rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Cultura
rss itunes

Sergipano fez cartazes para a Pathé durante a Paris da "Belle Époque"

Por Patricia Moribe

Uma mostra em Paris homenageia o sergipano Cândido Aragonez de Faria, cartunista e ilustrador que fez os cartazes dos primeiros filmes da Pathé, ainda durante o cinema mudo.

Cândido de Faria nasceu em Laranjeiras, cidade portuária de Sergipe, no dia 12 de outubro de 1849. O pai, baiano, era médico com formação em Montpellier, na França. A mãe era de origem espanhola. O pai morreu de cólera quando Cândido tinha apenas seis anos e logo a família, acompanhada dos escravos, se mudou para a capital do império, Rio de Janeiro.

Ele estudou na Academia Nacional de Belas Artes, recém-criada. Faria trabalhou no Brasil e na Argentina antes de tentar a sorte na França, em 1882. Na efervescente Paris da Belle Époque, ele começou ilustrando partituras, produtos e eventos de casas de espetáculos como o Moulin Rouge, antes de se tornar o principal cartazista da Pathé.

Caricaturista e ilustrador 

A mostra, na Fundação Jérôme Seydoux-Pathé, reúne cartazes do “atelier Faria” e também trabalhos anteriores do artista. Acompanha ainda uma caprichada publicação em francês e português, organizado por Germana de Araújo, professora na Universidade Federal de Sergipe.

A professora de design explica que criou em 2015 um grupo de trabalho para pesquisar a vida do artista, pois as informações sobre sua trajetória eram poucas. “Ninguém citava Faria em livros de design e artes visuais, só em obras que tratavam da imprensa na época. Ele foi um caricaturista muito atuante de 1866 a 1880 no Brasil”, conta Germana de Araújo.

“Apesar de ser considerado um caricaturista, seu desenho não é agressivo, não deforma, não é como o de seus contemporâneos no Brasil”, explica a acadêmica paraibana radicada em Sergipe. “Muitos críticos de artes dizem que ele não tinha um estilo próprio, como por exemplo, Toulouse Lautrec, mas ele tinha sim, ele tinha a expertise de retratar de uma maneira em que o observador se coloca na cena. Ele era muito menos fantasioso que realista”, acrescenta Germana de Araújo.

Um precursor dos quadrinhos?

O trabalho de Cândido de Faria também vai render um segundo livro, explica Germana, dessa vez sobre os aspectos técnicos do artista, como um projeto tipográfico a partir dos ‘letterings’, ou seja, das letras criadas por ele.  

O estilo de Faria em ‘quadrinizar’, de contar as histórias em sequências, também é objeto de estudo na Federal de Sergipe, pois ele pode ser um dos pioneiros da técnica no começo do século 20, conta Germana de Araújo.

 Pouco se sabe da vida pessoal de Cândido de Faria. Ele morreu em 1911, aos 62 anos, depois de nove anos na Pathé, que é ainda hoje a segunda maior companhia cinematográfica do mundo em atividade, depois da também francesa Gaumont. Ele está enterrado no cemitério São Vicente, no bairro de Montmartre, na capital francesa.

A exposição Cândido de Faria, um brasileiro em Paris, fica em cartaz até 10 de julho.

Em Paris, o artista travesti Grayson Perry discute a sexualidade através de obras de arte

Mostra na Fundação Cartier de Paris recria diálogos inesperados entre geometrias latino-americanas

Artista mais caro do mundo, Basquiat é destaque de mega retrospectiva em Paris

Festival de Outono de Paris traz grandes nomes da cena contemporânea em 70 espetáculos

Cidade Fértil: Paris ganha gigantesco espaço cultural, alternativo e futurista

Hospital desativado em Paris vira ocupação artística e ecológica temporária

Messias brasileiro INRI Cristo é destaque em exposição de fotos em Arles, no sul da França

Antes de fechar as portas, Maison Rouge de Paris traz exposição sobre sonho de voar

Confira dez dicas de exposições especiais para um verão cultural na Europa

Brasil está no páreo pelos prêmios principais do Festival de Animação de Annecy

Casa da Moeda de Paris traz primeira retrospectiva do indiano Subodh Gupta na França