rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Músico paraense toca "forró psicodélico" e ensina carimbó em Paris

Por Augusto Pinheiro

O multi-instrumentista e cantor paraense Thomaz Silva realizou no último sábado (26) a primeira de uma série de oficinas de carimbó em Paris, para ensinar os franceses a cantar, tocar e dançar o ritmo do Pará. A aula aconteceu no Parc de la Villette (norte).

“Havia aproximadamente 15 pessoas, principalmente franceses que já tinham contato com a cultura brasileira e franco-brasileiros. A oficina durou uma hora e meia, mas depois ficamos lá fazendo som, tocando. A aula foi dividida em "canto", com canções tradicionais do carimbó, "percussão", com alguns elementos rítmicos básicos do tambor, da maraca e do cacetinho (instrumento local), e "dança", com a Monique Deboutteville.”

Thomaz chegou há pouco mais de um ano à capital francesa para um mestrado em história na Universidade Paris Est-Créteil. “Venho atuando na cena musical brasileira na cidade desde que cheguei, tocando samba, forró, MPB. Mas senti a necessidade de mostrar a musicalidade da minha região.”

O músico também faz parte da banda Papo Furado, criada há cinco meses, de “forró psicodélico”. “Não temos uma formação tradicional de forró. Não temos sanfona, temos guitarra. E temos uma solista, a Amina Mezaache, que toca flauta. Temos o Seba Yahia no triângulo e eu na zabumba. A gente nunca toca uma coisa igual a outra. A gente viaja. A Amina é uma super improvisadora, e o guitarrista Rodrigo Samico gosta muito de rock e de música pop, então misturamos tudo.”

O grupo já se apresentpu várias vezes em Paris e em outras cidades francesas, como Nantes (oeste) e Marselha (sul). Ele também se apresenta sozinho no tradicional bar brasileiro Mineirinho, no 20° distrito de Paris.

Família de músicos

Thomaz vem de uma família de músicos e é filho do cantor e compositor Edilson Moreno, que é conhecido no Norte do Brasil. “Eu cresci nesse ambiente. Chegava da escola e havia uma banda na sala de casa ensaiando”, conta.

“Aos 18 anos fui morar com um tio em um condomínio em Belém, e conheci um pessoal que tocava samba. Comecei a tocar violão, percussão, cavaquinho. Depois conheci o projeto Choro do Pará, coordenado pelo Paulinho Moura. Entrei em contato com a linguagem do chorinho, depois com o carimbó.”

Em 2011 ele fez uma turnê de dois meses pela França e Espanha tocando em um grupo folclórico de carimbó. Ao voltar a Belém, ele fundou com amigos o projeto experimental Carimbó Pirata (CP) e lançou o single “Boa Noite Cinderela”.

Atualmente ele está em processo de composição e de pesquisa de repertório para um CD.

“Foi o jornalismo que me preparou para a música”, diz a cantora Letícia Maura

Vik Muniz: “Depois do modernismo, virou tabu falar de religião em arte”

Monólogo de ator brasileiro em Avignon resgata canções desconhecidas de Pasolini, entre erotismo e engajamento

Ricupero: Bolsonaro nomear filho embaixador nos EUA “é chocante e sem precedentes”

Rodrigo Ferreira: dos templos evangélicos no Brasil à cena lírica internacional

“O combate à corrupção no Brasil é uma mentira”, diz sociólogo Jessé Souza

Christiane Jatahy em Avignon: “Há no Brasil um pensamento ditatorial para calar a diferença”

“ONU está em alerta para acolher defensores de direitos humanos do Brasil”, diz deputada Renata Souza

“Lutamos tanto para conquistar um pouco de direitos humanos e a gente vai retirar isso?” questiona Marcelo D2 em entrevista em Paris

Acordo UE e Mercosul não é motivo para ufanismo em queda de preços, diz ex-embaixador Graça Lima

Tecnologias do semiárido brasileiro podem ajudar a alimentar imigrantes venezuelanos na Colômbia

"Governo de divisão social, oposto dos anteriores", diz autor de livro sobre Bolsonaro

Advogada do Consulado em Los Angeles analisa situação de brasileiros sem documentos nos EUA

"O ator precisa ter cartas na manga", diz Letícia Spiller sobre carreira de cantora

Brasil não é um dos países que mais usa agrotóxicos, isso é “balela”, diz ministra Tereza Cristina

“Bolsonarismo é uma articulação de radicalismo liberal com autoritarismo social”, diz professor da UERJ

Intolerância a valores progressistas pode impactar na publicidade, diz pesquisadora