rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Curta de Carolina Markowicz traz a Cannes problemática da adoção

Por Patricia Moribe

Jonathas é um menino órfão, negro, de 13 anos, que tem a sorte de ter um casal que se interessa em adotá-lo, indo contra todas as preferências por um bebê branco. Mas seu jeito afeminado se torna o verdadeiro empecilho. Essa é a história de O Órfão, curta de Carolina Markowicz, em competição na Quinzena dos Realizadores, em Cannes.

Carolina conta que o curta é inspirado em histórias reais, “principalmente de crianças que são devolvidas”. Segundo dados oficiais do Conselho Nacional de Justiça 75% dos pretendentes querem crianças entre zero e cinco anos. A maioria quer bebês brancos, enquanto que a realidade mostra que mais de 50% das crianças disponíveis são pardas e 8% têm mais de 15 anos.

“Fiz muitas pesquisas, visitei abrigos e conversei muito com pessoas que trabalham na área de assistência social e a ideia era justamente mostrar um recorte dessas crianças, que têm dificuldades em serem adotadas, principalmente por causa da idade, ou porque têm irmãos ou porque como, Jonathas, são diferentes”, disse a cineasta.

Fugir do melodramático

Sobre a escolha dos atores, ela contou com a ajuda de uma produtora de elenco. Quando ela viu Kauan Alvarenga, percebeu que ali estava o seu Jonathas. “Apesar de ser uma história inerentemente triste, eu queria um personagem irreverente, insubordinado, para que o filme não caísse no melodramático. O Kauan tem carisma e trouxe isso para o personagem. Ele improvisou bastante, o que é algo que eu não costumo fazer”, acrescentou Carolina.

A cineasta tem vários curtas com trajetória internacional, como Edifício Tatuapé Mahal, que estreou no Festival Internacional de Toronto, no Canadá, em 2014. “Estar em Cannes, na em competição na Quinzena é muito importante na construção da carreira, principalmente agora que estou desenvolvendo o meu primeiro longa-metragem”, conta a cineasta paulista.

Sobre o próximo projeto, em fase de captação, ela revela que é sobre uma mulher que chefia uma máfia na tríplice fronteira e que é especializada em esconder fugitivos em famílias que tem alguém em estado vegetativo. A gangue mata o doente e coloca o foragido no lugar. A trama vai girar em um desses fugitivos, que acaba se apegando ao filho do casal que o abriga.

 

 

“A música brasileira é muito maior do que as confusões políticas do país”, diz Kiko Loureiro, guitarrista do Megadeth

Artista plástica brasileira exibe em Paris obras inspiradas em arquitetos modernistas

Marcela Levi e Lucía Russo: Crise no Brasil está esgotando a criação na dança

Pesquisador brasileiro comemora consolidação do futebol em meio acadêmico

Tatiana Leskova, testemunha viva da história do balé, é homenageada em Paris

Em Annecy, diretor de 'A Era do Gelo' revela desejo de criar séries de animação com parceiros no Brasil

“Temos que lutar para que não haja adiamento das eleições no Brasil”, diz Celso Amorim

Ministro da Cultura Sérgio Sá Leitão destaca "crescimento chinês” do audiovisual brasileiro

“Nossa música não está mais conectada com o povo”, diz compositor André Mehmari

Jornalista lança livro em Paris sobre José Ibrahim, um dos maiores nomes do sindicalismo brasileiro

“Roland Garros é a alma do tênis brasileiro atualmente”, diz Guga ao ser nomeado embaixador do torneio

Modelo de integração é de "indiferença às diferenças": romance de escritora franco-brasileira discute lugar da mulher mestiça entre Brasil e França

Mestre Reginaldo Maia resgata valores ancestrais da capoeira de Angola em Paris

“As eleições no Brasil já estão comprometidas”, diz presidente do PCO

"Moradia para todos é uma guerra política", diz urbanista João Whitaker em Paris

"Em tempos de email, só as cartas conseguem produzir uma eternidade nas pessoas", diz escritor Rodrigo Dias