rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

“Fotos brasileiras interessam cada vez mais mercado da arte”, diz curador em Paris

Por Silvano Mendes

Anos 40, fim da segunda guerra mundial, momento em a fotografia brasileira começou a viajar o mundo. A exposição "Images Voyageuses – Photographies brésiliennes en France", ou "As Imagens Viajantes – a fotografias brasileiras na França" da Fundação Calouste Gulbenkian, em Paris, mostra como os fotógrafos amadores da época ajudaram a formar gerações de artistas brasileiros.

Tudo começou com fotoclubes no Rio de Janeiro e em São Paulo, que organizavam, nos anos 40, as primeiras exposições e salões nacionais para a difusão da arte fotográfica. Em 1946, o Salão Internacional de Arte Fotográfica em Paris recebe as primeiras contribuições brasileiras. Em 51, são 21 fotos em cartaz e, em 1960, uma exposição toda consagrada a artistas brasileiros. São essas imagens, tanto as aceitas quanto as recusadas, que ilustram a exposição "Imagens Viajantes", e que são, segundo a Fundação Gulbenkian, essenciais para compreender as vitórias, as derrotas e os limites dos artistas brasileiros da época.

"Eu acho que é interessante justamente porque, como eles não tem um compromisso com algum movimento específico, têm liberdade de criação, a possibilidade de se relacionar com outros meios, de dialogar com outras épocas e estilos da fotografia, e com outras artes também", diz Lucas Mendes Menezes, curador da mostra junto dom Marion Perceval.

Novos artistas ainda se beneficiam do imaginário brasileiro

Segundo Menezes, hoje em dia ainda há um vestígio da curiosidade documental em torno do Brasil, o que dá projeção a artistas contemporâneos brasileiros e os inspira. “A Rosângela Rennó, por exemplo, tem uma relação muito forte com a fotografia de arquivos e com a reapropriação de imagens”, cita o curador.

As imagens do país também estão interessando cada vez mais o mercado da arte. Grandes museus, como o Moma, em Nova York, e o Tate Modern, em Londres, têm acrescentado obras de fotógrafos brasileiros a seus acervos.

"Eu acho que o mundo está notando que essas imagens brasileiras são diferentes, elas fizeram sucesso e viajaram o mundo na época em que foram produzidas, mas hoje a gente pode perceber esse olhar de valorização porque tem algo ali peculiar," diz Menezes.

Para quem tiver interesse em ver as fotografias de perto, a exposição vai até o dia 14 de novembro na Fundação Calouste Gulbenkian, em Paris.

(Ouça a entrevista na íntegra clicando na foto acima)

Revista Brésils inaugura edição bilíngue com dossiê sobre parques e jardins

Racismo é tema de instalação que abre mostra virtual de artistas brasileiros em Paris

"Não é normal que o Brasil continue socialmente tão desigual”, dizem autores de Atlas

Festival franco-brasileiro Curta com Teatro celebra cinco anos de exibição de peças e filmes

Viagens do surrealista francês Benjamin Péret pelo Brasil são tema de livro

Mario Bakuna fala sobre tocar clássicos russos com “pegada brasileira”

Startup carioca alia tecnologia de ponta e fornecedores franceses para criar produtos 100% recicláveis

Falhas do Estado explicam aumento de apoio à pena de morte no Brasil, diz pesquisador da HRW

"As pessoas bebem café gourmet em busca de status social", revela sociólogo brasileiro

"Nossa dívida pública é alimentada por mecanismos fraudulentos", alerta ONG da Dívida

Guilherme Pimentel: "O WhatsApp é uma ferramenta de denúncia da violência policial no Rio"

"Condenado, preso ou livre, Lula é fator mais relevante da eleição 2018”, diz cientista política

“Me sinto adotado pelos músicos brasileiros”, diz violinista francês Nicolas Krassik

"É urgente transformar o consumo", diz estilista brasileira vencedora de prêmio em Paris

“Lisboa é uma ‘cidade resort’”, afirma membro de associação turística

Sommelière ensina como economizar na hora de escolher vinhos para o Natal