rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

"Podemos nos afogar nas paisagens brasileiras", diz pintora francesa Guillaine Querrien

Por Márcia Bechara

Há 30 anos ela se divide entre duas cidades maravilhosas: Paris e Rio de Janeiro. E ela não só se divide entre duas capitais cheias de brilho próprio, como também retrata o que vê em telas e cores. A exemplo de outros artistas brasilianistas, ela se apaixonou pela exuberância e pela diversidade tropical das paisagens brasileiras, que retrata através de técnicas diferentes. O RFI Convida a pintora francesa Guillaine Querrien, em cartaz com a exposição O Sopro da Natureza na galeria Sagot – Le Garrec, em Paris.

(Para ouvir a entrevista na íntegra, clique na foto acima)

"Antes de chegar ao Rio de Janeiro, é verdade que eu não trabalhava muito com o tema da natureza. Mas vivendo no Jardim Botânico, onde a natureza é tão presente, comecei a desenhar muito por lá, formas que chegaram a ficar abstratas porque têm muita energia. Comecei a desenhar e esses desenhos foram para dentro das minhas gravuras e das minhas pinturas", conta a artista plástica Guillaine Querrien. 

maré baixa, óleo sobre tela, 114X146cm 2016 @guillaine querrien

"Faz anos agora que trabalho sobre temas marítimos, gosto muito de trabalhar sobre o mesmo assunto, até desenvolver uma linguagem própria que vem sem que eu tenha que pensar tanto. Vira elementos que passam de um desenho para outro. Costumo fazer a mesma paisagem 20 vezes", detalha Querrien.

Predileção pelas paisagens

"A paisagem é uma situação onde você pode se afogar completamente, você fica numa situação de percepção pura. Talvez eu conseguisse fazer isso com modelos. Mas eu gosto muito de natureza, desde sempre foi uma emoção muito forte ficar perto", afirma a artista.

"Tenho todo um processo que começa no local onde desenho, até digerir os dados para chegar no trabalho de pintura", diz Querrien, que completa: "certamente, nós, franceses, temos uma distância em relação à paisagem brasileira. No começo estava totalmente maravilhada porque a natureza no Brasil tem uma força muito maior. A sensação no Rio e que você tem que lutar para que a natureza não ocupe tudo. Na França é o contrário".

Para conhecer o trabalho da artista Guillaine Querrien sobre paisagens brasileiras, clique aqui.

“Diálogo com a criança é extremamente importante”, diz autora de livro infantil sobre câncer de mama

"Crianças francesas vão adorar ver Neymar numa situação tão humana e próxima deles", diz tradutora dos quadrinhos 'As aventuras de Neymar Jr'

Romain Vicari, artista plástico franco-brasileiro, expõe "bumerangue cultural" em Paris

“Aquecimento global é desafio do presente e do futuro para a produção de vinho”, diz enóloga brasileira à frente da OIV

“A ditadura não resiste à música”, afirma compositor multi-instrumentista Hermeto Pascoal

Avignon: “As crianças entendem tudo”, diz Miguel Fragata, diretor de peça infantil sobre refugiados

Decisão de Favreto sobre libertação de Lula deveria ter sido cumprida, dizem juristas ouvidos pela RFI

Sonho, rito e alteridade: ritual xavante inspira solo de brasileira em Montpellier Danse

Teatro do Oprimido de Paris remonta peça de Boal e questiona Brasil atual

"A seleção da França é quase toda afro-francesa", diz Gilberto Gil em Paris

Eleição presidencial no México tem semelhanças com Brasil, diz embaixador Rubens Barbosa

Vencedor do Prêmio Icatu, maestro brasileiro estreia em Paris novo sistema musical que homenageia Bach

“A música brasileira é muito maior do que as confusões políticas do país”, diz Kiko Loureiro, guitarrista do Megadeth

Artista plástica brasileira exibe em Paris obras inspiradas em arquitetos modernistas