rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Músico paraense toca "forró psicodélico" e ensina carimbó em Paris

Por Augusto Pinheiro

O multi-instrumentista e cantor paraense Thomaz Silva realizou no último sábado (26) a primeira de uma série de oficinas de carimbó em Paris, para ensinar os franceses a cantar, tocar e dançar o ritmo do Pará. A aula aconteceu no Parc de la Villette (norte).

“Havia aproximadamente 15 pessoas, principalmente franceses que já tinham contato com a cultura brasileira e franco-brasileiros. A oficina durou uma hora e meia, mas depois ficamos lá fazendo som, tocando. A aula foi dividida em "canto", com canções tradicionais do carimbó, "percussão", com alguns elementos rítmicos básicos do tambor, da maraca e do cacetinho (instrumento local), e "dança", com a Monique Deboutteville.”

Thomaz chegou há pouco mais de um ano à capital francesa para um mestrado em história na Universidade Paris Est-Créteil. “Venho atuando na cena musical brasileira na cidade desde que cheguei, tocando samba, forró, MPB. Mas senti a necessidade de mostrar a musicalidade da minha região.”

O músico também faz parte da banda Papo Furado, criada há cinco meses, de “forró psicodélico”. “Não temos uma formação tradicional de forró. Não temos sanfona, temos guitarra. E temos uma solista, a Amina Mezaache, que toca flauta. Temos o Seba Yahia no triângulo e eu na zabumba. A gente nunca toca uma coisa igual a outra. A gente viaja. A Amina é uma super improvisadora, e o guitarrista Rodrigo Samico gosta muito de rock e de música pop, então misturamos tudo.”

O grupo já se apresentpu várias vezes em Paris e em outras cidades francesas, como Nantes (oeste) e Marselha (sul). Ele também se apresenta sozinho no tradicional bar brasileiro Mineirinho, no 20° distrito de Paris.

Família de músicos

Thomaz vem de uma família de músicos e é filho do cantor e compositor Edilson Moreno, que é conhecido no Norte do Brasil. “Eu cresci nesse ambiente. Chegava da escola e havia uma banda na sala de casa ensaiando”, conta.

“Aos 18 anos fui morar com um tio em um condomínio em Belém, e conheci um pessoal que tocava samba. Comecei a tocar violão, percussão, cavaquinho. Depois conheci o projeto Choro do Pará, coordenado pelo Paulinho Moura. Entrei em contato com a linguagem do chorinho, depois com o carimbó.”

Em 2011 ele fez uma turnê de dois meses pela França e Espanha tocando em um grupo folclórico de carimbó. Ao voltar a Belém, ele fundou com amigos o projeto experimental Carimbó Pirata (CP) e lançou o single “Boa Noite Cinderela”.

Atualmente ele está em processo de composição e de pesquisa de repertório para um CD.

“Discurso de ódio de Bolsonaro favorece ataques contra imprensa”, diz representante da RSF no Brasil

“Torre das Donzelas é um convite à resistência”, diz cineasta que reviveu presídio feminino durante a ditadura

“Acredito na resiliência do setor cultural”, diz assessor da Ancine sobre riscos para fomento

“Não queremos reviver luta armada”, diz diretora de documentário sobre ex-guerrilheiro

“Somos massacrados pela música comercial da pior qualidade”, diz trombonista Raul de Souza

Brasil rejeita presença africana desde século 19, diz Beatriz Mamigonian, especialista em escravidão moderna

“Bolsonaro é uma ameaça aos indígenas do Brasil”, diz cacique Tanoné em visita à França

Professor da Unicamp apresenta em Paris dispositivo alternativo para imersão sonora

Atualidade política inspira 21ª edição do Festival de Cinema Brasileiro de Paris

“Eu nunca me aquietei artisticamente”, diz cantora Flávia Bittencourt em turnê pela Europa

Escritora italiana Lisa Ginzburg lança livro de amor e tragédia no Brasil dos orixás

Filme sobre destruição de marco zero do Rio traz triste paralelo com atualidade

DJ Marcelinho da Lua lança álbum “Insolente” e diz: “Mundo atual está precisando de provocação”

Arte “ecológica” de Manfredo de Souzanetto volta a ser exposta na Europa

Apesar dos retrocessos no país, literatura brasileira vive um bom momento, avalia Henrique Rodrigues

“Literatura LGBT não deve virar rótulo”, diz escritora Cristina Judar em Paris

“Cada vez mais o racismo brasileiro sai do armário”, diz Conceição Evaristo em Paris

Beatriz Seigner: Lula e Dilma ajudaram a mostrar outros sotaques do cinema no Brasil