rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

"Todo dia há comunidades que saem do silêncio", diz tradutor de livro sobre quilombos no Brasil

Por Márcia Bechara

Ele é tradutor para o francês do livro Mocambos e Quilombos, de Flávio dos Santos Gomes, que na França se tornou "Quilombos, communautés d'esclaves insoumis au Brésil", lançado em fevereiro de 2018. O RFI Convida hoje Georges da Costa.

A tradução do livro sobre a história das comunidades quilombolas no Brasil, a partir do século 16, é a primeira grande tradução de Georges da Costa. "Há palavras [entre o português e o francês] que não possuem correspondência. (...) Mas, em relação ao 'marronage' [nome dado em francês à fuga de escravos no período colonial], por exemplo , isso já existia pois a França era e ainda é, segundo algumas pessoas, uma grande potência colonizadora", relata.

"Também houve quilombos nas colônias francesas, e havia escravos fugitivos, chamados de 'marrons'", conta. O livro tem uma linguagem direta e situa historicamente o desenvolvimento dos quilombos no Brasil a partir do século 16, principalmente às margens da cultura de cana de açúcar no Nordeste brasileiro.

"O Brasil passa hoje uma fase complicada. Sou apenas tradutor desse livro, mas acredito que tudo que se passa até hoje na História do Brasil está ligado à escravidão e à construção dessa sociedade brasileira, baseada até hoje em grandes desigualdades", analisa Georges. "Acho que isso tem tudo a ver com a escravidão", completa.

"Os quilombos foram a forma mais importante de resistência à discriminação. É importante rever isso hoje, essas discriminações ainda existem, especialmente contra as pessoas negras ou mestiças", acredita o tradutor.

Recuperação do patrimônio e das terras quilombolas no Brasil

Georges da Costa acredita que o esforço de recuperação da cultura quilombola continua no Brasil. "No livro temos um mapa do país, que mostra, em cada estado, a proporção de comunidades remanescentes de quilombos que foram identificadas como tais", afirma.

"É todo um processo com a participação de movimentos negros. O autor, Flávio Gomes, fala de mais de 5 mil grupos remanescentes, e todos os dias há comunidades que saem do silêncio para reclamar este direito à terra, como descendentes de quilombolas, ou de escravos libertados", conta.

Para ver a entrevista, clique no vídeo abaixo:

Pesquisador brasileiro comemora consolidação do futebol em meio acadêmico

Tatiana Leskova, testemunha viva da história do balé, é homenageada em Paris

Em Annecy, diretor de 'A Era do Gelo' revela desejo de criar séries de animação com parceiros no Brasil

“Temos que lutar para que não haja adiamento das eleições no Brasil”, diz Celso Amorim

Ministro da Cultura Sérgio Sá Leitão destaca "crescimento chinês” do audiovisual brasileiro

“Nossa música não está mais conectada com o povo”, diz compositor André Mehmari

Jornalista lança livro em Paris sobre José Ibrahim, um dos maiores nomes do sindicalismo brasileiro

“Roland Garros é a alma do tênis brasileiro atualmente”, diz Guga ao ser nomeado embaixador do torneio

Modelo de integração é de "indiferença às diferenças": romance de escritora franco-brasileira discute lugar da mulher mestiça entre Brasil e França

Mestre Reginaldo Maia resgata valores ancestrais da capoeira de Angola em Paris

“As eleições no Brasil já estão comprometidas”, diz presidente do PCO

"Moradia para todos é uma guerra política", diz urbanista João Whitaker em Paris

"Em tempos de email, só as cartas conseguem produzir uma eternidade nas pessoas", diz escritor Rodrigo Dias

Dupla Dinho Nogueira e Zé Barbeiro traz shows e cursos de choro para Europa

“Meu Brasil” é tema de mostra fotográfica em Paris criada com método de “mentoria”

Livro conta como Lisboa se tornou o “centro do mundo” na Segunda Guerra

Psicóloga brasileira publica na França livro sobre terapia sistêmica individual