rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Brasil-Mundo
rss itunes

Novo cinema brasileiro conquista espaço nas telas espanholas

Por RFI

O Novocine, festival de filmes nacionais, chega à 11ª edição em Madri e já exibiu dezenas de longas brasileiros. Mostra é gratuita e vai até quarta-feira (29).

Luisa Belchior Moskovics, correspondente da RFI em Madri

As salas de cinema espanholas estão ganhando cada vez mais sotaque brasileiro. Tudo por causa de um festival de cinema que, a cada mês de novembro, exibe os filmes mais premiados do Brasil. É o Novocine, nome da mostra que completa 11 anos neste mês e quem vem educando o espectador espanhol com a nova linguagem cinematográfica nacional.

O festival, em cartaz até o dia 29 de novembro na capital espanhola, já exibiu mais de cem títulos brasileiros, todos eles premiados em festivais da América Latina ou da Europa.

O filme mais badalado deste ano chegou à Espanha com muitos prêmios e voltará com mais um. Trata-se de “Elis”, de Hugo Prata. O longa, uma biografia da cantora Elis Regina, venceu nesta semana o Festival de cinema íbero-americano de Huelva, no sul da da Espanha, nas categorias Melhor Direção e Melhor Contribuição Técnico-artística.

Trata-se de uma grande conquista em um país pouco acostumado a ver filmes legendados como é a Espanha, na avaliação do diretor da Fundação Cultural Hispano-Brasileira, Francisco Gallo.

“Antes, a cultura do Brasil passava 'por cima' dos Pirineus (a cadeia de montanhas que separa a Espanha da França), ou seja, ia direto ao países do centro e do norte da Europa. Agora isso está mudando”, disse Gallo.

Grandes salas recebem cada vez mais títulos brasileiros

A Embaixada afirma observar um aumento da exibição de títulos brasileiros nas grandes salas da Espanha. Desde 2017, por exemplo, dez filmes originais do Brasil estiveram em circuito no país, como “Aquarius”, de Kleber Mendonça Filho. O mercado espanhol também absorveu filmes exibidos no Novocine, como “Casa Grande”, de Felipe Barbosa, e “Cinema Novo”, de Eryk Rocha. Uma demanda comercial que a cada ano é mais buscada no Novocine, segundo afirma Lorena Álvarez, da Embaixada do Brasil em Madri.

“O Brasil tem dimensões continentais e o espanhol ainda não sabe muito o que é o Brasil. Há uma diversidade cultural gigante. Mas vejo que estamos aprendendo a conhecer para além do samba e do futebol”.

Além de “Elis”, o Novocine exibe este ano, “O Outro Lado do Paraíso”, de André Ristum, “Pequeno Segredo”, de David Schurmann, “O Filho Eterno”, Paulo Machline, “Sob Pressão”, de Andrucha Waddington, “O Silêncio do Céu”, de Marco Dutra, e “La Vingança”, de Fernando Fraiha.

O Novocine fica em cartaz até dia 29 de novembro nas salas da Associação de Prensa de Madri, no movimentada praça de Callao, no centro da cidade. As entradas são gratuitas e os organizadores recomendam chegar uma hora antes para garantir lugar.

Brasileiros que querem se mudar para Israel esperam resultado das eleições para tomar a decisão

Jovem cientista brasileira ajuda a criar plataforma mundial sobre alimentação

Tereza Ventura mudou-se há um ano para a Alemanha para investigar o ativismo pós-colonial

Turismo religioso leva brasileiros à Jordânia, conta a agente de turismo paranaense

Compositor brasileiro transforma "O Sétimo Selo", de Ingmar Bergman, em ópera na Suécia

Bernardo Lobo diz que seu processo de criação artística mudou para melhor em Lisboa

Nostalgia soviética é objeto de estudo de historiador brasileiro em Moscou

Na Itália, jovens de Ribeirão Preto usam a hipnose como arte e experimento social

“É melhor ser negro na Rússia do que no Brasil”, diz músico que trocou São Paulo por Kazan

Cultura brasileira é mais valorizada na Europa do que no Brasil, diz fotógrafa italiana que viveu dez anos ao lado de mãe de santo