rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • França: Polícia afirma ter abatido Chérif Chekatt, suspeito do atentado de Estrasburgo
  • França : Governo decide reabrir feira de Natal de Estrasburgo após ataque terrorista
RFI CONVIDA
rss itunes

"Todo dia há comunidades que saem do silêncio", diz tradutor de livro sobre quilombos no Brasil

Por Márcia Bechara

Ele é tradutor para o francês do livro Mocambos e Quilombos, de Flávio dos Santos Gomes, que na França se tornou "Quilombos, communautés d'esclaves insoumis au Brésil", lançado em fevereiro de 2018. O RFI Convida hoje Georges da Costa.

A tradução do livro sobre a história das comunidades quilombolas no Brasil, a partir do século 16, é a primeira grande tradução de Georges da Costa. "Há palavras [entre o português e o francês] que não possuem correspondência. (...) Mas, em relação ao 'marronage' [nome dado em francês à fuga de escravos no período colonial], por exemplo , isso já existia pois a França era e ainda é, segundo algumas pessoas, uma grande potência colonizadora", relata.

"Também houve quilombos nas colônias francesas, e havia escravos fugitivos, chamados de 'marrons'", conta. O livro tem uma linguagem direta e situa historicamente o desenvolvimento dos quilombos no Brasil a partir do século 16, principalmente às margens da cultura de cana de açúcar no Nordeste brasileiro.

"O Brasil passa hoje uma fase complicada. Sou apenas tradutor desse livro, mas acredito que tudo que se passa até hoje na História do Brasil está ligado à escravidão e à construção dessa sociedade brasileira, baseada até hoje em grandes desigualdades", analisa Georges. "Acho que isso tem tudo a ver com a escravidão", completa.

"Os quilombos foram a forma mais importante de resistência à discriminação. É importante rever isso hoje, essas discriminações ainda existem, especialmente contra as pessoas negras ou mestiças", acredita o tradutor.

Recuperação do patrimônio e das terras quilombolas no Brasil

Georges da Costa acredita que o esforço de recuperação da cultura quilombola continua no Brasil. "No livro temos um mapa do país, que mostra, em cada estado, a proporção de comunidades remanescentes de quilombos que foram identificadas como tais", afirma.

"É todo um processo com a participação de movimentos negros. O autor, Flávio Gomes, fala de mais de 5 mil grupos remanescentes, e todos os dias há comunidades que saem do silêncio para reclamar este direito à terra, como descendentes de quilombolas, ou de escravos libertados", conta.

Para ver a entrevista, clique no vídeo abaixo:

“Caso Coaf prova que Bolsonaro nunca foi ‘outsider’”, afirma Manuela D’Ávila em Roma

“PT não promoveu alfabetização política no Brasil”, diz Frei Betto

Cineasta Marcelo Novais lança em Paris um “diário íntimo de uma geração”

Incêndios e barricadas substituíram greves como forma de protesto na França, diz especialista

Representante dos delegados da Polícia Federal diz ser contra banalização das armas no Brasil

Lia Rodrigues volta à Paris com “Fúria”, coreografia com moradores da favela da Maré

Militares nomeados por Bolsonaro são mais moderados do que ministros, diz Leonardo Sakamoto

“Comunidade internacional espera responsabilidade ambiental do Brasil”, diz especialista

“Muita gente procurava uma confeitaria menos doce”, diz chef francês radicado em Brasília

Paris recebe Bazar de Natal com artesanato de mulheres de favelas cariocas

Fotógrafo brasileiro lembra 30 anos da morte de Chico Mendes com exposição em Paris

Músicos Francis e Olivia Hime homenageiam Vinicius de Moraes na França

“Ser estrangeiro me fez escritor”, diz Natan Barreto, que lança livro de poesias em Paris

“Discurso de Bolsonaro legitima ‘direito de matar’”, afirma professora da Universidade de Brasília

Ex-ambulante brasileiro fala para 400 estudantes na Europa: “Seja parte da solução, não do problema”

“Romances em quadrinhos estão em momento especial”, diz ilustradora Luli Penna

“Sociedade civil é quem vai mudar o Brasil”, diz empresária Luiza Trajano em Paris