rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Cineasta Vincent Carelli denuncia genocídio indígena no Brasil

Por Paloma Varón

“Martírio”, o novo filme do cineasta e indigenista franco-brasileiro Vincent Carelli abre na noite desta quarta-feira (27) a 13ª edição do festival de documentários Brésil en Mouvements, que acontece em Paris até 1º de outubro.

“Martírio conta a história do genocídio contemporâneo dos índios brasileiros Guarani-Kaiowá no Mato Grosso do Sul e o embate desigual contra o grande lobby do agronegócio”, explicou. É um filme que faz uma retrospectiva histórica da relação do governo brasileiro com os povos indígenas.

Além disso, Carelli é criador do projeto Vídeo nas Aldeias, fundado em 1987, que forma cineastas indígenas. Seu segundo filme no festival, “Tava, uma casa de pedra”, que será exibido na quinta-feira (28) às 18h, é fruto deste projeto.

De viés histórico, “Tava, uma casa de pedra” foi feito para o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), para registrar a versão dos índios guaranis sobre as missões jesuíticas e a ‘guerra guaranítica’ dos século 16. “É a memória dos índios Guarani a respeito destes fatos históricos”, contou.

Sobre o Vídeo nas Aldeias, ele disse: “O projeto não nasceu pronto, ele começou como um experimento para ver como os índios reagiriam à possibilidade da apropriação da sua própria imagem. E o resultado foi incrível: é uma questão de valorizar o seu património cultural”.

E isso, segundo ele, contribuiu para a visibilidade nacional que os índios tanto almejam. Os filmes produzidos pelo Vídeo nas Aldeias circulam também entre as aldeias indígenas do Brasil e da América Latina.

Vai ter luta’

Sobre os avanços e retrocessos na causa indígena no Brasil atual, Carelli comentou: “No Brasil hoje todos nós somos índios; todos os dias a gente acorda sabendo que na véspera, à noite, se votou alguma desgraça, algum retrocesso. Com os índios acontece a mesma coisa”.

“Nunca houve uma ofensiva tão violenta contra os direitos indígenas, nos níveis político e jurídico. Por outro lado, os índios nunca estiveram tão mobilizados. Então, vai ter luta”, continuou.

Carelli disse ter consciência de que seu filme ‘Martírio’ é uma arma poderosa nas mãos dos índios e, segundo ele, tem comovido o público brasileiro. “Releva uma faceta da história do Brasil que as pessoas não aprenderam na escola, é uma revelação em vários sentidos”.

Na opinião do cineasta, a sociedade civil brasileira sempre teve um peso nas questões indígenas e é importante que ela esteja bem informada sobre a causa.

Carelli contou que ele e os índios fizeram projetos com o Ministério da Educação para difundir nas escolas indígenas e também que o material produzido por eles passou durante dois anos na televisão aberta brasileira, em rede nacional.

“Um decreto que foi revogado pelo atual governo é o do ensino das questões afro-brasileira e indígena na escola; esta revogação está no pacote de retrocessos”, lamentou.

Clique na foto acima para ouvir a entrevista.

"Vitimização de Lula é estratégia do PT para angariar votos", diz cientista político

Sergio Amadeu: combate à desinformação na rede é importante mas não pode virar censura

“Nosso trabalho é mais valorizado fora do Brasil”, diz Sandra Veloso, do Balé Folclórico de Fortaleza

Ilustradora Suppa e Miguel Falabella criam canal no Youtube para crianças de todas as idades

A carne é um objeto de sedução e excitação, diz Júlio Bressane em Locarno

Calixto Neto dança a “ira” para reinventar “corpos minoritários” no Festival Camping, em Paris

"Rever acordos de paz com as FARC é um risco para novo presidente da Colômbia”, diz historiador

Em Arles, Thyago Nogueira, do IMS, divulga fotografia brasileira contemporânea

Cineasta franco-suíço apresenta filme sobre a busca por entrevista com João Gilberto

Documentário brasileiro “Zaatari” revela força e poesia de refugiados sírios na Jordânia

Crise ameaça renovação da classe científica brasileira, diz Marcelo Viana, organizador do Congresso Internacional de Matemáticos

Revista acadêmica francesa lança número especial sobre crise política no Brasil

"Existe um índio dentro de cada brasileiro", diz Ernesto Neto, em cartaz com a escultura monumental GaiaMotherTree na Suíça

Turistas brasileiros cada vez mais interessados em história da arte em Paris

“Riqueza infinita”: apresentador Gilles Bourgarel promove música brasileira há 14 anos na Françar

“Discussão sobre identidade de gênero no teatro é uma tendência mundial”, diz professora da USP que acompanha o Festival de Avignon

Cineasta Lúcia Verissimo defende a importância da preservação da memória de um país