rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Cineasta Lúcia Verissimo defende a importância da preservação da memória de um país

Por Nina Santos

Em seu documentário "Eu, meu pai e Os Cariocas - 70 anos de música no Brasil", a atriz e cineasta Lúcia Veríssimo revive sete décadas da história brasileira através da música. O filme, que está passando por uma série de festivais internacionais, chega a Milão esta semana, onde será exibido no festival Agenda Brasil. Para a diretora, o filme tem um papel importante para ajudar a manter a memória cultural do país.

Uma parte importante do período retratado no filme acontece durante a ditadura militar brasileira. “É bom lembrar o quanto é difícil ser governado por quem não deveria estar no poder”, diz Veríssimo. Ela defende que o papel dos militares não é o de governar, mas sim o de “guardar” um país. Para ela, hoje há um problema tão sério de segurança no Brasil que as pessoas estão confundindo os papéis.

Em entrevista à RFI, Lúcia contou que a inspiração para o filme veio do seu pai, o maestro Severino Filho, e disse estar muito feliz com a possibilidade de apresentar sua obra para os italianos. “A Itália tem uma forte ligação com a Bossa Nova e com a Música Popular Brasileira em geral”, declarou ela e nos contou ainda que a paixão dos italianos pela música brasileira sempre a impressionou. Sua expectativa neste festival é a de ouvir “de um povo que é tão apaixonado pela música brasileira” o que eles acham da história que ela conta.

O filme já foi exibido na Espanha, Estados Unidos, Canadá, Chile e Brasil, onde participou da mostra It’s all true, o maior festival de documentário da América do Sul. Ele também foi premiado como melhor filme no festival In-Edit Brasil – Festival Internacional do Documentário Musical.

 

Eu meu pai e os cariocas Arquivo Pessoal

 

 

"Vitimização de Lula é estratégia do PT para angariar votos", diz cientista político

Sergio Amadeu: combate à desinformação na rede é importante mas não pode virar censura

“Nosso trabalho é mais valorizado fora do Brasil”, diz Sandra Veloso, do Balé Folclórico de Fortaleza

Ilustradora Suppa e Miguel Falabella criam canal no Youtube para crianças de todas as idades

A carne é um objeto de sedução e excitação, diz Júlio Bressane em Locarno

Calixto Neto dança a “ira” para reinventar “corpos minoritários” no Festival Camping, em Paris

"Rever acordos de paz com as FARC é um risco para novo presidente da Colômbia”, diz historiador

Em Arles, Thyago Nogueira, do IMS, divulga fotografia brasileira contemporânea

Cineasta franco-suíço apresenta filme sobre a busca por entrevista com João Gilberto

Documentário brasileiro “Zaatari” revela força e poesia de refugiados sírios na Jordânia

Crise ameaça renovação da classe científica brasileira, diz Marcelo Viana, organizador do Congresso Internacional de Matemáticos

Revista acadêmica francesa lança número especial sobre crise política no Brasil

"Existe um índio dentro de cada brasileiro", diz Ernesto Neto, em cartaz com a escultura monumental GaiaMotherTree na Suíça

Turistas brasileiros cada vez mais interessados em história da arte em Paris

“Riqueza infinita”: apresentador Gilles Bourgarel promove música brasileira há 14 anos na Françar

“Discussão sobre identidade de gênero no teatro é uma tendência mundial”, diz professora da USP que acompanha o Festival de Avignon