rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Jorge Antunes: “Faço música eletrônica para mexer com intelecto, e não com o esqueleto”

Por Mauricio Assumpção

O compositor brasileiro Jorge Antunes está de passagem por Paris para divulgar seu novo trabalho. Além de um CD, o artista pioneiro da música eletrônica apresentou na capital francesa uma projeção de uma ópera baseada na vida de Olga Benário Prestes.

Atuante desde o início dos anos 1960, Antunes é um artista eclético, que compõe desde ópera a marchinha de carnaval, passando por música de câmara. Mas ele é conhecido principalmente por ser considerado o “pai da música eletrônica no Brasil”.

“Muitos jovens que frequentam baladas hoje pensam que a música eletrônica surgiu no final dos anos 1960, como Tangerine Dream ou Kraftwerk, mas poucos conhecem a história que começou em Paris, com Pierre Schaeffer, em 1948”, comenta o compositor, lembrando que esse estilo musical vai muito além das raves que o popularizou. “Eu costumo dizer que a música eletrônica que faço é para mexer com o intelecto, enquanto a outra, a música de rave, é para mexer com o esqueleto”, brinca.

O compositor está em Paris para lançar o CD Jorge Antunes – Meus pianistas, projeto no qual apresenta obras compostas para amigos interpretarem no piano. Ele também participou de uma projeção do filme da ópera Olga, uma obra baseada na vida de Olga Benário Prestes. “A ópera é o gênero onde me realizo por completo, pois tem cena, teatro, texto”, comenta o compositor, que reivindica a vontade de misturar diferentes disciplinas em seu trabalho.

Além disso, Antunes sempre acrescenta um viés político e quase militante em sua obra, como em suas óperas de rua. “Esse é o modo que tenho visto para contribuir na luta contra a canalhice vigente no Brasil, tanto em Brasília quanto na política nacional”, lança. “O compositor não pode ficar em uma torre de marfim, afastado da sociedade”, conclui.

Assista a entrevista completa abaixo ou clique na foto acima.

Brasileiro Lucas Guimaraens é curador convidado da Bienal de Poetas na França

"Clarice Lispector é única não só no Brasil, mas no mundo também", diz biógrafo Benjamin Moser

Cláudio Edinger participa da feira Paris Photo com imagens de "Machina Mundi"

“Produzimos 45% de toda a proteína do Brasil sem desmatar”, diz governador do Mato Grosso na China

“Villa-Lobos leva o europeu a se interessar por outros compositores brasileiros”, diz Paulo Meirelles

Brasília se cala sobre a responsabilidade da Samarco na tragédia de Mariana, diz promotor

“Fotos brasileiras interessam cada vez mais mercado da arte”, diz curador em Paris

“Nunca morreram tantas pessoas assassinadas no Brasil”, diz pesquisador

Izabella Borges: "existe uma lenda que literatura brasileira não vende na França"

“Não existe salvador da pátria”, afirma prefeito do PSDB em visita a Paris

Portaria do governo enfraquece combate ao trabalho escravo no Brasil, diz especialista da OIT