rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

“Nós vendamos o público para tentar curá-lo da cegueira do Outro”, diz encenador de Cidade Cega

Por Mauricio Assumpção

Entre cegos e pessoas com baixa visão, o Brasil tem mais de 7 milhões de deficientes visuais. Transmitir a realidade vivida por essas pessoas é a proposta do grupo Noz Cego, que apresenta, em Paris, a experiência Cidade Cega, com encenação de Carlos Alberto Ferreira.

Criada em 2015 em Salvador, Bahia, Cidade Cega permite ao público entrar no cotidiano de um deficiente visual. Com os olhos vendados, a plateia é guiada por quatro atores, sendo três cegos, através de ruas impregnadas de barreiras, como postes, jardins e calçadas desniveladas. Porém, segundo o encenador Carlos Alberto Ferreira, a proposta vai além.

“A encenação tem o caráter de envolver os demais sentidos. Não se trata somente de se abordar a questão da acessibilidade. A meu ver, a acessibilidade já deveria fazer parte intrínseca do trabalho dos políticos, arquitetos e engenheiros. (...) Nós queremos incitar o público a interagir com o outro. É uma questão de alteridade. Como podemos ser altruístas no mundo de hoje, quando não queremos mais ver os problemas? A cegueira atual parece ter se instalado de tal maneira que nós não queremos ver o problema dos imigrantes, da pobreza, e os problemas que a própria urbe cria na questão da acessibilidade. Enfim, é uma forma de tirar as vendas. Nós vendamos os olhos do público para que, no final da encenação, ele possa tirar as vendas e se dar conta da relação dele com a cidade. Porque nós também somos cidade”, explica Ferreira.

A reação do público

Em Paris pela primeira vez, o Noz Cego vai se apresentar duas vezes na Cidade Universitária e outras duas no largo em frente ao Centro Cultural Georges Pompidou. Pela experiência da trupe, a primeira reação do público será o medo.

“Eles têm medo de participar de uma experiência como essa porque, sem ter lido nada de antemão, eles ficam surpresos ao se deparar com atores cegos! Depois, quando a venda é aceita e eles começam a participar da experiência, o corpo trava. Eles têm medo de andar (às cegas) pela rua. Têm medo dos carros, têm medo de rato, barata. Têm medo de se machucar. No final, quando as vendas são retiradas, ele querem conhecer a pessoa que os guiou. Porque eles criam uma relação de confiança com o guia. E, nesse caso, não há melhor guia que um cego, que “enxerga” o mundo de uma outra maneira”, conclui Ferreira.

Resta saber como os franceses verão a experiência de não poder ver.

Clique no quadro abaixo para assistir à entrevista completa de Carlos Alberto Ferreira.

“Toda tradução é uma traição”, diz tradutora dos clássicos de Perrault

Conheça Matthieu Doat, o “francês do samba”, que lança em Paris novo projeto musical entre França e Brasil

“O melhor urbanismo incentiva as relações sociais, criando uma vida de bairro”, diz Elizabeth de Portzamparc

Karim Aïnouz conta na Berlinale a vida de refugiados em aeroporto alemão

Aplicativo brasileiro de reciclagem que conecta catadores e população é premiado em Paris

“A emoção do rádio é impagável”, diz o narrador esportivo José Silvério

Carnaval revela essência da sociedade brasileira, diz antropólogo Roberto DaMatta

Internet ajudou a criar manifestações de revolta sem líderes, diz psicanalista Ana Costa

“Paul Bocuse adorava o Brasil,” diz chef de cozinha Laurent Suaudeau

“Quem precisa ser pacificada no Rio é a própria polícia”, afirma especialista em favelas

Opinião: Analistas e imprensa europeia têm visão “deformada” do “mito Lula”

“Brasil atual lembra momentos sombrios da história do país”, diz escritor Godofredo de Oliveira Neto

“Incompetência intercultural dificulta relações franco-brasileiras”, alerta linguista francês

Paulo Sérgio Pinheiro critica desprezo de diversos países da ONU com a população síria