rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Bárbara Paz quer lançar documentário sobre Babenco no Festival de Cannes

Por Elcio Ramalho

A atriz gaúcha Bárbara Paz, 43 anos, está em Paris para apresentar o filme “Meu Amigo Hindu”, o último dirigido por Hector Babenco, seu marido, que morreu em julho de 2016. Ela conta também que está preparando um documentário sobre os últimos anos do cineasta.

“Corredor Polonês” é o nome do filme documental de Bárbara sobre o cineasta brasileiro, nascido na Argentina, diretor de obras que marcaram a história do cinema brasileiro, como “Pixote”, “O Beijo da Mulher Aranha” e “Carandiru”, entre outros.

“É sobre um homem que ficou doente durante 30 anos e o cinema o manteve vivo; ele sempre achando que estava fazendo o último filme”, conta a atriz. “É um documentário muito pessoal, que começamos há alguns anos e que acabou se tornando um filme sobre o fim, uma despedida do cineasta. Filmando, que é como ele queria sair de cena”, acrescenta.

“Foi um filme de urgência, dele, ele me pedindo para filmá-lo, e eu querendo deixar esse homem vivo. E ele me dizia ‘estou te passando o meu passaporte’, pois ele confiava no meu olhar”. Além disso, explica Bárbara, Babenco “era um homem fascinante” e é isso também que ela quer retratar. “O Hector estava muito doente nos últimos anos, eu tinha medo de perdê-lo, eu queria captar aqueles momentos e dividir isso, esse homem, com todos”.

Atriz vira diretora

Estar do outro lado da câmera não parece intimidar Bárbara Paz. “Eu sempre fui mais que uma atriz, eu pintei, fotografei, eu escrevo. Então acho que a direção junta tudo isso. Já dirigi alguns curtas, tenho os programas no Canal Brasil, estou sempre experimentando. E agora chegou o momento de fazer algo grande”, diz a documentarista. “Ano que vem estarei aqui, em Cannes, e depois em Paris, ou vice-versa”, afirma.

Sobre uma atriz no comando de uma câmera ela diz que “no Brasil existe uma certa desconfiança sobre uma atriz dirigir, mas aqui na Europa, nos Estados Unidos, isso é mais aberto”. E acrescenta: “Aprendi muito nesses últimos dez anos com ele, foi como ter uma faculdade, uma universidade dentro de casa. E o filme fala sobre isso também, ele me ensinando, me passando o bastão”.

“Meu Amigo Hindu” traz no elenco o americano William Dafoe, Maria Fernanda Cândido, Reynaldo Giannechini, Selton Mello e Bárbara Paz. O filme conta a história de um homem com câncer que se torna amigo de um menino hindu de oito anos e faz parte da programação do Festival de Cinema Brasileiro de Paris.

 

Luiza Brunet diz que “toda mulher é feminista”: “apanhar aos 50 foi gota d’água”

Feira de Frankfurt: “Brasil é o país das impossibilidades”, diz Luiz Ruffato

“Se não tomarmos cuidado, fotografo um mundo em extinção”, diz Sebastião Salgado em Frankfurt

Barbara Paz: Documentário premiado em Veneza é seu “filho-filme” com Babenco

Conferência Internacional [SSEX BBOX] em Paris tem Jean Wyllys e Lea T na programação

Ao canonizar irmã Dulce, papa Francisco promove humanismo, diz biógrafo da religiosa brasileira

Brasil vendia imagem de país cordial, mas sempre foi autoritário, diz Lilia Schwarcz

"Descoberta mudou a física e a astronomia”, diz cientista brasileiro que pesquisou com novo Nobel

“Sucesso do cinema brasileiro não é acidente, foi plantado há vários anos”, diz Karim Ainouz

Da janela de um arranha-céu de Porto Alegre, Rodrigo John filma a “virada histórica” do Brasil de 2013 a 2018

“Desmonte da cultura é um verdadeiro pesadelo no Brasil” diz Julio Bressane, homenageado no Festival de Biarritz

“Surto de desmatamento na Amazônia se explica pela chegada do governo Bolsonaro”, diz cientista do INPA

Documentário sobre greve de caminhoneiros no Brasil é exibido em Paris

"Jacques Chirac vai ser lembrado como um bon vivant", diz escritor Gilles Lapouge

Violência no Brasil é fruto do aparato repressivo herdado da ditadura, diz filósofo Edson Teles

Festival 'Brésil en Mouvements' celebra 15 anos com 11 filmes inéditos e participação da família de Marielle Franco

Pesquisadores formam rede para divulgar acervos estrangeiros sobre cultura brasileira