rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Curta de Carolina Markowicz traz a Cannes problemática da adoção

Por Patricia Moribe

Jonathas é um menino órfão, negro, de 13 anos, que tem a sorte de ter um casal que se interessa em adotá-lo, indo contra todas as preferências por um bebê branco. Mas seu jeito afeminado se torna o verdadeiro empecilho. Essa é a história de O Órfão, curta de Carolina Markowicz, em competição na Quinzena dos Realizadores, em Cannes.

Carolina conta que o curta é inspirado em histórias reais, “principalmente de crianças que são devolvidas”. Segundo dados oficiais do Conselho Nacional de Justiça 75% dos pretendentes querem crianças entre zero e cinco anos. A maioria quer bebês brancos, enquanto que a realidade mostra que mais de 50% das crianças disponíveis são pardas e 8% têm mais de 15 anos.

“Fiz muitas pesquisas, visitei abrigos e conversei muito com pessoas que trabalham na área de assistência social e a ideia era justamente mostrar um recorte dessas crianças, que têm dificuldades em serem adotadas, principalmente por causa da idade, ou porque têm irmãos ou porque como, Jonathas, são diferentes”, disse a cineasta.

Fugir do melodramático

Sobre a escolha dos atores, ela contou com a ajuda de uma produtora de elenco. Quando ela viu Kauan Alvarenga, percebeu que ali estava o seu Jonathas. “Apesar de ser uma história inerentemente triste, eu queria um personagem irreverente, insubordinado, para que o filme não caísse no melodramático. O Kauan tem carisma e trouxe isso para o personagem. Ele improvisou bastante, o que é algo que eu não costumo fazer”, acrescentou Carolina.

A cineasta tem vários curtas com trajetória internacional, como Edifício Tatuapé Mahal, que estreou no Festival Internacional de Toronto, no Canadá, em 2014. “Estar em Cannes, na em competição na Quinzena é muito importante na construção da carreira, principalmente agora que estou desenvolvendo o meu primeiro longa-metragem”, conta a cineasta paulista.

Sobre o próximo projeto, em fase de captação, ela revela que é sobre uma mulher que chefia uma máfia na tríplice fronteira e que é especializada em esconder fugitivos em famílias que tem alguém em estado vegetativo. A gangue mata o doente e coloca o foragido no lugar. A trama vai girar em um desses fugitivos, que acaba se apegando ao filho do casal que o abriga.

 

 

“Favela é o maior resumo do Brasil”, afirma ativista do Complexo do Alemão

“Caso Coaf prova que Bolsonaro nunca foi ‘outsider’”, afirma Manuela D’Ávila em Roma

“PT não promoveu alfabetização política no Brasil”, diz Frei Betto

Cineasta Marcelo Novais lança em Paris um “diário íntimo de uma geração”

Incêndios e barricadas substituíram greves como forma de protesto na França, diz especialista

Representante dos delegados da Polícia Federal diz ser contra banalização das armas no Brasil

Lia Rodrigues volta à Paris com “Fúria”, coreografia com moradores da favela da Maré

Militares nomeados por Bolsonaro são mais moderados do que ministros, diz Leonardo Sakamoto

“Comunidade internacional espera responsabilidade ambiental do Brasil”, diz especialista

“Muita gente procurava uma confeitaria menos doce”, diz chef francês radicado em Brasília

Paris recebe Bazar de Natal com artesanato de mulheres de favelas cariocas

Fotógrafo brasileiro lembra 30 anos da morte de Chico Mendes com exposição em Paris

Músicos Francis e Olivia Hime homenageiam Vinicius de Moraes na França

“Ser estrangeiro me fez escritor”, diz Natan Barreto, que lança livro de poesias em Paris

“Discurso de Bolsonaro legitima ‘direito de matar’”, afirma professora da Universidade de Brasília

Ex-ambulante brasileiro fala para 400 estudantes na Europa: “Seja parte da solução, não do problema”

“Romances em quadrinhos estão em momento especial”, diz ilustradora Luli Penna