rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

“Incompetência intercultural dificulta relações franco-brasileiras”, alerta linguista francês

Por Mauricio Assumpção

Depois de passar oito meses em Belo Horizonte, fazendo um estágio na Assessoria de Relações Internacionais do governo do Estado de Minas Gerais, o linguista francês Étienne Clément chegou a uma surpreendente conclusão: quase ninguém que trabalhava no acordo de cooperação bilateral entre Minas Gerais e a região de Haut-de-France, no norte da França, falava francês. Mais tarde, de volta à França, o então doutorando percebeu que a recíproca era verdadeira: ninguém na região de Haut-de-France, encarregado do acordo de cooperação, falava o português do Brasil.

A esse fenômeno, o pesquisador deu o nome de “incompetência intercultural”, um conceito que serve de linha mestra na sua tese de doutorado pela Universidade Franche-Comté, em Besançon.

“Eu fiquei surpreso com os choques e as dificuldades de compreensão, tanto linguísticas como culturais, entre os protagonistas franceses e brasileiros do acordo. Poucos dos brasileiros falavam francês e poucos franceses falavam o português do Brasil”, explica Étienne. “Minha tese de doutorado foi sobre a política do ensino de línguas. Como língua estrangeira, os franceses preferem o espanhol. E os brasileiros, o inglês. Então, os protagonistas desse acordo lançavam mão do inglês ou espanhol ao invés de tentar fazer um esforço para se entenderem em português ou francês. O que é uma pena, porque, na minha opinião, língua e cultura fazem parte do mesmo conjunto. Logo, para entender a cultura você precisa entender a língua”.

Problema maior na França

“Trata-se de um problema de formação”, avalia Étienne. “No Brasil, pelo menos, você tem o Instituto Rio Branco que forma diplomatas de alto nível. Já os adidos culturais franceses baseados no Brasil não têm, necessariamente, uma formação cultural, linguística e intercultural. A maioria deles estudou Ciências Políticas ou estudou na Escola Nacional de Administração, mas não fez um curso exclusivo na área de diplomacia”.

Consequências e soluções

“A dificuldade de compreensão entre as partes faz com que os projetos bilaterais avancem de uma maneira mais lenta. Pior, a falta de compreensão da língua não permite que um conheça a cultura do outro. Eu proponho soluções educacionais que poderiam ser tomadas, em nível político, pelo ministério da Educação da França sobre o ensino do português aqui, e sobre o ensino do francês no Brasil através da Aliança Francesa”, conclui Étienne.

Caindo no Choro

Além de pesquisar os problemas linguísticos nas relações diplomáticas entre a França e o Brasil, Étienne Clément, que fala português muito bem, está se tornando um dos maiores divulgadores da música brasileira, principalmente o chorinho, entre os franceses.

Em março, a Associação Açaí, presidida por ele, organizará o primeiro Lille Choro Festival, com a presença de grandes nomes da música, como o trombonista Raul de Souza.

O festival, com apoio da embaixada brasileira, servirá para celebrar o centenário de Jacob do Bandolim e lançar o primeiro disco produzido por Étienne, Sentindo Bem do Trio Caldo de Cana, que reúne três músicos brasileiros que vivem entre a França e a Bélgica: Roberto de Oliveira, Osman Martins e Rosivaldo Cordeiro.

“Maio de 68 foi uma explosão de criatividade, às vezes caótica”, diz Frédéric Pagès

“É um momento de celebração de mulheres em Cannes”, diz a atriz Mariana Ximenes

"Compromisso de ONG Líderes para a Paz é promover soluções pacíficas para conflitos", diz Antonio Patriota

“O Cinema Novo praticamente nasceu em Cannes, em 1964”, conta Cacá Diegues

Psicóloga lança em Paris livro sobre práticas medicinais e cultura de etnia da Amazônia

Regulamentação europeia para proteção de dados pessoais pode ter impacto no Brasil

“De 8.500 brasileiros adotados por franceses, metade pode ter sido de maneira ilegal”, estima especialista

Oxfam: aumento da desigualdade leva à instabilidade política e econômica no Brasil

Em turnê europeia, São Paulo Cia de Dança traz leitura do mundo em seus passos

Brasileira conta invasões à Sorbonne e à Casa do Brasil em Maio de 68

Voos diretos da Air France/KLM vão transformar Fortaleza em hub de conexões, diz governador

Federação sindical mundial lança site para valorizar trabalhadores dos serviços públicos

“Sistemas político e econômico do Brasil não se modernizaram como o judiciário”, diz economista francês

Todo mundo, inclusive o Brasil, está buscando "um Macron para chamar de seu"

"Precisamos saber de onde vêm nossas roupas", diz designer Isabelle Mesquita

MenEngage: “É impossível discutir emancipação da mulher na África sem falar da poligamia masculina”

Embaixada do Brasil em Paris promove encontro de professores de português na França