rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Calixto Neto dança a “ira” para reinventar “corpos minoritários” no Festival Camping, em Paris

Por Márcia Bechara

Ele participou do Festival Camping, do Centro Nacional de Dança da França com o espetáculo “oh! rage” (“oh! ira”, em português) . Performer, bailarino, coreógrafo, criador, Calixto neto vem de uma formação de teatro em Recife, com passagens pela dança contemporânea, com a Cia Lia Rodrigues e a Escola Livre de Dança da Maré, no Rio de Janeiro e um mestrado Exerce, em Montpellier, no sul da França. O RFI Convida conversou com o bailarino sobre desconstrução de clichês, minorias, lideranças e reinvenção do corpo através da dança.

*Para ouvir a entrevista na íntegra, clique na image acima

“O corpo negro vem cheio de clichês, mas meu trabalho é justamente nesse lugar da desconstrução desses clichês. Como se eu passasse um marca-texto embaixo dos clichês para dizer ‘olha, esses clichês existem, e eles precisam ser desfeitos’ “, diz Calixto Neto. Sobre a emergência do feminismo negro no Brasil, com lideranças como Djamila Ribeiro e Marielle Franco, o bailarino afirma que “elas são fontes para mim, sigo estas pessoas, estou sempre lendo o que estão produzindo”.

 Além do aparato teórico que alimenta seu trabalho, Calixto diz que existe “o aparato do mundo virtual e da vida real”: “existe essa dimensão biográfica, que eu acho que toca no corpo masculino, mas também na desconstrução dessa masculinidade, do que pode ser essa fragilidade masculina, negra, porque [esta masculinidade negra] é um lugar de muita projeção, de ideias pré-concebidas que são reafirmadas nas coisas mais sutis do meu dia-a-dia”.

Sobre a inferioridade numérica de lideranças masculinas negras no Brasil, em comparação com a emergência de uma geração de lideranças femininas negras, o performer disse que “Não sinto falta. Está mais do que na hora de termos lideranças femininas, negras, trans, homossexuais, minoritárias”. “Obviamente que ter lideranças masculinas é interessante, elas existem, mas acho que precisamos bater palmas e passar o bastão dessa vez para as mulheres”, completa.

“oh! rage”, o espetáculo de Calixto Neto, faz uma brincadeira em francês com a palavra “orage”, “tempestade” e se inspira livremente no livro da indiana Gayatri Spivak, “Os subalternos podem enfim falar?”. “É um texto fundamental para os estudos pós-coloniais e a resposta, no final, é que os subalternos não podem enfim falar. Não por uma questão física, eles possuem o aparato físico para isso. Mas eles podem politicamente se posicionar em algum lugar e ter as suas vozes ouvidas”, diz o performer.

Monólogo de ator brasileiro em Avignon resgata canções desconhecidas de Pasolini, entre erotismo e engajamento

Ricupero: Bolsonaro nomear filho embaixador nos EUA “é chocante e sem precedentes”

Rodrigo Ferreira: dos templos evangélicos no Brasil à cena lírica internacional

“O combate à corrupção no Brasil é uma mentira”, diz sociólogo Jessé Souza

Christiane Jatahy em Avignon: “Há no Brasil um pensamento ditatorial para calar a diferença”

“ONU está em alerta para acolher defensores de direitos humanos do Brasil”, diz deputada Renata Souza

“Lutamos tanto para conquistar um pouco de direitos humanos e a gente vai retirar isso?” questiona Marcelo D2 em entrevista em Paris

Acordo UE e Mercosul não é motivo para ufanismo em queda de preços, diz ex-embaixador Graça Lima

Tecnologias do semiárido brasileiro podem ajudar a alimentar imigrantes venezuelanos na Colômbia

"Governo de divisão social, oposto dos anteriores", diz autor de livro sobre Bolsonaro

Advogada do Consulado em Los Angeles analisa situação de brasileiros sem documentos nos EUA

"O ator precisa ter cartas na manga", diz Letícia Spiller sobre carreira de cantora

Brasil não é um dos países que mais usa agrotóxicos, isso é “balela”, diz ministra Tereza Cristina

“Bolsonarismo é uma articulação de radicalismo liberal com autoritarismo social”, diz professor da UERJ

Intolerância a valores progressistas pode impactar na publicidade, diz pesquisadora

Entre identidade e melodia, sambas-enredo "recuperam identidade brasileira", diz intérprete Ana Guanabara

"Camocim", documentário de Quentin Delaroche, recupera juventude idealista do interior de Pernambuco, no caos do esvaziamento ideológico do Brasil