rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Cultura
rss itunes

Design e arquitetura fazem parte de tesouro cultural de Glasgow

Por Patricia Moribe

Destino turístico: Glasgow, Escócia. Mas o que a cidade oferece para o visitante, além de futebol, uísque e chuva no verão? Glasgow não tem o charme de um castelo cravado em pleno centro urbano como é o caso da capital Edimburgo, mas tem uma história marcada por um forte movimento artístico na virada do século passado, no que ficou conhecido como o “Estilo de Glasgow”, uma espécie de vertente do Art Nouveau em voga.

Um dos principais expoentes, de renome internacional, foi o arquiteto, designer e pintor Charles Rennie Mackintosh (1868-1928). Os loucos por design identificam logo a cadeira Mackintosh – encosto alto como um trono, em grade geométrica - hoje objeto de colecionador, vendido em miniatura nos grandes museus do mundo.

Cadeira de Mackintosh no Museu Nacional de Etnologia de Osaka, Japão. By Yanajin33 - Own work, CC BY-SA 3.0, https://commons.wikimedia

Uma visita pelas ruas de Glasgow tendo como fio condutor as obras de Mackintosh é uma viagem artística no tempo. Vários prédios sobrevivem bem ou mal espalhados pela cidade. A Charles Rennie Mackintosh Society é um organismo independente, criado em 1973, que tem como objetivo preservar a obra do artista escocês. Stuart Robertson é o diretor da CRM Society:

“Mackintosh tem uma obra única, e aqui é o único lugar onde suas obras estão concentradas. Ele navegou pelos movimentos Arts and Crafts, pelo Art Nouveau, Art Déco, mas ele transcendeu todos esses movimentos, com um estilo único, muito ligado a Glasgow e à própria história do design na cidade. Isso tudo resistiu ao teste do tempo, Mackintosh era muito contemporâneo e continua moderno, mesmo cem anos depois”.

Charles Rennie Mackintosh wikipedia

De origem modesta, Mackintosh estudava arquitetura à noite, enquanto trabalhava de dia e levou 11 anos para se formar. Mas o talento foi seu grande diferencial. Fez projetos para a firma Honeyman & Keppie, foi integrante de um quarteto de artistas, ‘Os Quatro de Glasgow’, que incluía sua mulher, Margaret McDonald, expôs seus móveis em Viena, com sua leitura pessoal do Art Nouveau da época.

Glasgow acolhe vários prédios marcantes de Mackintosh, começando pela nova Escola de Arte de Glasgow, construída em duas fases, entre 1898 e 1909, com um intervalo por falta de fundos. O conjunto acabou sendo uma amostra do desenvolvimento do estilo de Mackintosh no período. Em 2014, boa parte do prédio foi atingida por um incêndio provocado por um projetor, e no momento o prédio passa por importantes restauros. 

A Escola de Artes de Glasgow após incêndio de 2014. By John a s (Own work) [GFDL (http://www.gnu.org/copyleft/fdl.ht

A Casa da Colina (Hill House, 1902-1904), nos arredores de Glasgow, é aberto para visitas e até estadias. O mobiliário original inclui originais da famosa cadeira de espaldar alto. A Igreja de Queen’s Cross, a única igreja projetada por Mackintosh serve hoje como sede da CRM Society. Outro design histórico do escocês são os salões de chá de Catherine Cranston, famosos pontos de encontro do começo do século passado. Em 2018, um desses ambientes, totalmente restaurado, será reaberto ao público.

Hill House, Helensburgh, Escócia. wikipedia/©2002, Jeremy Atherton.

Tanto a CRM Society e a Escola de Artes de Glasgow oferecem tours arquitetônicos pela cidade. No segundo caso, os guias são alunos da própria escola, jovens apaixonados por arte e arquitetura. Entre os visitantes, tem até pessoas da própria cidade, como Eileen, que fez o tour com o marido e a filha. “Foi estranho. Viajamos bastante para o exterior, conhecemos outras capitais, reparamos na arquitetura, nos prédios. E não fazemos isso em casa. Você passa por eles, não dá muita atenção, isso na sua própria cidade”, constata Eileen. Já a filha Victoria, 16 anos, aprovou o passeio e a aula: “Gostei muito. Tantos prédios interessantes que eu nem conhecia. E vivemos aqui. Foi muito interessante”.

Em 1914, frustrado com a falta de reconhecimento na Escócia, Mackintosh se muda para a Inglaterra e se dedica à aquarela. Em 1923, ele se instala no sul da França. Diagnosticado com câncer, ele vai para Londres em 1927, onde morre no ano seguinte, aos 60 anos.

Árpád Schilling encena desencanto e ruptura em “perfomance dos Bálcãs”

Mega exposição em Paris homenageia Barbara, ícone da chanson française

Exposição em Paris recupera 2 mil anos de presença cristã no Oriente, apesar da perseguição

Filmes brasileiros concorrem em várias categorias no festival de cinema de Biarritz

Exposição em Paris celebra 40 anos da morte de Maria Callas, "la diva"

“Fotografia não é função masculina, é humana”, diz fotógrafa de guerra

Antigo prédio ocupado no centro de Paris vira polo artístico internacional

Grupo carioca apresenta releitura de "Alice no País das Maravilhas" em Edimburgo

Mostra sobre casamentos forçados abre centro de fotojornalismo em Paris

Montpellier Danse: encontro de gerações da dança contemporânea na França

Templo da literatura lusófona em Paris, editora Chandaigne celebra 25 anos

Aos 88, cineasta Agnès Varda explora com fotógrafo JR os vilarejos franceses

Com ares pop, nova geração da música clássica francesa seduz grande público