. A média de idade das garotas que se apresentam nesta edição é 22 anos, o que mostra que o principal objetivo do festival, incentivar que mais mulheres despertem para a música, tem dado certo.

"Quando eu comecei, em 1997, era muito mais difícil achar artistas mulheres: havia muito menos meninas na música. Há cerca de dez anos, esse cenário começou a mudar. A ideia é mostrar essa diversidade que existe de artistas mulheres, sem esterótipos, e fazer um verdadeiro panorama da cultura musical feminina e seus diferentes estilos musicais", diz o diretor e responsável pela programação do festival, Stéphane Amiel.

Um festival engajado

Há 20 anos, o Les Femmes s'en Mêlent (em português, as mulheres "se metem") acontecia no Dia Internacional da Mulher, 8 de março. Mas, com o passar dos anos, o festival foi crescendo e se estendendo por boa parte do mês de março. Hoje, o engajamento na causa feminista fica a critério das artistas.

"O festival abre o espaço para as artistas. São elas que escolhem ser militantes ou não e ter ou não um discurso feminista para defender. Claro, nosso engajamento está na escolha da programação, mas não queremos ter um discurso mais forte do que o das artistas: deixamos o espaço e a liberdade de expressão a elas", ressalta.

Segundo Amiel, as eleições para presidente na França deram um tom mais político ao evento. "Sabemos que, dentro do contexto em que vivemos, é raro que as artistas que participem do festival não sejam militantes. Por exemplo, certos candidatos querem revogar alguns direitos das mulheres. Vemos que o combate a esse discurso está cada vez mais presente entre as artistas do Les Femmes S'en Mêlent."

Radio Girl

A compositora e cantora francesa Pauline De Tarragon, ou Pi Ja Ma, como é conhecida, conversou com a RFI sobre sua participação no festival. Com apenas 20 anos, ela lança o EP "Radio Girl" na quarta-feira (29) na sala Divan du Monde, em Paris. À RFI, a jovem, cujo estilo é comparado ao de Cat Power, conta como ainda hoje é difícil conseguir o mesmo espaço que os homens na arte e na cultura.

"Há frequentemente homens na música e, nós, mulheres, também queremos nos sentir tão importantes quanto eles. Afinal, somos a metade do planeta, temos talento e muitas coisas para dizer. Espero que, no futuro, os festivais tenham o mesmo número de mulheres e homens. Gostaria também que houvesse mais festivais dedicados exclusivamente às artistas para que possamos ouvir mais frequentemente as mulheres se expressarem", afirma Pauline.

O festival Les Femmes S'en Mêlent passa por mais de 20 cidades francesas até o dia 8 de abril. Confira programação completa no site LFSM.net.

Brasil está no páreo pelos prêmios principais do Festival de Animação de Annecy

Casa da Moeda de Paris traz primeira retrospectiva do indiano Subodh Gupta na França

Filme holandês de 1971 desbrava Brasil profundo com Jofre Soares e Ana Maria Miranda

Coreógrafa francesa Maguy Marin prepara bailarinos da Escola da Maré para espetáculos na França

Tragédia no Mediterrâneo é tema de peça de Christiane Jatahy em Paris

Protestos contra assédio marcam festival independente de música feminina na França

Detentas ganham visibilidade em exposição de fotos em castelo francês

Rock, electro, punk, rap: conheça os artistas que estão fazendo vibrar a cena musical na França

Peça "Apareceu a Margarida", marco contra a ditadura brasileira, faz sucesso há 40 anos na França