rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

“Nenhuma tradução é fidedigna”, diz tradutora dos clássicos de Perrault

Por Silvano Mendes

Clássicos como Chapeuzinho Vermelho, Bela Adormecida, Cinderela ou o Gato de Botas são alguns dos contos de fadas de Charles Perrault que embalam as infâncias há séculos. Mas se as obras do francês são conhecidas no mundo todo, isso se deve ao trabalho dos tradutores, como o da brasileira Eliana Bueno Ribeiro, responsável por uma das traduções mais completas dos principais textos do autor.

Nascido no século 17, Charles Perrault é, ao lado dos irmãos Grimm e de Hans Christian Andersen, una dos principais autores de contos. Seus textos continuam nas prateleiras dos quartos de crianças pelo mundo até hoje. De uma maneira geral, o que fascina nos contos de fadas é a possibilidade da mágica. Mas os contos de Perrault fascinam também pela escrita. É uma escrita que põe a mágica de uma maneira sóbria e irônica. É a mágica que duvida dela mesma”, explica Eliana Bueno Ribeiro, autora de uma tradução comentada dos principais textos do francês.  

Os textos do francês são traduzidos para o leitor brasileiro desde o final do século 19. Porém, no livro Contos de Perrault, publicado pela editora Paulinas, Eliana se baseia nos textos originais.

Questionada sobre a dificuldade de se manter fiel aos contos do francês, ela diz que isso é praticamente impossível. “Escrever é traduzir e traduzir é escrever. Quando você traduz, você inventa. Toda tradução é uma traição. Nem a tradução automática é fidedigna. Você só compreende o texto realmente na língua original”.

A tradutora, que também foi professora de literatura comparada na Universidade Federal do Rio de Janeiro e lecionou em várias universidades europeias, participa esta semana em Paris de um encontro literário organizado pelo Instituto cultural franco-brasileiro Alter Brasilis sobre o tema “Entre fadas e santos”. Durante o debate ela também vai falar de seu livro sobre Santo Antônio, visto principalmente pelo prisma histórico. “Eu compreendi que é possível dar uma ênfase nos aspectos culturais. Tirar Santo Antônio dos oratórios e colocá-lo no seio de uma história europeia. Ele é um santo português que atravessa a Europa e se coloca como figura de proa do franciscanismo”, comenta a autora.

Ouça a entrevista completa clicando na foto abaixo.

Brasileira apresenta na Berlinale documentário sobre ocupação dos Sem Terra em Goiás

“Direito à comunicação no Brasil ainda é muito atrasado”, diz fundador de web rádio indígena

"Alastrar competitividade para toda a economia brasileira está no radar do governo", diz diretor-geral da OMC

Fotógrafo curitibano expõe em Paris obras inspiradas na espiritualidade

Orçamento participativo e Bolsa Família são as principais políticas públicas “exportadas” pelo Brasil

“Brasil tem volta da oligarquia com uma política de extrema direita”, diz sociólogo da UFRJ

Compositor francês Debussy influenciou até Bossa Nova, lembra maestro Isaac Chueke

“Brasil e França trabalharam pelo silenciamento da memória escravista”, diz historiadora

Escritora Telma Brites Alves lança em Paris seu livro "Gaia: A Roda da Vida"

Cantora brasileira mistura música árabe e nordestina em álbum “Brisa Mourisca”

Movimento dos Atingidos por Barragens quer garantias de reparação total de danos às vítimas de Brumadinho

"Precariedade das favelas é estimulada pelo próprio Estado", diz historiador

Human Rights Watch: partida de Jean Wyllys é “triste para a esquerda e a direita”

“Falta educação no projeto de governo Bolsonaro”, diz Renato Janine Ribeiro

Apoiar oposição a Maduro é ingênuo e perigoso, diz especialista da Unicamp

"Estrela no Guia Michelin brinda a amizade franco-brasileira”, diz chef Raphaël Rego

Brasil é país que mais cai em relatório sobre competitividade divulgado em Davos

“Europeu gosta de música brasileira com contexto histórico”, diz cantor Mario Bakuna