rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Teatro do Oprimido de Paris remonta peça de Boal e questiona Brasil atual

Por Adriana Brandão

Acontece neste momento em Paris o festival Migr’Actions, organizado pelo Teatro do Oprimido, fundado na França pelo dramaturgo brasileiro Augusto Boal em 1979. Esta edição 2018 homenageia a América Latina e apresenta nesta quinta-feira (5) a peça “A lua muito pequena e a caminhada perigosa”, montada por Rui Frati, o diretor do Teatro do Oprimido e entrevistado do RFI Convida desta quarta-feira (4).

Rui Frati dirige o Centre du Théâtre de l'Opprimé, que utiliza a técnica desenvolvida por Augusto Boal nos anos 1960/1970 para questionar relações de poder e formas de opressão, desde 1998. Em 2005, ele lançou o festival Migr’Actions que acontece sempre no início do verão europeu. O trocadilho do nome visa associar duas preocupações da companhia teatral, “a questão da mobilidade das pessoas, que é um direito que não é respeitado, com a ideia de ação. Trabalhamos muito com a noção de espect’atores, de pessoas que estão assistindo sentadas, mas estão prontas a entrar em ação”, explica o diretor.

A edição 2018 começou no dia 28 de junho e termina no próximo domingo (8), com a apresentação de uma peça encenada em conjunto por detentos e atores do Teatro do Oprimido e considerada por Rui Frati como “talvez a experiência de maior importância do festival”. Entre os destaques, está a peça “A lua muito pequena e a caminhada perigosa” que, restitui a Feira Paulista de Opinião quando, há 50 anos, Boal num ato de desobediência civil, contra a censura, perguntava ao público: o que você acha do Brasil de hoje?

“A peça é uma colagem com vários textos de autores latino-americanos, Neruda e Cortázar, e fala do julgamento do Che Guevara na Bolívia”, conta Rui Frati. “Ela é extremamente atual. Certas coisas que estão acontecendo hoje já se anunciavam 50 anos atrás, como a relação do colonizador com o colonizado (…) De como as pessoas são manipuladas para entenderem a verdade do poder e não a verdade do que está acontecendo realmente. Muito parecido com o que está acontecendo no Brasil. Toda essa gente manipulada que agora está percebendo o buraco no qual estamos entrando.”

Técnica do teatro do oprimido

Questionado se a técnica do teatro do oprimido, criada durante a ditadura militar no Brasil, contra a opressão política e a censura, ainda é pertinente, o diretor é categórico em sua resposta positiva. “As opressões continuam a existir. O próprio Boal quando chegou à Europa percebeu que ele tinha que alargar a noção do que é opressão. (…) Hoje, nós estamos trabalhando muito nas prisões sobre a radicalização, sobre como prever e como talvez encontrar caminhos antes das pessoas caírem numa situação sem retorno. Sem falar no gênero, na opressão homem/mulher/homossexual. A opressão continua e nós continuamos ativíssimos.”

O festival Migr’Actions acontece no Teatro do Oprimido, na 78/80 rue du Charolais
75012 Paris.

Sabores do Brasil recebe “30% de brasileiros saudosos e 70% de franceses curiosos” em Paris

Inimigo no fascismo brasileiro é o pobre, diz pesquisadora do voto em Bolsonaro

Cantor Renato Fagundes traz a Paris tradição e modernidade da cultura gaúcha

Da extrema-direita à esquerda: populismo tem faces distintas na Europa e na América Latina, diz especialista

“Lula adiou troca e prejudicou campanha de Haddad”, diz analista David Fleischer

"Bolsa Família é grande aliado para quem deseja fazer ajuste fiscal no Brasil", afirma Marcelo Neri

Novo livro de Jean-Paul Delfino traz personagem imortal que viveu no Brasil

“Ataque corrobora ânimo de briga manifestado por Bolsonaro”, diz cientista político da UFMG

Em Perpignan, a fotógrafa brasileira Alice Martins expõe imagens da guerra na Síria

“Atlas do Agronegócio revela a complexa cadeia do setor agroindustrial”, diz coordenadora

"Assegurar preservação do patrimônio é responsabilidade da sociedade", diz presidente do Ibram sobre incêndio no Museu Nacional

“Quero nossa democracia de volta” pede cineasta brasileiro Fellipe Barbosa em Veneza

“Mulheres brasileiras sempre foram vistas como patrimônio do homem”, diz diretora-presidente da ONG Artemis

“Mulheres negras e indígenas representam o feminismo de resistência brasileiro”, afirmam pesquisadoras

Apesar da crise, brasileiros participam de Encontro Mundial das Famílias em Dublin

Instrumentalização política dos migrantes alimentou xenofobia em Roraima, diz professor da UFRR

"Tenho uma parte da história do Brasil nos meus arquivos", conta a fotógrafa Rosa Gauditano

Após turnê internacional, cantora Flávia Coelho volta ao estúdio em Paris para gravar 4° álbum