rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Oscar 2018 homenageia feminismo e defende igualdade

Hollywood estava em festa neste domingo (4) com as premiações do Oscar 2018, os 90 anos da premiação da Academia e o tapete vermelho mais badalado do mundo, que homenageou o feminismo. O grande vencedor da noite foi o diretor mexicano Guillermo Del Toro, que levou o prêmio de melhor diretor e melhor filme por “A Forma da Água”.

Cleide Klock, correspondente da RFI em Los Angeles

A cerimônia foi uma grande homenagem à igualdade de gênero, racial e aos imigrantes. Dessa vez, não houve código para os trajes, como aconteceu no Globo de Ouro por exemplo, quando todas as atrizes vestiram preto. O tapete vermelho foi todo colorido, cheio de glamour, mas já na passarela era possível saber qual seria o tom da festa: Ashley Judd e Mira Sorvino, peças-chave nas denúncias de assédio contra Harvey Weinstein entraram juntas no tapete vermelho, dispostas a falar sobre como é importante a verdade vir à tona, antes tarde do que nunca.

No monólogo de abertura Jimmy Kimmel já deu também uma pincelada em tudo que viria pela frente: os movimentos feministas, a condenação às discriminações de qualquer espécie e a importância de promover a igualdade.

Em um dos momentos mais importantes da festa, Ashley Judd, Salma Hayek e Annabella Sciorra subiram juntas ao palco para fazer discursos e apresentar um vídeo no qual vários atores deixam claro que o momento é de romper barreiras e mudar a cultura de Hollywood. Esse foi o tom da noite, com participações das atrizes mais poderosas de Hollywood que subiram ao palco de mãos dadas para fazer as apresentações. Entre elas, Jane Fonda e Helen Mirren, Jennifer e Jodie Foster, Greta Gerwig e Laura Dern.

Primeira atriz transexual no palco do Oscar

Não foi dessa vez que mais uma mulher ganhou como melhor diretora ou melhor fotografia, mas a chilena Daniela Vega fez história duas vezes nessa noite: foi a primeira atriz transexual a apresentar uma categoria do Oscar e o filme que ela estrelou: a produção chilena “Uma Mulher Fantástica” levou a estatueta de melhor filme estrangeiro. Esta foi primeira vez em 9 décadas de Oscar que um filme com uma atriz transgênero ganha um prêmio da Academia. Jordan Peele também se tornou o primeiro negro a receber o Oscar de roteiro original, por Corra, um terror psicológico sobre racismo.

Os prêmios de Melhor Animação e Melhor Música foram para “Viva: A vida é uma festa”. A produção inclusive desbancou “O Touro Ferdinando” do diretor brasileiro Carlos Saldanha, mas entrou bem no tom da festa. Já que a trama é sobre a cultura mexicana, as dedicatórias acabaram sendo para o país vizinho e aos imigrantes.

O filme “Dunkirk” dominou as categorias técnicas e levou três prêmios. Nos prêmios de interpretração, Sam Rokwell venceu como melhor ator coadjuvante pelo filme “Três Anúncios para um Crime”. Gary Oldman levou a estatueta de melhor ator com “O Destino de uma Nação”. Allison Janney levou o Oscar de melhor atriz coadjuvante por “Eu, Tônia”. Frances McDormand venceu o prêmio de Melhor Atriz por “Três Anúncios para um Crime”.

“A Forma da Água”, o grande vencedor da noite

Mas quem fechou a noite foi Guillermo Del Toro, que levou os dois principais prêmios por A Forma da Água: Melhor Diretor e Melhor filme. Em cinco anos essa é a quarta vez que um mexicano leva o prêmio de melhor diretor e foi ele quem fechou a festa com a frase: Eu sou imigrante.

Premiê britânica se reúne com líderes europeus para obter novas garantias para Brexit

Em clima tenso no clã Bolsonaro, presidente eleito será diplomado no TSE

Extrema direita se reúne na Bélgica contra Pacto sobre Migração da ONU

Bolivianos fazem greve geral contra nova candidatura de Evo Morales à presidência

Israel realiza operação em túneis do Hezbollah na fronteira com Líbano

Participação do Brasil no G20 é irrelevante à espera do que fará Bolsonaro

Hong Kong: congresso condena cientista"irresponsável" que editou genes em embriões

Outdoors sobre prêmio para retorno de migrantes causam indignação na Alemanha

Itália quer impedir empréstimo de obras de Da Vinci para museu do Louvre

Fim do Airbnb na Cisjordânia reforça ações contra ocupação israelense

Trump fecha o cerco aos migrantes latino-americanos na fronteira com o México

Primeiro Foro Mundial do Pensamento Crítico da esquerda discute vitória de Bolsonaro

Brexit: Parlamento britânico está dividido sobre acordo entre May e UE