rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Avignon: “As crianças entendem tudo”, diz Miguel Fragata, diretor de peça infantil sobre refugiados

Por Maria Emilia Alencar

Como falar de coisas sérias para as crianças sem infantilizá-las? Esse foi o desafio do diretor teatral português Miguel Fragata, que apresenta no Festival de Avignon a peça “Do Bosque para o Mundo”, que trata do longo e sofrido caminho dos refugiados para chegar à Europa.

No palco, duas atrizes, entre malas espalhadas por todos os lados e um imenso mapa-múndi no fundo, relatam a rota feita pelo menino Farid, de 11 anos, que teve que fugir do Afeganistão e, após muitos percalços, consegue chegar finalmente à Inglaterra um ano depois.

“O mundo não é cor de rosa”

A peça foi criada há dois anos por Miguel Fragata e Inês Barahona, da companhia Formiga Atômica de Lisboa, com o objetivo de mostrar às crianças a realidade nua e crua dos refugiados, sem rodeios ou qualquer subterfúgio, geralmente utilizados para edulcorar os espetáculos infantis.

“Olhamos para as crianças como pessoas absolutamente capazes, como os adultos” – disse Miguel Fragata em entrevista à RFI em Avignon, lembrando que esse é o terceiro espetáculo infantil de sua companhia.

Segundo ele, essa deve ser a maneira de se falar com as crianças sobre temas difíceis. “Devemos relatar os fatos com toda a honestidade, sem medo da verdade”, acrescenta ele, ressaltando que a peça põe as crianças em um lugar importante, de responsabilização”.

Ele observa que muitas vezes temos a tendência de aparar as arestas quando falamos com crianças, e mostramos a elas um “mundo maravilhoso”, mas “o mundo não é cor de rosa”, insiste o diretor teatral.

Viagem de iniciação

Nessa rota do Afeganistão à Inglaterra, relatada na peça, o menino Farid vive os piores horrores. Viaja escondido em caminhões frigoríficos, seu passaporte é confiscado pelos atravessadores e ele passa fome e frio, como milhares de refugiados que chegam à Europa atualmente.

Mas nesse caminho, o menino, que vem de uma família da etnia Pashtun, com regras muito rígidas e onde a posição da mulher é de total submissão, vive também uma viagem de iniciação. Ao chegar ao ocidente ele vê pela primeira vez mulheres sem véus nas ruas e descobre um mundo novo. A peça fala sobre isso de maneira direta, mas delicada.

“A medida que o personagem vai avançando, ele vai se confrontando com as diferenças entre o oriente e o ocidente. E é isso que o faz crescer. Ele define suas novas regras. Essa é a definição da identidade”, explica Miguel, para quem o espetáculo é também sobre o crescimento de uma criança.

Olhar os refugiados com empatia

Um dos objetivos de Miguel Fragata e Inês Barahona ao criar essa peça foi lutar contra a banalização do tema dos refugiados, muito presente na mídia europeia. Para o diretor português, era urgente falar às crianças sobre isso, “pois a mídia trata essa crise da pior maneira possível, como se fosse tudo normal, o que nos impede de nos colocarmos no lugar do outro”.

Segundo ele, não podemos continuar a olhar os refugiados como números que estão “complicando” a vida dos europeus. A empatia é a palavra chave do espetáculo.

“Temos que olhar essa crise com mais humanidade e cada história de refugiado como uma história particular. Poderíamos ser nós – conclui Miguel Fragata.

“Do Bosque para o Mundo” (em francês “Au-delà de la Forêt le Monde”) fica em cartaz no Festival de Avignon até 12 de julho.

 

“Discussão sobre identidade de gênero no teatro é uma tendência mundial”, diz professora da USP que acompanha o Festival de Avignon

Cineasta Lúcia Verissimo defende a importância da preservação da memória de um país

“Diálogo com a criança é extremamente importante”, diz autora de livro infantil sobre câncer de mama

"Crianças francesas vão adorar ver Neymar numa situação tão humana e próxima deles", diz tradutora dos quadrinhos 'As aventuras de Neymar Jr'

Romain Vicari, artista plástico franco-brasileiro, expõe "bumerangue cultural" em Paris

“Aquecimento global é desafio do presente e do futuro para a produção de vinho”, diz enóloga brasileira à frente da OIV

“A ditadura não resiste à música”, afirma compositor multi-instrumentista Hermeto Pascoal

Decisão de Favreto sobre libertação de Lula deveria ter sido cumprida, dizem juristas ouvidos pela RFI

Sonho, rito e alteridade: ritual xavante inspira solo de brasileira em Montpellier Danse

Teatro do Oprimido de Paris remonta peça de Boal e questiona Brasil atual

"A seleção da França é quase toda afro-francesa", diz Gilberto Gil em Paris

Eleição presidencial no México tem semelhanças com Brasil, diz embaixador Rubens Barbosa

Vencedor do Prêmio Icatu, maestro brasileiro estreia em Paris novo sistema musical que homenageia Bach

“A música brasileira é muito maior do que as confusões políticas do país”, diz Kiko Loureiro, guitarrista do Megadeth