rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Calixto Neto dança a “ira” para reinventar “corpos minoritários” no Festival Camping, em Paris

Por Márcia Bechara

Ele participou do Festival Camping, do Centro Nacional de Dança da França com o espetáculo “oh! rage” (“oh! ira”, em português) . Performer, bailarino, coreógrafo, criador, Calixto neto vem de uma formação de teatro em Recife, com passagens pela dança contemporânea, com a Cia Lia Rodrigues e a Escola Livre de Dança da Maré, no Rio de Janeiro e um mestrado Exerce, em Montpellier, no sul da França. O RFI Convida conversou com o bailarino sobre desconstrução de clichês, minorias, lideranças e reinvenção do corpo através da dança.

*Para ouvir a entrevista na íntegra, clique na image acima

“O corpo negro vem cheio de clichês, mas meu trabalho é justamente nesse lugar da desconstrução desses clichês. Como se eu passasse um marca-texto embaixo dos clichês para dizer ‘olha, esses clichês existem, e eles precisam ser desfeitos’ “, diz Calixto Neto. Sobre a emergência do feminismo negro no Brasil, com lideranças como Djamila Ribeiro e Marielle Franco, o bailarino afirma que “elas são fontes para mim, sigo estas pessoas, estou sempre lendo o que estão produzindo”.

 Além do aparato teórico que alimenta seu trabalho, Calixto diz que existe “o aparato do mundo virtual e da vida real”: “existe essa dimensão biográfica, que eu acho que toca no corpo masculino, mas também na desconstrução dessa masculinidade, do que pode ser essa fragilidade masculina, negra, porque [esta masculinidade negra] é um lugar de muita projeção, de ideias pré-concebidas que são reafirmadas nas coisas mais sutis do meu dia-a-dia”.

Sobre a inferioridade numérica de lideranças masculinas negras no Brasil, em comparação com a emergência de uma geração de lideranças femininas negras, o performer disse que “Não sinto falta. Está mais do que na hora de termos lideranças femininas, negras, trans, homossexuais, minoritárias”. “Obviamente que ter lideranças masculinas é interessante, elas existem, mas acho que precisamos bater palmas e passar o bastão dessa vez para as mulheres”, completa.

“oh! rage”, o espetáculo de Calixto Neto, faz uma brincadeira em francês com a palavra “orage”, “tempestade” e se inspira livremente no livro da indiana Gayatri Spivak, “Os subalternos podem enfim falar?”. “É um texto fundamental para os estudos pós-coloniais e a resposta, no final, é que os subalternos não podem enfim falar. Não por uma questão física, eles possuem o aparato físico para isso. Mas eles podem politicamente se posicionar em algum lugar e ter as suas vozes ouvidas”, diz o performer.

Brasileira apresenta na Berlinale documentário sobre ocupação dos Sem Terra em Goiás

“Direito à comunicação no Brasil ainda é muito atrasado”, diz fundador de web rádio indígena

"Alastrar competitividade para toda a economia brasileira está no radar do governo", diz diretor-geral da OMC

Fotógrafo curitibano expõe em Paris obras inspiradas na espiritualidade

Orçamento participativo e Bolsa Família são as principais políticas públicas “exportadas” pelo Brasil

“Brasil tem volta da oligarquia com uma política de extrema direita”, diz sociólogo da UFRJ

Compositor francês Debussy influenciou até Bossa Nova, lembra maestro Isaac Chueke

“Brasil e França trabalharam pelo silenciamento da memória escravista”, diz historiadora

Escritora Telma Brites Alves lança em Paris seu livro "Gaia: A Roda da Vida"

Cantora brasileira mistura música árabe e nordestina em álbum “Brisa Mourisca”

Movimento dos Atingidos por Barragens quer garantias de reparação total de danos às vítimas de Brumadinho

"Precariedade das favelas é estimulada pelo próprio Estado", diz historiador

Human Rights Watch: partida de Jean Wyllys é “triste para a esquerda e a direita”

“Falta educação no projeto de governo Bolsonaro”, diz Renato Janine Ribeiro

Apoiar oposição a Maduro é ingênuo e perigoso, diz especialista da Unicamp

"Estrela no Guia Michelin brinda a amizade franco-brasileira”, diz chef Raphaël Rego

Brasil é país que mais cai em relatório sobre competitividade divulgado em Davos

“Europeu gosta de música brasileira com contexto histórico”, diz cantor Mario Bakuna