rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Margareth Menezes canta Gil e Caetano na Lavagem da Madeleine em Paris

Por Augusto Pinheiro

A cantora e compositora baiana Margareth Menezes, que completa  30 anos de carreira, se apresenta nesta sexta-feira (8) no Festival Cultural Brasileiro da Lavagem da Madeleine, em Paris. Trata-se do maior evento de rua brasileiro da Europa, inspirado na lavagem da Igreja do Bonfim, em Salvador, de sincretismo entre o catolicismo e o candomblé.

“Meu show é uma festa. Cantar nesse evento que existe há 16 anos é especial. É um festival lindo, voltado a mostrar a alma da cultura brasileira. É um grande prazer participar. O Robertinho (Roberto Chaves, organizador) é um baiano da gema, que trouxe essa pitada da Bahia e do Brasil para a França”, disse Magareth em entrevista à RFI Brasil.

Ela vai tocar algumas canções do CD “Para Gil e Caetano”, lançado em 2015, em homenagem aos 50 anos de carreira dos dois mestres da MPB, e também seus grandes sucessos. “Vou misturar as variedades de ritmos que temos na Bahia."

Nascida em Salvador, a cantora já participou da lavagem da Igreja do Bonfim. “Ela faz parte da nossa vida. Minha família mora exatamente naquela área, eu nasci naquele bairro. É um evento que propõe uma reflexão sobre a paz. São milhares de pessoas caminhando 8 km até a igreja, vestidas de branco”, conta.

Ela lembra que, quando criança, via a procissão passando perto da sua casa. “Acho muito bonito reproduzirem isso na França.”

Aretha Franklin brasileira

Em reportagem publicada na quarta-feira (6) sobre o festival, o jornal francês Le Parisien definiu a artista como “ícone da música afro-pop e Aretha Franklin brasileira”.

“Eu agradeço a comparação porque ela é uma cantora de um padrão bem bacana. Acho que cantar é algo que já nasceu comigo. Desde menina ser cantora era algo bem natural para mim. É algo que eu faço com muito amor, e eu quero cada vez mais poder representar melhor nosso país e a nossa música.”

Com sua voz potente, ela ficou conhecida no Brasil, nos anos 1990, por interpretar clássicos do Carnaval como “Faraó” e “Elegibô” – esta última ainda tocada em bares e clubes parisienses.

“A França sempre me abraçou, desde a primeira vez que eu estive aqui. Eu era bem novinha e quis logo conhecer a Torre Eiffel, acho um lugar lindo. Hoje já fui lá visitá-la, como faço todas as vezes que estou aqui. Este país dá exemplo no tratamento e na valorização da sua cultura e também dá oportunidade para outras culturas.”

Atualmente Margareth se dedica à gravação de músicas novas e realizará um show em comemoração aos 30 anos de carreira, no dia 23 de novembro, na Concha Acústica, em Salvador

Marcela Levi e Lucía Russo: Crise no Brasil está esgotando a criação na dança

Pesquisador brasileiro comemora consolidação do futebol em meio acadêmico

Tatiana Leskova, testemunha viva da história do balé, é homenageada em Paris

Em Annecy, diretor de 'A Era do Gelo' revela desejo de criar séries de animação com parceiros no Brasil

“Temos que lutar para que não haja adiamento das eleições no Brasil”, diz Celso Amorim

Ministro da Cultura Sérgio Sá Leitão destaca "crescimento chinês” do audiovisual brasileiro

“Nossa música não está mais conectada com o povo”, diz compositor André Mehmari

Jornalista lança livro em Paris sobre José Ibrahim, um dos maiores nomes do sindicalismo brasileiro

“Roland Garros é a alma do tênis brasileiro atualmente”, diz Guga ao ser nomeado embaixador do torneio

Modelo de integração é de "indiferença às diferenças": romance de escritora franco-brasileira discute lugar da mulher mestiça entre Brasil e França

Mestre Reginaldo Maia resgata valores ancestrais da capoeira de Angola em Paris

“As eleições no Brasil já estão comprometidas”, diz presidente do PCO

"Moradia para todos é uma guerra política", diz urbanista João Whitaker em Paris

"Em tempos de email, só as cartas conseguem produzir uma eternidade nas pessoas", diz escritor Rodrigo Dias

Dupla Dinho Nogueira e Zé Barbeiro traz shows e cursos de choro para Europa

“Meu Brasil” é tema de mostra fotográfica em Paris criada com método de “mentoria”

Livro conta como Lisboa se tornou o “centro do mundo” na Segunda Guerra