rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Ataque com faca fere 8 pessoas na Rússia. Agressor foi morto pela polícia.
  • Marroquino de 18 anos é autor do ataque com faca em Turku, na Finlândia
  • Polícia da Finlândia confirma que ataque com faca em Turku foi ato terrorista
Cultura
rss itunes

Em Paris, fotos de Walker Evans mostram a América profunda e banal

Por Patricia Moribe

O americano Walker Evans é um dos grandes nomes da fotografia do século 20. O Centro George Pompidou de Paris apresenta a primeira grande retrospectiva na França do fotógrafo que durante décadas, a partir dos anos 30, criou um “estilo documental” que influenciou gerações de artistas e outros fotógrafos.

Ele fotografou a América bulimicamente, em séries, em temas recorrentes: fachadas de lojas, comércios à beira de estrada, anônimos, a cidade.

Evans também documentou tragédias humanas, como a miséria rural decorrente da Quebra da Bolsa em 1929. Em 1936, ele conviveu, junto com o escritor James Agee, durante várias semanas, com três famílias de sitiantes, dividindo refeições e reflexões. Desse encontro surgem fotos épicas, de rostos jovens, mas estranhamente idosos, já exaustos.

As fotos são cruas, sem retoques, como explica o curador Clement Cheroux: “Seu estilo é simples, despojado, a abordagem é frontal, fechado no rosto, em objetos, nas casas. Ele influenciou gerações e gerações. Nos anos 60, seu trabalho fascina os artistas pop, os artistas conceituais das décadas seguintes reivindicam Walker Evans. E ainda hoje encontro fotógrafos que me dizem que Evans é o grande mestre para eles. É como se ele sumisse diante do sujeito/objeto para justamente destacar o que está sendo fotografado.

Americanidade em detalhes

Chéroux fala sobre a força das imagens de Walker Evans: “É alguém que durante 40 anos de atividade buscou incessantemente definir visualmente o que era a América, o que era americano dentro da América e, usando um neologismo, a ‘americanidade’. Ele queria mostrar o que era típico e que muitas vezes já não existe mais, as lojinhas à beira da estrada, as fachadas, que acabam sendo engolidas pelo progresso. Ele nos proporciona um retrato da América bastante justo, que emociona e que tem muita força."

A mostra no Beaubourg de Paris traz mais de 400 trabalhos e documentos, tiragens originais do mundo inteiro, além de objetos pessoais de Walker Evans, colecionador de imagens, placas e objetos diversos.

A retrospectiva de Walker Evans fica em cartaz em Paris até 14 de agosto.

Grupo carioca apresenta releitura de "Alice no País das Maravilhas" em Edimburgo

Mostra sobre casamentos forçados abre centro de fotojornalismo em Paris

Montpellier Danse: encontro de gerações da dança contemporânea na França

Templo da literatura lusófona em Paris, editora Chandaigne celebra 25 anos

Aos 88, cineasta Agnès Varda explora com fotógrafo JR os vilarejos franceses

Com ares pop, nova geração da música clássica francesa seduz grande público

Festival de fotos espalha 98 exposições por 32 cidades da Grande Paris

Festival "Les Femmes S’en Mêlent" valoriza produção musical feminina na França