rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Artista brasileira cria livros com crianças indígenas e quilombolas na Amazônia

Por Elcio Ramalho

A artista visual, educadora e mediadora cultural Marie Ange Bordas é autora do projeto "Tecendo Saberes", que busca valorizar e divulgar as culturas tradicionais brasileiras por meio do olhar das crianças.

Em 2014, ela conviveu com crianças de comunidades quilombolas do Baixo Amazonas (Pará) e do povo indígena Huni Kui do Rio Humaitá (Acre), o que resultou, respectivamente, nos livros “Manual das Crianças do Baixo Amazonas" e "Manual das Crianças Huni Ku".

A artista deu uma palestra no último sábado (10), em Paris, sobre seu trabalho. O evento fez parte da Semana da América Latina e Caribe e foi organizado pelo Centro Cultural do Brasil no Espaço Krajcberg.

“A metodologia do projeto é muito orgânica. A base é a convivência, estar juntos. Não é pular de paraquedas, chegar e depois sair correndo. É de fato ficar”, explica Marie Ange. “Em cada comunidade se fica um certo tempo. No Baixo Amazonas, região do Pará entre os rios Amazonas e Trombetas, trabalho desde 2012. Comecei com outros projetos, prêmios que ganhei do Ministério da Cultura.”

Segundo ela, o objetivo “é falar dessas culturas a partir da identidade cultural que as crianças vivem no dia a dia”. “Identifiquei muito a cultura e o pertencimento à comunidade através da relação delas com a natureza e com o próprio meio. O saber sobre as plantas, os animais, de criar brinquedo. No lugar de viajar, fotografar, voltar e falar, a ideia foi criar esse conteúdo com as crianças.”

Temas sociais

No Baixo Amazonas, ela realizou vários encontros com os professores das comunidades quilombolas, que pediram para que ela pensasse em materiais para as escolas. “Eles me disseram que a sua cultura não estava representada no material didático, que estavam trabalhando no meio da Amazônia com material que vinha de fora”, conta Marie Ange.

Ela ressalta que a situação tem mudado nos últimos anos, “com grandes incentivos a projetos locais”, mas que “ainda há esse déficit”.

Marie Ange iniciou o projeto depois de muitos anos vivendo fora do Brasil. “Eu trabalhei com temas sociais, principalmente na África, com o interesse em envolver as pessoas na criação de projetos comuns. Comecei trabalhando com refugiados durante muito tempo, mas a ideia não era viajar como jornalista e falar dessas realidades. Era oferecer as ferramentas que eu tinha para que essas comunidades falassem delas mesmas.”

Ao voltar ao Brasil, devido à experiência no continente africano, ela foi “envolvida pela questão dos movimentos quilombolas”. “Criei uma rede de contato em comunidades tradicionais brasileiras.” Ela continua a desenvolver o "Tecendo Saberes".

 

Bela Gil em festival Slow Food na Itália: “É importante conhecer quem produz o alimento”

Sabores do Brasil recebe “30% de brasileiros saudosos e 70% de franceses curiosos” em Paris

Inimigo no fascismo brasileiro é o pobre, diz pesquisadora do voto em Bolsonaro

Cantor Renato Fagundes traz a Paris tradição e modernidade da cultura gaúcha

Da extrema-direita à esquerda: populismo tem faces distintas na Europa e na América Latina, diz especialista

“Lula adiou troca e prejudicou campanha de Haddad”, diz analista David Fleischer

"Bolsa Família é grande aliado para quem deseja fazer ajuste fiscal no Brasil", afirma Marcelo Neri

Novo livro de Jean-Paul Delfino traz personagem imortal que viveu no Brasil

“Ataque corrobora ânimo de briga manifestado por Bolsonaro”, diz cientista político da UFMG

Em Perpignan, a fotógrafa brasileira Alice Martins expõe imagens da guerra na Síria

“Atlas do Agronegócio revela a complexa cadeia do setor agroindustrial”, diz coordenadora

"Assegurar preservação do patrimônio é responsabilidade da sociedade", diz presidente do Ibram sobre incêndio no Museu Nacional

“Quero nossa democracia de volta” pede cineasta brasileiro Fellipe Barbosa em Veneza

“Mulheres brasileiras sempre foram vistas como patrimônio do homem”, diz diretora-presidente da ONG Artemis

“Mulheres negras e indígenas representam o feminismo de resistência brasileiro”, afirmam pesquisadoras

Apesar da crise, brasileiros participam de Encontro Mundial das Famílias em Dublin

Instrumentalização política dos migrantes alimentou xenofobia em Roraima, diz professor da UFRR

"Tenho uma parte da história do Brasil nos meus arquivos", conta a fotógrafa Rosa Gauditano