rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

“Incompetência intercultural dificulta relações franco-brasileiras”, alerta linguista francês

Por Mauricio Assumpção

Depois de passar oito meses em Belo Horizonte, fazendo um estágio na Assessoria de Relações Internacionais do governo do Estado de Minas Gerais, o linguista francês Étienne Clément chegou a uma surpreendente conclusão: quase ninguém que trabalhava no acordo de cooperação bilateral entre Minas Gerais e a região de Haut-de-France, no norte da França, falava francês. Mais tarde, de volta à França, o então doutorando percebeu que a recíproca era verdadeira: ninguém na região de Haut-de-France, encarregado do acordo de cooperação, falava o português do Brasil.

A esse fenômeno, o pesquisador deu o nome de “incompetência intercultural”, um conceito que serve de linha mestra na sua tese de doutorado pela Universidade Franche-Comté, em Besançon.

“Eu fiquei surpreso com os choques e as dificuldades de compreensão, tanto linguísticas como culturais, entre os protagonistas franceses e brasileiros do acordo. Poucos dos brasileiros falavam francês e poucos franceses falavam o português do Brasil”, explica Étienne. “Minha tese de doutorado foi sobre a política do ensino de línguas. Como língua estrangeira, os franceses preferem o espanhol. E os brasileiros, o inglês. Então, os protagonistas desse acordo lançavam mão do inglês ou espanhol ao invés de tentar fazer um esforço para se entenderem em português ou francês. O que é uma pena, porque, na minha opinião, língua e cultura fazem parte do mesmo conjunto. Logo, para entender a cultura você precisa entender a língua”.

Problema maior na França

“Trata-se de um problema de formação”, avalia Étienne. “No Brasil, pelo menos, você tem o Instituto Rio Branco que forma diplomatas de alto nível. Já os adidos culturais franceses baseados no Brasil não têm, necessariamente, uma formação cultural, linguística e intercultural. A maioria deles estudou Ciências Políticas ou estudou na Escola Nacional de Administração, mas não fez um curso exclusivo na área de diplomacia”.

Consequências e soluções

“A dificuldade de compreensão entre as partes faz com que os projetos bilaterais avancem de uma maneira mais lenta. Pior, a falta de compreensão da língua não permite que um conheça a cultura do outro. Eu proponho soluções educacionais que poderiam ser tomadas, em nível político, pelo ministério da Educação da França sobre o ensino do português aqui, e sobre o ensino do francês no Brasil através da Aliança Francesa”, conclui Étienne.

Caindo no Choro

Além de pesquisar os problemas linguísticos nas relações diplomáticas entre a França e o Brasil, Étienne Clément, que fala português muito bem, está se tornando um dos maiores divulgadores da música brasileira, principalmente o chorinho, entre os franceses.

Em março, a Associação Açaí, presidida por ele, organizará o primeiro Lille Choro Festival, com a presença de grandes nomes da música, como o trombonista Raul de Souza.

O festival, com apoio da embaixada brasileira, servirá para celebrar o centenário de Jacob do Bandolim e lançar o primeiro disco produzido por Étienne, Sentindo Bem do Trio Caldo de Cana, que reúne três músicos brasileiros que vivem entre a França e a Bélgica: Roberto de Oliveira, Osman Martins e Rosivaldo Cordeiro.

Dependência brasileira ao minério de ferro é um dos disfuncionamentos que explicam catástrofe ambiental, diz especialista

Após sucesso na estreia, Grupo Sociedade Recreativa lança segundo álbum na França

“Lagerfeld era o camaleão da moda”, lembra estilista brasileiro Gustavo Lins

Fome Zero seguirá como meta da ONU para erradicar fome no mundo, afirma José Graziano

Brasileira apresenta na Berlinale documentário sobre ocupação dos Sem Terra em Goiás

“Direito à comunicação no Brasil ainda é muito atrasado”, diz fundador de web rádio indígena

"Alastrar competitividade para toda a economia brasileira está no radar do governo", diz diretor-geral da OMC

Fotógrafo curitibano expõe em Paris obras inspiradas na espiritualidade

Orçamento participativo e Bolsa Família são as principais políticas públicas “exportadas” pelo Brasil

“Brasil tem volta da oligarquia com uma política de extrema direita”, diz sociólogo da UFRJ

Compositor francês Debussy influenciou até Bossa Nova, lembra maestro Isaac Chueke

“Brasil e França trabalharam pelo silenciamento da memória escravista”, diz historiadora

Escritora Telma Brites Alves lança em Paris seu livro "Gaia: A Roda da Vida"

Cantora brasileira mistura música árabe e nordestina em álbum “Brisa Mourisca”

Movimento dos Atingidos por Barragens quer garantias de reparação total de danos às vítimas de Brumadinho

"Precariedade das favelas é estimulada pelo próprio Estado", diz historiador

Human Rights Watch: partida de Jean Wyllys é “triste para a esquerda e a direita”

“Falta educação no projeto de governo Bolsonaro”, diz Renato Janine Ribeiro