rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

“Nenhuma tradução é fidedigna”, diz tradutora dos clássicos de Perrault

Por Silvano Mendes

Clássicos como Chapeuzinho Vermelho, Bela Adormecida, Cinderela ou o Gato de Botas são alguns dos contos de fadas de Charles Perrault que embalam as infâncias há séculos. Mas se as obras do francês são conhecidas no mundo todo, isso se deve ao trabalho dos tradutores, como o da brasileira Eliana Bueno Ribeiro, responsável por uma das traduções mais completas dos principais textos do autor.

Nascido no século 17, Charles Perrault é, ao lado dos irmãos Grimm e de Hans Christian Andersen, una dos principais autores de contos. Seus textos continuam nas prateleiras dos quartos de crianças pelo mundo até hoje. De uma maneira geral, o que fascina nos contos de fadas é a possibilidade da mágica. Mas os contos de Perrault fascinam também pela escrita. É uma escrita que põe a mágica de uma maneira sóbria e irônica. É a mágica que duvida dela mesma”, explica Eliana Bueno Ribeiro, autora de uma tradução comentada dos principais textos do francês.  

Os textos do francês são traduzidos para o leitor brasileiro desde o final do século 19. Porém, no livro Contos de Perrault, publicado pela editora Paulinas, Eliana se baseia nos textos originais.

Questionada sobre a dificuldade de se manter fiel aos contos do francês, ela diz que isso é praticamente impossível. “Escrever é traduzir e traduzir é escrever. Quando você traduz, você inventa. Toda tradução é uma traição. Nem a tradução automática é fidedigna. Você só compreende o texto realmente na língua original”.

A tradutora, que também foi professora de literatura comparada na Universidade Federal do Rio de Janeiro e lecionou em várias universidades europeias, participa esta semana em Paris de um encontro literário organizado pelo Instituto cultural franco-brasileiro Alter Brasilis sobre o tema “Entre fadas e santos”. Durante o debate ela também vai falar de seu livro sobre Santo Antônio, visto principalmente pelo prisma histórico. “Eu compreendi que é possível dar uma ênfase nos aspectos culturais. Tirar Santo Antônio dos oratórios e colocá-lo no seio de uma história europeia. Ele é um santo português que atravessa a Europa e se coloca como figura de proa do franciscanismo”, comenta a autora.

Ouça a entrevista completa clicando na foto abaixo.

“Discurso de ódio de Bolsonaro favorece ataques contra imprensa”, diz representante da RSF no Brasil

“Torre das Donzelas é um convite à resistência”, diz cineasta que reviveu presídio feminino durante a ditadura

“Acredito na resiliência do setor cultural”, diz assessor da Ancine sobre riscos para fomento

“Não queremos reviver luta armada”, diz diretora de documentário sobre ex-guerrilheiro

“Somos massacrados pela música comercial da pior qualidade”, diz trombonista Raul de Souza

Brasil rejeita presença africana desde século 19, diz Beatriz Mamigonian, especialista em escravidão moderna

“Bolsonaro é uma ameaça aos indígenas do Brasil”, diz cacique Tanoné em visita à França

Professor da Unicamp apresenta em Paris dispositivo alternativo para imersão sonora

Atualidade política inspira 21ª edição do Festival de Cinema Brasileiro de Paris

“Eu nunca me aquietei artisticamente”, diz cantora Flávia Bittencourt em turnê pela Europa

Escritora italiana Lisa Ginzburg lança livro de amor e tragédia no Brasil dos orixás

Filme sobre destruição de marco zero do Rio traz triste paralelo com atualidade

DJ Marcelinho da Lua lança álbum “Insolente” e diz: “Mundo atual está precisando de provocação”

Arte “ecológica” de Manfredo de Souzanetto volta a ser exposta na Europa

Apesar dos retrocessos no país, literatura brasileira vive um bom momento, avalia Henrique Rodrigues

“Literatura LGBT não deve virar rótulo”, diz escritora Cristina Judar em Paris

“Cada vez mais o racismo brasileiro sai do armário”, diz Conceição Evaristo em Paris

Beatriz Seigner: Lula e Dilma ajudaram a mostrar outros sotaques do cinema no Brasil