rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Jorge Antunes: “Faço música eletrônica para mexer com intelecto, e não com o esqueleto”

Por Mauricio Assumpção

O compositor brasileiro Jorge Antunes está de passagem por Paris para divulgar seu novo trabalho. Além de um CD, o artista pioneiro da música eletrônica apresentou na capital francesa uma projeção de uma ópera baseada na vida de Olga Benário Prestes.

Atuante desde o início dos anos 1960, Antunes é um artista eclético, que compõe desde ópera a marchinha de carnaval, passando por música de câmara. Mas ele é conhecido principalmente por ser considerado o “pai da música eletrônica no Brasil”.

“Muitos jovens que frequentam baladas hoje pensam que a música eletrônica surgiu no final dos anos 1960, como Tangerine Dream ou Kraftwerk, mas poucos conhecem a história que começou em Paris, com Pierre Schaeffer, em 1948”, comenta o compositor, lembrando que esse estilo musical vai muito além das raves que o popularizou. “Eu costumo dizer que a música eletrônica que faço é para mexer com o intelecto, enquanto a outra, a música de rave, é para mexer com o esqueleto”, brinca.

O compositor está em Paris para lançar o CD Jorge Antunes – Meus pianistas, projeto no qual apresenta obras compostas para amigos interpretarem no piano. Ele também participou de uma projeção do filme da ópera Olga, uma obra baseada na vida de Olga Benário Prestes. “A ópera é o gênero onde me realizo por completo, pois tem cena, teatro, texto”, comenta o compositor, que reivindica a vontade de misturar diferentes disciplinas em seu trabalho.

Além disso, Antunes sempre acrescenta um viés político e quase militante em sua obra, como em suas óperas de rua. “Esse é o modo que tenho visto para contribuir na luta contra a canalhice vigente no Brasil, tanto em Brasília quanto na política nacional”, lança. “O compositor não pode ficar em uma torre de marfim, afastado da sociedade”, conclui.

Assista a entrevista completa abaixo ou clique na foto acima.

Hong Kong: Impacto internacional limita riscos de novo massacre pela China, diz professor

Brasileiro propõe Notre-Dame com cobertura leve em vitrais: “Risco estrutural é real”

“Somos seres humanos como Bolsonaro”, diz índio brasileiro no Festival de Locarno

“Países que praticaram políticas de privatização do ensino nunca chegaram a esse nível”, diz professora da Unirio, que participa do protesto pela educação no Brasil

Após turnê europeia, cantor Dienis retorna ao Brasil com “Lua Cheia”

Filme de brasileira concorre a prêmio no Festival de Locarno tocando em feridas abertas da colonização amazônica

Paulo Artaxo: limitar aquecimento global a 2°C é “praticamente impossível”

Não há risco de epidemia de malária vinda da Venezuela, mas de sarampo sim

Brasil vive "tentativa de imbecilização coletiva”, diz filósofo português

Arles: festival de fotografia mostra trabalho de Pedro Kuperman e indígenas Ashaninka, do Acre

“Aliança militar com EUA é coerente com projeto de submissão do Brasil”, diz pesquisador da UNESP

Ao dar "bolo" em chanceler francês, Bolsonaro mostra que não tem postura de presidente, analisa cientista político

“O sistema judiciário se tornou espaço de disputas políticas”, diz juiz Rubens Casara

Discurso de governo para explorar terras indígenas legitima invasões, alerta organização indigenista

“A sociedade diz todos os dias como uma mulher negra tem que se comportar”, afirma cantora Tássia Reis, em turnê na Europa

Demônios da Garoa se apresenta pela primeira vez na Europa em festival que homenageia São Paulo

“Workaholic”, Balzac tinha a pulsão de retratar a França do século 19, diz pesquisadora

“Foi o jornalismo que me preparou para a música”, diz a cantora Letícia Maura