rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Cineasta Vincent Carelli denuncia genocídio indígena no Brasil

Por Paloma Varón

“Martírio”, o novo filme do cineasta e indigenista franco-brasileiro Vincent Carelli abre na noite desta quarta-feira (27) a 13ª edição do festival de documentários Brésil en Mouvements, que acontece em Paris até 1º de outubro.

“Martírio conta a história do genocídio contemporâneo dos índios brasileiros Guarani-Kaiowá no Mato Grosso do Sul e o embate desigual contra o grande lobby do agronegócio”, explicou. É um filme que faz uma retrospectiva histórica da relação do governo brasileiro com os povos indígenas.

Além disso, Carelli é criador do projeto Vídeo nas Aldeias, fundado em 1987, que forma cineastas indígenas. Seu segundo filme no festival, “Tava, uma casa de pedra”, que será exibido na quinta-feira (28) às 18h, é fruto deste projeto.

De viés histórico, “Tava, uma casa de pedra” foi feito para o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), para registrar a versão dos índios guaranis sobre as missões jesuíticas e a ‘guerra guaranítica’ dos século 16. “É a memória dos índios Guarani a respeito destes fatos históricos”, contou.

Sobre o Vídeo nas Aldeias, ele disse: “O projeto não nasceu pronto, ele começou como um experimento para ver como os índios reagiriam à possibilidade da apropriação da sua própria imagem. E o resultado foi incrível: é uma questão de valorizar o seu património cultural”.

E isso, segundo ele, contribuiu para a visibilidade nacional que os índios tanto almejam. Os filmes produzidos pelo Vídeo nas Aldeias circulam também entre as aldeias indígenas do Brasil e da América Latina.

Vai ter luta’

Sobre os avanços e retrocessos na causa indígena no Brasil atual, Carelli comentou: “No Brasil hoje todos nós somos índios; todos os dias a gente acorda sabendo que na véspera, à noite, se votou alguma desgraça, algum retrocesso. Com os índios acontece a mesma coisa”.

“Nunca houve uma ofensiva tão violenta contra os direitos indígenas, nos níveis político e jurídico. Por outro lado, os índios nunca estiveram tão mobilizados. Então, vai ter luta”, continuou.

Carelli disse ter consciência de que seu filme ‘Martírio’ é uma arma poderosa nas mãos dos índios e, segundo ele, tem comovido o público brasileiro. “Releva uma faceta da história do Brasil que as pessoas não aprenderam na escola, é uma revelação em vários sentidos”.

Na opinião do cineasta, a sociedade civil brasileira sempre teve um peso nas questões indígenas e é importante que ela esteja bem informada sobre a causa.

Carelli contou que ele e os índios fizeram projetos com o Ministério da Educação para difundir nas escolas indígenas e também que o material produzido por eles passou durante dois anos na televisão aberta brasileira, em rede nacional.

“Um decreto que foi revogado pelo atual governo é o do ensino das questões afro-brasileira e indígena na escola; esta revogação está no pacote de retrocessos”, lamentou.

Clique na foto acima para ouvir a entrevista.

Fome Zero seguirá como meta da ONU para erradicar fome no mundo, afirma José Graziano

Brasileira apresenta na Berlinale documentário sobre ocupação dos Sem Terra em Goiás

“Direito à comunicação no Brasil ainda é muito atrasado”, diz fundador de web rádio indígena

"Alastrar competitividade para toda a economia brasileira está no radar do governo", diz diretor-geral da OMC

Fotógrafo curitibano expõe em Paris obras inspiradas na espiritualidade

Orçamento participativo e Bolsa Família são as principais políticas públicas “exportadas” pelo Brasil

“Brasil tem volta da oligarquia com uma política de extrema direita”, diz sociólogo da UFRJ

Compositor francês Debussy influenciou até Bossa Nova, lembra maestro Isaac Chueke

“Brasil e França trabalharam pelo silenciamento da memória escravista”, diz historiadora

Escritora Telma Brites Alves lança em Paris seu livro "Gaia: A Roda da Vida"

Cantora brasileira mistura música árabe e nordestina em álbum “Brisa Mourisca”

Movimento dos Atingidos por Barragens quer garantias de reparação total de danos às vítimas de Brumadinho

"Precariedade das favelas é estimulada pelo próprio Estado", diz historiador

Human Rights Watch: partida de Jean Wyllys é “triste para a esquerda e a direita”

“Falta educação no projeto de governo Bolsonaro”, diz Renato Janine Ribeiro

Apoiar oposição a Maduro é ingênuo e perigoso, diz especialista da Unicamp

"Estrela no Guia Michelin brinda a amizade franco-brasileira”, diz chef Raphaël Rego

Brasil é país que mais cai em relatório sobre competitividade divulgado em Davos