rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Entre Brasil e França, "Ocupação Agora" discute crise brasileira na dança contemporânea

Por Silvano Mendes

De junho a novembro de 2017, o teatro da Aliança Francesa da Tijuca, no Rio de Janeiro, recebe o projeto “Ocupação Agora”, uma espécie de ponte entre a França e o Brasil no mundo da dança contemporânea. Para falar sobre o assunto, RFI Convida Astrid Takche de Toledo, bailarina e produtora cultural radicada em Paris, uma das idealizadoras do projeto.

O projeto "Ocupação Agora" consiste num espaço propício para encontros, trocas e conversas entre artistas brasileiros e internacionais sobre a questão política que estamos vivendo no Brasil e no estado do Rio de Janeiro atualmente", explica a artista.

“O projeto nasceu do desejo de poder criar um espaço de encontro, de existência e de troca. O Rio de Janeiro está passando por uma crise muito grave nos seus equipamentos culturais e em suas políticas culturais e, por necessidade, decidimos nos unir”, completa Astrid, que representa artistas franceses e internacionais no Brasil, como Fabrice Ramalingom, da companhia R.a.M.a.

Encontro com a Aliança Francesa

“O encontro com a Aliança Francesa foi fundamental. Numa conversa, quase um desabafo, com a direção-geral da Aliança Francesa do Rio de Janeiro, a gente expôs essa falta de perspectiva por causa desse monte de problemas ligados à crise do Estado e da Prefeitura do Rio e eles cederam graciosamente o teatro da Tijuca para criarmos este espaço de encontro e de troca, conta a produtora cultural.

“A partir do momento que eles cederam essa possibilidade, a gente sentiu que um movimento em torno dessa ideia e dessa possibilidade começou a ser fomentada. Realmente, foi uma abertura que deu um sopro, por menor que seja, pra esse momento de crise que a gente está vivendo", afirma Astrid.

“O projeto ainda não tem financiamento, mas contamos com o apoio [além da Aliança Francesa] da Universidade de Teatro do Rio de Janeiro, a Unirio, que cede espaços para oficinas”, explica Astrid Takche de Toledo. No mês de setembro vamos acolher o coletivo da Ivana Menna Barreto, que passava justamente por dificuldades de espaço. A companhia apresentará, no fim do mês, na Aliança Francesa do bairro de Botafogo, uma etapa do novo trabalho, já acontecendo dentro desta nova perspectiva de ocupação”, afirmou a artista.

*Para ouvir a entrevista com Astrid Takche de Toledo na íntegra, clique na foto acima.

“Europeu gosta de música brasileira com contexto histórico”, diz cantor Mario Bakuna

Decreto de Bolsonaro sobre armas trará mais violência, alerta Instituto Sou da Paz

"Bolsonaro afeta a imagem do Brasil", diz Fernando Henrique Cardoso em Paris

“Bolívia deu uma lição de moral no Brasil ao extraditar Battisti”, diz ex-deputada ítalo-brasileira

“Passamos 80% do nosso tempo negociando”, diz criador de novo método de negociação e gestão de conflito

Brasil será interlocutor dos EUA nas relações com Maduro, aponta pesquisador

Especialista da UFMG sobre política do novo governo: “No Brasil, índio bom é índio morto”

Relações entre Brasil e França vão se deteriorar com política ambiental de Bolsonaro, diz pesquisador

Pianista brasileiro investe no Tango para seu primeiro concerto parisiense

“Com FUNAI já era difícil demarcar terras indígenas, com ruralistas será mais complicado” diz ativista de ONG

Projeto político de Bolsonaro cria desconfiança na Europa, diz historiadora francesa

"Congresso muito fragmentado será obstáculo para governo Bolsonaro", diz professor da UERJ

“Bolsonaro começa mandato pressionado e tem três meses para mostrar a que veio”, diz especialista em economia.

Autora brasileira radicada na França lança livro de memórias de viagens na Amazônia

"Intervenção federal no RJ também foi marcada pela falta de transparência e respostas sobre violações", diz coordenador de Observatório

Direitos Humanos no Brasil: perspectivas para 2019 são preocupantes, diz advogada da OAB

“Postura de Bolsonaro com a imprensa tem inspiração autoritária”, diz Eugênio Bucci

Congresso será a maior dificuldade para aprovar medidas contra a corrupção, diz fundador da ONG Contas Abertas

“Brasil poderá crescer até 3,5% em 2019 se aprovar reformas”, afirma economista