rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

“Nenhuma tradução é fidedigna”, diz tradutora dos clássicos de Perrault

Por Silvano Mendes

Clássicos como Chapeuzinho Vermelho, Bela Adormecida, Cinderela ou o Gato de Botas são alguns dos contos de fadas de Charles Perrault que embalam as infâncias há séculos. Mas se as obras do francês são conhecidas no mundo todo, isso se deve ao trabalho dos tradutores, como o da brasileira Eliana Bueno Ribeiro, responsável por uma das traduções mais completas dos principais textos do autor.

Nascido no século 17, Charles Perrault é, ao lado dos irmãos Grimm e de Hans Christian Andersen, una dos principais autores de contos. Seus textos continuam nas prateleiras dos quartos de crianças pelo mundo até hoje. De uma maneira geral, o que fascina nos contos de fadas é a possibilidade da mágica. Mas os contos de Perrault fascinam também pela escrita. É uma escrita que põe a mágica de uma maneira sóbria e irônica. É a mágica que duvida dela mesma”, explica Eliana Bueno Ribeiro, autora de uma tradução comentada dos principais textos do francês.  

Os textos do francês são traduzidos para o leitor brasileiro desde o final do século 19. Porém, no livro Contos de Perrault, publicado pela editora Paulinas, Eliana se baseia nos textos originais.

Questionada sobre a dificuldade de se manter fiel aos contos do francês, ela diz que isso é praticamente impossível. “Escrever é traduzir e traduzir é escrever. Quando você traduz, você inventa. Toda tradução é uma traição. Nem a tradução automática é fidedigna. Você só compreende o texto realmente na língua original”.

A tradutora, que também foi professora de literatura comparada na Universidade Federal do Rio de Janeiro e lecionou em várias universidades europeias, participa esta semana em Paris de um encontro literário organizado pelo Instituto cultural franco-brasileiro Alter Brasilis sobre o tema “Entre fadas e santos”. Durante o debate ela também vai falar de seu livro sobre Santo Antônio, visto principalmente pelo prisma histórico. “Eu compreendi que é possível dar uma ênfase nos aspectos culturais. Tirar Santo Antônio dos oratórios e colocá-lo no seio de uma história europeia. Ele é um santo português que atravessa a Europa e se coloca como figura de proa do franciscanismo”, comenta a autora.

Ouça a entrevista completa clicando na foto abaixo.

Artista plástica brasileira exibe em Paris obras inspiradas em arquitetos modernistas

Marcela Levi e Lucía Russo: Crise no Brasil está esgotando a criação na dança

Pesquisador brasileiro comemora consolidação do futebol em meio acadêmico

Tatiana Leskova, testemunha viva da história do balé, é homenageada em Paris

Em Annecy, diretor de 'A Era do Gelo' revela desejo de criar séries de animação com parceiros no Brasil

“Temos que lutar para que não haja adiamento das eleições no Brasil”, diz Celso Amorim

Ministro da Cultura Sérgio Sá Leitão destaca "crescimento chinês” do audiovisual brasileiro

“Nossa música não está mais conectada com o povo”, diz compositor André Mehmari

Jornalista lança livro em Paris sobre José Ibrahim, um dos maiores nomes do sindicalismo brasileiro

“Roland Garros é a alma do tênis brasileiro atualmente”, diz Guga ao ser nomeado embaixador do torneio

Modelo de integração é de "indiferença às diferenças": romance de escritora franco-brasileira discute lugar da mulher mestiça entre Brasil e França

Mestre Reginaldo Maia resgata valores ancestrais da capoeira de Angola em Paris

“As eleições no Brasil já estão comprometidas”, diz presidente do PCO

"Moradia para todos é uma guerra política", diz urbanista João Whitaker em Paris

"Em tempos de email, só as cartas conseguem produzir uma eternidade nas pessoas", diz escritor Rodrigo Dias

Dupla Dinho Nogueira e Zé Barbeiro traz shows e cursos de choro para Europa