rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

“A ditadura não resiste à música”, afirma compositor multi-instrumentista Hermeto Pascoal

Por Marcos Lúcio Fernandes

Ele é um compositor que se inspira nos sons da natureza para criar suas músicas e lançou seu primeiro álbum nos anos 1970. Dominando mais de oito instrumentos e com várias participações internacionais no currículo, como o renomado Festival de Jazz de Montreux, na Suíça, ele é um dos artistas mais versáteis e originais do repertório brasileiro. A RFI conversou com o músico brasileiro Hermeto Pascoal.

De passagem por Paris em sua turnê pela Europa, Hermeto fez show na capital num clima todo especial para os franceses, contentes com a chegada da França à final da Copa do Mundo da Rússia. A visita ao velho continente, aliás, é mais uma oportunidade para o artista de reiterar seu argumento de que a música é “universal” e não “regional”. Em um vídeo publicado no Instagram, Hermeto diz que a “universalidade é o que segura o mundo”.

“O Brasil é o país mais colonizado do mundo. Meu pai era descendente de europeu, a Europa está totalmente no Brasil, o que acontece é que não tem nada de diferente em lugar nenhum. A semelhança prenomina no mundo, o que eu chamo de música universal é isso”, declara o compositor. “Eu não faço músicas diferentes das outras do mundo, da africana, da não sei o quê. A diferença é criada pelos políticos, com o interesse de ganhar posições. A posição que eu quero ganhar é essa, de estar aqui, fazendo esse sucesso.”

Hermeto Pascoal durante show em Paris Marcos Fernandes/RFI

Música como arma contra a crise no mundo

Por falar em política, Hermeto afirma que a arte musical é uma arma poderosa contra os períodos de crise na humanidade e ressalta o lado transformador de uma melodia. “A música é uma das joias que salvam o mundo. Cansei de fazer show e escutar das pessoas ‘Obrigado por me fazer sorrir’. Na época da ditadura, onde eu tocava no mundo, o público vinha no camarim me cumprimentar e agradecer – aliás, eu não, a música! A ditadura não resiste à música. Nada resiste à música. Nada, nada, nada.”

Hermeto gravou em seu último disco Made of Music, a canção “Copo d’água”, em que brinca com o líquido para produzir sons, performance que ele reproduziu em seu show em Paris. Em 1977, em Slave’s Mass, o músico gravou com porcos a célebre “Missa dos Escravos”. Após cerca de quatro décadas de atividade e no meio de tanta originalidade, o compositor garante que nenhum objeto ou som ficou esquecido.

“Esses sons da minha existência continuam comigo, não são coisa do passado. Quando o passado é forte, ele fica presente, sempre. Ele faz parte do que chamo de escada da vida, começa a subir do primeiro degrau e não para mais”, diz. “Estou com meus 82 anos sem parar. Minha alegria imensa é não premeditar, não chamar, as coisas que venham até mim, porque estou com minha mente sempre aberta.”

Processo criativo intuitivo

Pata Hermeto, o processo de criação artística não segue nenhum modelo e deve ser fluido. “O que eu sinto, eu faço. Gravei com um copo de água, então as pessoas pensam que eu vou usar sempre isso, e às vezes não, porque no meu pensamento não veio. Eu vivo do meu pensamento. O copo com água me lembra dos rios, de quando eu era menininho, de quando eu brincava com água e fazia sons e as crianças iam correndo dizer aos meus pais que eu era louco.”

Quanto ao segredo da boa forma, Hermeto garante que é nada menos que a energia criativa que corre nas veias. “Eu sou criança. Meu corpo não, mas eu sou. Se meu corpo está aguentando é por causa da energia, ela ajuda muito esse ‘carro’ que eu ganhei para andar na Terra a aguentar muito mais. Deus não quer formalidade, em nada, então na música eu sou assim, completamente informal.”

"Ataques a povos indígenas é suicídio cultural”, diz geógrafo francês

Dependência brasileira ao minério de ferro é um dos disfuncionamentos que explicam catástrofe ambiental, diz especialista

Após sucesso na estreia, Grupo Sociedade Recreativa lança segundo álbum na França

“Lagerfeld era o camaleão da moda”, lembra estilista brasileiro Gustavo Lins

Fome Zero seguirá como meta da ONU para erradicar fome no mundo, afirma José Graziano

Brasileira apresenta na Berlinale documentário sobre ocupação dos Sem Terra em Goiás

“Direito à comunicação no Brasil ainda é muito atrasado”, diz fundador de web rádio indígena

"Alastrar competitividade para toda a economia brasileira está no radar do governo", diz diretor-geral da OMC

Fotógrafo curitibano expõe em Paris obras inspiradas na espiritualidade

Orçamento participativo e Bolsa Família são as principais políticas públicas “exportadas” pelo Brasil

“Brasil tem volta da oligarquia com uma política de extrema direita”, diz sociólogo da UFRJ

Compositor francês Debussy influenciou até Bossa Nova, lembra maestro Isaac Chueke

“Brasil e França trabalharam pelo silenciamento da memória escravista”, diz historiadora

Escritora Telma Brites Alves lança em Paris seu livro "Gaia: A Roda da Vida"

Cantora brasileira mistura música árabe e nordestina em álbum “Brisa Mourisca”

Movimento dos Atingidos por Barragens quer garantias de reparação total de danos às vítimas de Brumadinho

"Precariedade das favelas é estimulada pelo próprio Estado", diz historiador

Human Rights Watch: partida de Jean Wyllys é “triste para a esquerda e a direita”