rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Bárbara Paz quer lançar documentário sobre Babenco no Festival de Cannes

Por Elcio Ramalho

A atriz gaúcha Bárbara Paz, 43 anos, está em Paris para apresentar o filme “Meu Amigo Hindu”, o último dirigido por Hector Babenco, seu marido, que morreu em julho de 2016. Ela conta também que está preparando um documentário sobre os últimos anos do cineasta.

“Corredor Polonês” é o nome do filme documental de Bárbara sobre o cineasta brasileiro, nascido na Argentina, diretor de obras que marcaram a história do cinema brasileiro, como “Pixote”, “O Beijo da Mulher Aranha” e “Carandiru”, entre outros.

“É sobre um homem que ficou doente durante 30 anos e o cinema o manteve vivo; ele sempre achando que estava fazendo o último filme”, conta a atriz. “É um documentário muito pessoal, que começamos há alguns anos e que acabou se tornando um filme sobre o fim, uma despedida do cineasta. Filmando, que é como ele queria sair de cena”, acrescenta.

“Foi um filme de urgência, dele, ele me pedindo para filmá-lo, e eu querendo deixar esse homem vivo. E ele me dizia ‘estou te passando o meu passaporte’, pois ele confiava no meu olhar”. Além disso, explica Bárbara, Babenco “era um homem fascinante” e é isso também que ela quer retratar. “O Hector estava muito doente nos últimos anos, eu tinha medo de perdê-lo, eu queria captar aqueles momentos e dividir isso, esse homem, com todos”.

Atriz vira diretora

Estar do outro lado da câmera não parece intimidar Bárbara Paz. “Eu sempre fui mais que uma atriz, eu pintei, fotografei, eu escrevo. Então acho que a direção junta tudo isso. Já dirigi alguns curtas, tenho os programas no Canal Brasil, estou sempre experimentando. E agora chegou o momento de fazer algo grande”, diz a documentarista. “Ano que vem estarei aqui, em Cannes, e depois em Paris, ou vice-versa”, afirma.

Sobre uma atriz no comando de uma câmera ela diz que “no Brasil existe uma certa desconfiança sobre uma atriz dirigir, mas aqui na Europa, nos Estados Unidos, isso é mais aberto”. E acrescenta: “Aprendi muito nesses últimos dez anos com ele, foi como ter uma faculdade, uma universidade dentro de casa. E o filme fala sobre isso também, ele me ensinando, me passando o bastão”.

“Meu Amigo Hindu” traz no elenco o americano William Dafoe, Maria Fernanda Cândido, Reynaldo Giannechini, Selton Mello e Bárbara Paz. O filme conta a história de um homem com câncer que se torna amigo de um menino hindu de oito anos e faz parte da programação do Festival de Cinema Brasileiro de Paris.

 

Incêndios e barricadas substituíram greves como forma de protesto na França, diz especialista

Representante dos delegados da Polícia Federal diz ser contra banalização das armas no Brasil

Lia Rodrigues volta à Paris com “Fúria”, coreografia com moradores da favela da Maré

Militares nomeados por Bolsonaro são mais moderados do que ministros, diz Leonardo Sakamoto

“Comunidade internacional espera responsabilidade ambiental do Brasil”, diz especialista

“Muita gente procurava uma confeitaria menos doce”, diz chef francês radicado em Brasília

Paris recebe Bazar de Natal com artesanato de mulheres de favelas cariocas

Fotógrafo brasileiro lembra 30 anos da morte de Chico Mendes com exposição em Paris

Músicos Francis e Olivia Hime homenageiam Vinicius de Moraes na França

“Ser estrangeiro me fez escritor”, diz Natan Barreto, que lança livro de poesias em Paris

“Discurso de Bolsonaro legitima ‘direito de matar’”, afirma professora da Universidade de Brasília

Ex-ambulante brasileiro fala para 400 estudantes na Europa: “Seja parte da solução, não do problema”

“Romances em quadrinhos estão em momento especial”, diz ilustradora Luli Penna

“Sociedade civil é quem vai mudar o Brasil”, diz empresária Luiza Trajano em Paris

“É preciso regulação para que investigações sobre fake news não demorem anos”, diz especialista

"O problema do brasileiro é se conformar que Bolsonaro está eleito", diz Delfim Netto

Fotógrafa francesa Charlotte Dafol expõe em Paris imagens de ocupações brasileiras