rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

"Trabalhar com cultura piorou muito desde o golpe", diz a coreógrafa Lia Rodrigues

Por Patricia Moribe

A coreógrafa Lia Rodrigues traz de volta à França o espetáculo "Pindorama", que estreou em Paris em 2013. Em entrevista exclusiva à RFI Brasil, ela fala sobre as dificuldades de se trabalhar com cultura em um estado falido como o Rio de Janeiro e em um país pós-golpe.

A França faz parte da história de Lia. A língua veio através de anos de cursos na Aliança Francesa. A dança veio pela companhia da francesa Maguy Marin, para a qual a brasileira trabalhou nos anos 1980. Essa familiaridade ajudou Lia a forjar parcerias privilegiadas com instituições francesas de prestígio, como o Teatro Nacional de Chaillot, um verdadeiro templo da dança contemporânea, e o inovador Centro 104.

“Essa relação com a França e outros países da Europa tem sido essencial para a sobrevivência não só do meu trabalho como artista, mas de todos os projetos que eu desenvolvo na favela da Maré, junto com a ONG Redes da Maré”, explica a coreógrafa.

Golpe e presidente deplorável

“Infelizmente nunca deixou de ser complicado trabalhar com arte e educação no Brasil”, lamenta Lia. “A situação melhorou bastante no início do governo Lula, mas ficou muito difícil no último ano, desde o golpe que colocou no poder um presidente deplorável, o Temer”.

Ela cita ainda, entre os entraves, o não cumprimento de compromissos assumidos pela prefeitura carioca com a classe artística e o governo falido do estado do Rio de Janeiro. “Temos um ex-prefeito e um ex-governador na cadeia, para você ter ideia do desastre econômico e social que estamos vivendo”, acrescenta.

Sobre a onda moralizadora recente no país, que levou à anulação da exposição Queermuseum, em Porto Alegre, ela estima que o movimento é global. Lia cita o exemplo de Israel, onde apresentou recentemente Pindorama. “A ministra da Cultura disse que não vai mais dar dinheiro para festivais que mostram o nu”.

“No Brasil, essa onda da direita é terrível, atinge todas as áreas, é uma situação seríssima, mas tem muita gente se mobilizando contra isso, o que é muito importante – é preciso estar muito atento e vigilante o tempo inteiro. É um boato que segue, que coloca artistas e pessoas que estão trabalhando há tantos anos em posições muito frágeis, muito difíceis”, diz Lia.

Lia Rodrigues e sua companhia de dança estão na Europa apresentando “Para que o céu não caia” e “Pindorama”.

“Apenas distanciamento histórico vai explicar o que deu errado no Brasil”, diz cineasta Filipe Galvón

"Brasileiros querem coisas novas, mesmo que elas piorem para depois melhorar", diz Luiz Olavo Baptista

Jussara Korngold: "Brasileiros contribuiram para entrada do espiritismo nos EUA"

Documentário sobre ocupação do prédio do IBGE durante Rio 2016 é lançado na França

“Brasil virou um território da burrice”, diz escritor Bernardo Carvalho

“Há uma crença de que um regime mais militarizado colocaria ordem no Brasil”, diz historiadora da USP

Campanha da extrema direita mergulha Brasil em momento regressivo, diz especialista em segurança

"Faremos políticas públicas de alto impacto e baixo custo", diz cocandidata da Bancada Ativista de SP

Bolsonaro é produto de "avacalhação" da democracia brasileira, diz analista

Tudo o que você precisa saber para votar nas eleições brasileiras de 2018 em Paris

“Eu quis mostrar o ciclo criminoso que persiste no sertão brasileiro”, diz cineasta Eduardo Morotó em Biarritz

“Era inimaginável ver alguém defendendo a volta da ditadura, como hoje no Brasil”, diz a cineasta Flávia Castro

“Bolsonaro representa a banda podre do Brasil”, diz cartunista Adão Iturrusgarai

Bela Gil em festival Slow Food na Itália: “É importante conhecer quem produz o alimento”

Sabores do Brasil recebe “30% de brasileiros saudosos e 70% de franceses curiosos” em Paris

Inimigo no fascismo brasileiro é o pobre, diz pesquisadora do voto em Bolsonaro

Cantor Renato Fagundes traz a Paris tradição e modernidade da cultura gaúcha

Da extrema-direita à esquerda: populismo tem faces distintas na Europa e na América Latina, diz especialista