rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Novo livro de Adriana Armony faz uma sátira sobre o mercado editorial

Por Stephan Rozenbaum

Escritora, doutora em Literatura Comparada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e professora, Adriana Armony lança o seu quarto livro e conversou com a RFI em Paris.

A Feira gira em torno dos preparativos e da realização de um evento literário em uma cidade turística, encenando de forma bem-humorada as delícias e os vícios do meio editorial.

“É uma sátira, uma grande alegoria irônica sobre o que é o mundo literário e o meio editorial”, explica a autora. “O livro trata das bienais, mas nenhuma personagem é específica. Tem algo de delirante nas histórias porque elas são exageradas, a ponto de se transformarem em caricaturas. Ao mesmo tempo, essas personagens são demasiadamente humanas, com todas as suas ansiedades e mesquinharias”, completa.

A Editora, o Escritor Talentoso, a Promessa da Literatura, a Curadora, o Aspirante são alguns dos tipos identificados pelo papel que desempenham. Cada personagem se prepara para sua própria batalha na sociedade do espetáculo: prestígio, dinheiro, fama, sexo, amor. Há algo, porém, que mobiliza a todos: a vontade de ganhar um prêmio.

“A Promessa da Literatura, por exemplo, é uma menina muito jovem e deslumbrada que quer ser escritora e sofre terrivelmente com a carreira. O Aspirante é aquele tipo que escreveu um livro para uma editora pequena e fica ansioso para aparecer. Tem ainda a Editora, uma mulher poderosa, sempre ocupada com grandes negócios, que rivaliza com a curadora da feira literária. Ela tem que lidar com as vaidades e questões comerciais da profissão, ao mesmo tempo em que sente certa nostalgia da literatura, ofício que deixou para trás a fim de pensar em vendas e eventos”, cita Armony.

Enredados numa teia de mistérios em que nada é exatamente o que parece ser, as personagens atuam, conspiram, criam e erram. Trata-se de uma história repleta de peripécias e suspense, e ao mesmo tempo, uma engenhosa alegoria irônica de quem dedica a vida a escrever.

Outra personagem da trama é o Escritor Talentoso consagrado, um homem que trabalhou muito para chegar ao estrelato e, quando consegue alcançar esse status, tem pânico de não conseguir escrever outro livro. “Eu fui um pouco de cada personagem ou eu vi alguma coisa parecida acontecer”, explica Adriana Armony sobre a inspiração para os tipos criados por ela na literatura.

A Feira é finalista do Prêmio Rio de Literatura. Enquanto aguarda o resultado da disputa, a autora já está em fase de finalização de seu próximo livro. Dessa vez, a autora escolheu tratar do tráfico com propósito sexual.

Antes, Adriana Armony publicou os romances A fome de Nelson (Record, 2005); Judite no país do futuro (Record, 2008) e Estranhos no aquário (Record, 2012).

 

“Uso da religião está sendo deturpado nas eleições", diz médium Divaldo Franco

“Minha música é um engajamento pela liberdade”, diz gaúcho radicado na França

“Apenas distanciamento histórico vai explicar o que deu errado no Brasil”, diz cineasta Filipe Galvon

"Brasileiros querem coisas novas, mesmo que elas piorem para depois melhorar", diz Luiz Olavo Baptista

Jussara Korngold: "Brasileiros contribuiram para entrada do espiritismo nos EUA"

Documentário sobre ocupação do prédio do IBGE durante Rio 2016 é lançado na França

“Brasil virou um território da burrice”, diz escritor Bernardo Carvalho

“Há uma crença de que um regime mais militarizado colocaria ordem no Brasil”, diz historiadora da USP

Campanha da extrema direita mergulha Brasil em momento regressivo, diz especialista em segurança

"Faremos políticas públicas de alto impacto e baixo custo", diz cocandidata da Bancada Ativista de SP

Bolsonaro é produto de "avacalhação" da democracia brasileira, diz analista

Tudo o que você precisa saber para votar nas eleições brasileiras de 2018 em Paris

“Eu quis mostrar o ciclo criminoso que persiste no sertão brasileiro”, diz cineasta Eduardo Morotó em Biarritz

“Era inimaginável ver alguém defendendo a volta da ditadura, como hoje no Brasil”, diz a cineasta Flávia Castro

“Bolsonaro representa a banda podre do Brasil”, diz cartunista Adão Iturrusgarai

Bela Gil em festival Slow Food na Itália: “É importante conhecer quem produz o alimento”

Sabores do Brasil recebe “30% de brasileiros saudosos e 70% de franceses curiosos” em Paris