rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Músico paraense toca "forró psicodélico" e ensina carimbó em Paris

Por Augusto Pinheiro

O multi-instrumentista e cantor paraense Thomaz Silva realizou no último sábado (26) a primeira de uma série de oficinas de carimbó em Paris, para ensinar os franceses a cantar, tocar e dançar o ritmo do Pará. A aula aconteceu no Parc de la Villette (norte).

“Havia aproximadamente 15 pessoas, principalmente franceses que já tinham contato com a cultura brasileira e franco-brasileiros. A oficina durou uma hora e meia, mas depois ficamos lá fazendo som, tocando. A aula foi dividida em "canto", com canções tradicionais do carimbó, "percussão", com alguns elementos rítmicos básicos do tambor, da maraca e do cacetinho (instrumento local), e "dança", com a Monique Deboutteville.”

Thomaz chegou há pouco mais de um ano à capital francesa para um mestrado em história na Universidade Paris Est-Créteil. “Venho atuando na cena musical brasileira na cidade desde que cheguei, tocando samba, forró, MPB. Mas senti a necessidade de mostrar a musicalidade da minha região.”

O músico também faz parte da banda Papo Furado, criada há cinco meses, de “forró psicodélico”. “Não temos uma formação tradicional de forró. Não temos sanfona, temos guitarra. E temos uma solista, a Amina Mezaache, que toca flauta. Temos o Seba Yahia no triângulo e eu na zabumba. A gente nunca toca uma coisa igual a outra. A gente viaja. A Amina é uma super improvisadora, e o guitarrista Rodrigo Samico gosta muito de rock e de música pop, então misturamos tudo.”

O grupo já se apresentpu várias vezes em Paris e em outras cidades francesas, como Nantes (oeste) e Marselha (sul). Ele também se apresenta sozinho no tradicional bar brasileiro Mineirinho, no 20° distrito de Paris.

Família de músicos

Thomaz vem de uma família de músicos e é filho do cantor e compositor Edilson Moreno, que é conhecido no Norte do Brasil. “Eu cresci nesse ambiente. Chegava da escola e havia uma banda na sala de casa ensaiando”, conta.

“Aos 18 anos fui morar com um tio em um condomínio em Belém, e conheci um pessoal que tocava samba. Comecei a tocar violão, percussão, cavaquinho. Depois conheci o projeto Choro do Pará, coordenado pelo Paulinho Moura. Entrei em contato com a linguagem do chorinho, depois com o carimbó.”

Em 2011 ele fez uma turnê de dois meses pela França e Espanha tocando em um grupo folclórico de carimbó. Ao voltar a Belém, ele fundou com amigos o projeto experimental Carimbó Pirata (CP) e lançou o single “Boa Noite Cinderela”.

Atualmente ele está em processo de composição e de pesquisa de repertório para um CD.

Marcela Levi e Lucía Russo: Crise no Brasil está esgotando a criação na dança

Pesquisador brasileiro comemora consolidação do futebol em meio acadêmico

Tatiana Leskova, testemunha viva da história do balé, é homenageada em Paris

Em Annecy, diretor de 'A Era do Gelo' revela desejo de criar séries de animação com parceiros no Brasil

“Temos que lutar para que não haja adiamento das eleições no Brasil”, diz Celso Amorim

Ministro da Cultura Sérgio Sá Leitão destaca "crescimento chinês” do audiovisual brasileiro

“Nossa música não está mais conectada com o povo”, diz compositor André Mehmari

Jornalista lança livro em Paris sobre José Ibrahim, um dos maiores nomes do sindicalismo brasileiro

“Roland Garros é a alma do tênis brasileiro atualmente”, diz Guga ao ser nomeado embaixador do torneio

Modelo de integração é de "indiferença às diferenças": romance de escritora franco-brasileira discute lugar da mulher mestiça entre Brasil e França

Mestre Reginaldo Maia resgata valores ancestrais da capoeira de Angola em Paris

“As eleições no Brasil já estão comprometidas”, diz presidente do PCO

"Moradia para todos é uma guerra política", diz urbanista João Whitaker em Paris

"Em tempos de email, só as cartas conseguem produzir uma eternidade nas pessoas", diz escritor Rodrigo Dias

Dupla Dinho Nogueira e Zé Barbeiro traz shows e cursos de choro para Europa

“Meu Brasil” é tema de mostra fotográfica em Paris criada com método de “mentoria”

Livro conta como Lisboa se tornou o “centro do mundo” na Segunda Guerra