rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Berlinale 2018 Cinema Cultura

Publicado em • Modificado em

Berlinale: Willem Dafoe é homenageado com Urso de Ouro por sua carreira

media
O ator Willem Dafoe acumulou mais de 100 filmes em sua carreira. REUTERS/Mario Anzuoni

O Festival Internacional de Cinema de Berlim homenageia este ano o ator Willem Dafoe. Estrela de produções hollywoodianas ao mesmo tempo em que é adorado pelo cinema mais autoral, o norte-americano receberá um Urso de Ouro por sua carreira de mais de 100 filmes.


Enviado especial a Berlim

O ano de 2018 é especial para Willem Dafoe. Além de ser nomeado ao Oscar de melhor ator coadjuvante e para o britânico BAFTA por sua interpretação em Projeto Flórida, depois de ter rodado seis filmes apenas no ano passado, ele é o grande homenageado da 68ª Berlinale, que vai até 25 de fevereiro.

Conhecido por sua diversidade, o ator de 62 anos já trabalhou com os principais diretores da 7ª arte, de Kathryn Bigelow a Oliver Stone, passando por Martin Scorsese e Wim Wenders. O norte-americano também atuou no Brasil, quando protagonizou Meu amigo hindu, o último filme de Héctor Babenco, que estreou nos cinemas em 2016.

“Willem é um ator absolutamente inspirador”, comenta Maria Fernanda Cândido, que contracenou com Dafoe na produção brasileira. A atriz se recorda até hoje do profissionalismo do ator. “Sua maneira de criar as personagens, de estar no set de filmagem e sua relação com a equipe me fizeram relembrar o porquê um dia escolhi este ofício para minha vida”, diz Maria Fernanda.

Essa não é a primeira vez que Dafoe tem seu trabalho celebrado por seus pares. Durante a longa carreira, ele já recebeu dois Oscars, por sua participação em Platoon e A Sombra do Vampiro. Além disso, o ator construiu um nome respeitado no teatro, como bem lembrou o diretor da Berlinale, Dieter Kosslick, ao anunciar quem levaria o Urso de Ouro especial este ano. Sua atuação em The Old Woman, sob a direção de Robert Wilson e contracenando com Mikhail Baryshnikov, deu a volta ao mundo, passando inclusive pelo Brasil, em 2014.

Ele consegue personificar o mal como poucos

"O seu enorme alcance técnico como ator se prolonga desde a personificação do mal até o retrato de Jesus de Nazaré”, apontou Kosslick, fazendo alusão aos papéis de vilão que marcaram sua trajetória e à interpretação de Jesus em A Última Tentação de Cristo (1988). Além disso, o diretor da Berlinale lembrou que o ator é um “amigo” do festival, já que fez parte do júri principal do evento em 2007.

Durante a Berlinale, 10 filmes de Dafoe estão sendo projetados. O público vai poder rever o ator na pele de Pasolini (2014), no clássico Mississipi em Chamas (1988), no oscarizado Platoon (1986) ou ainda no polêmico Anticristo (2009), entre outros. Uma entrevista pública, conduzida pelo historiador do cinema Peter Cowie, também será organizada nesta quarta-feira (21)

Mas antes disso, o ator vai receber, na terça-feira (20) o troféu Urso de Ouro por sua carreira durante uma cerimônia no Berlinale Palast, o palácio onde são exibidos os principais filmes da competição oficial do festival alemão.