rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Margareth Menezes canta Gil e Caetano na Lavagem da Madeleine em Paris

Por Augusto Pinheiro

A cantora e compositora baiana Margareth Menezes, que completa  30 anos de carreira, se apresenta nesta sexta-feira (8) no Festival Cultural Brasileiro da Lavagem da Madeleine, em Paris. Trata-se do maior evento de rua brasileiro da Europa, inspirado na lavagem da Igreja do Bonfim, em Salvador, de sincretismo entre o catolicismo e o candomblé.

“Meu show é uma festa. Cantar nesse evento que existe há 16 anos é especial. É um festival lindo, voltado a mostrar a alma da cultura brasileira. É um grande prazer participar. O Robertinho (Roberto Chaves, organizador) é um baiano da gema, que trouxe essa pitada da Bahia e do Brasil para a França”, disse Magareth em entrevista à RFI Brasil.

Ela vai tocar algumas canções do CD “Para Gil e Caetano”, lançado em 2015, em homenagem aos 50 anos de carreira dos dois mestres da MPB, e também seus grandes sucessos. “Vou misturar as variedades de ritmos que temos na Bahia."

Nascida em Salvador, a cantora já participou da lavagem da Igreja do Bonfim. “Ela faz parte da nossa vida. Minha família mora exatamente naquela área, eu nasci naquele bairro. É um evento que propõe uma reflexão sobre a paz. São milhares de pessoas caminhando 8 km até a igreja, vestidas de branco”, conta.

Ela lembra que, quando criança, via a procissão passando perto da sua casa. “Acho muito bonito reproduzirem isso na França.”

Aretha Franklin brasileira

Em reportagem publicada na quarta-feira (6) sobre o festival, o jornal francês Le Parisien definiu a artista como “ícone da música afro-pop e Aretha Franklin brasileira”.

“Eu agradeço a comparação porque ela é uma cantora de um padrão bem bacana. Acho que cantar é algo que já nasceu comigo. Desde menina ser cantora era algo bem natural para mim. É algo que eu faço com muito amor, e eu quero cada vez mais poder representar melhor nosso país e a nossa música.”

Com sua voz potente, ela ficou conhecida no Brasil, nos anos 1990, por interpretar clássicos do Carnaval como “Faraó” e “Elegibô” – esta última ainda tocada em bares e clubes parisienses.

“A França sempre me abraçou, desde a primeira vez que eu estive aqui. Eu era bem novinha e quis logo conhecer a Torre Eiffel, acho um lugar lindo. Hoje já fui lá visitá-la, como faço todas as vezes que estou aqui. Este país dá exemplo no tratamento e na valorização da sua cultura e também dá oportunidade para outras culturas.”

Atualmente Margareth se dedica à gravação de músicas novas e realizará um show em comemoração aos 30 anos de carreira, no dia 23 de novembro, na Concha Acústica, em Salvador

Ao canonizar irmã Dulce, papa Francisco promove humanismo, diz biógrafo da religiosa brasileira

Brasil vendia imagem de país cordial, mas sempre foi autoritário, diz Lilia Schwarcz

"Descoberta mudou a física e a astronomia”, diz cientista brasileiro que pesquisou com novo Nobel

“Sucesso do cinema brasileiro não é acidente, foi plantado há vários anos”, diz Karim Ainouz

Da janela de um arranha-céu de Porto Alegre, Rodrigo John filma a “virada histórica” do Brasil de 2013 a 2018

“Desmonte da cultura é um verdadeiro pesadelo no Brasil” diz Julio Bressane, homenageado no Festival de Biarritz

“Surto de desmatamento na Amazônia se explica pela chegada do governo Bolsonaro”, diz cientista do INPA

Documentário sobre greve de caminhoneiros no Brasil é exibido em Paris

"Jacques Chirac vai ser lembrado como um bon vivant", diz escritor Gilles Lapouge

Violência no Brasil é fruto do aparato repressivo herdado da ditadura, diz filósofo Edson Teles

Festival 'Brésil en Mouvements' celebra 15 anos com 11 filmes inéditos e participação da família de Marielle Franco

Pesquisadores formam rede para divulgar acervos estrangeiros sobre cultura brasileira

"João Gilberto sintetizou o samba", diz Bernardo Lobo ao homenagear compositor em Paris

Em Paris, soprano brasileira Camila Titinger canta na ópera Don Giovanni

Artista plástico Oscar Oiwa expõe em Paris obras de três cidades ligadas pelas Olimpíadas

Revista Vesta discute os desafios das adoções que “não dão certo”

Série sobre índios da Amazônia rende prêmio a fotógrafa brasileira em Perpignan

Artista plástica radicada na França, Janice Melhem Santos exibe coletânea de obras