rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Calixto Neto dança a “ira” para reinventar “corpos minoritários” no Festival Camping, em Paris

Por Márcia Bechara

Ele participou do Festival Camping, do Centro Nacional de Dança da França com o espetáculo “oh! rage” (“oh! ira”, em português) . Performer, bailarino, coreógrafo, criador, Calixto neto vem de uma formação de teatro em Recife, com passagens pela dança contemporânea, com a Cia Lia Rodrigues e a Escola Livre de Dança da Maré, no Rio de Janeiro e um mestrado Exerce, em Montpellier, no sul da França. O RFI Convida conversou com o bailarino sobre desconstrução de clichês, minorias, lideranças e reinvenção do corpo através da dança.

*Para ouvir a entrevista na íntegra, clique na image acima

“O corpo negro vem cheio de clichês, mas meu trabalho é justamente nesse lugar da desconstrução desses clichês. Como se eu passasse um marca-texto embaixo dos clichês para dizer ‘olha, esses clichês existem, e eles precisam ser desfeitos’ “, diz Calixto Neto. Sobre a emergência do feminismo negro no Brasil, com lideranças como Djamila Ribeiro e Marielle Franco, o bailarino afirma que “elas são fontes para mim, sigo estas pessoas, estou sempre lendo o que estão produzindo”.

 Além do aparato teórico que alimenta seu trabalho, Calixto diz que existe “o aparato do mundo virtual e da vida real”: “existe essa dimensão biográfica, que eu acho que toca no corpo masculino, mas também na desconstrução dessa masculinidade, do que pode ser essa fragilidade masculina, negra, porque [esta masculinidade negra] é um lugar de muita projeção, de ideias pré-concebidas que são reafirmadas nas coisas mais sutis do meu dia-a-dia”.

Sobre a inferioridade numérica de lideranças masculinas negras no Brasil, em comparação com a emergência de uma geração de lideranças femininas negras, o performer disse que “Não sinto falta. Está mais do que na hora de termos lideranças femininas, negras, trans, homossexuais, minoritárias”. “Obviamente que ter lideranças masculinas é interessante, elas existem, mas acho que precisamos bater palmas e passar o bastão dessa vez para as mulheres”, completa.

“oh! rage”, o espetáculo de Calixto Neto, faz uma brincadeira em francês com a palavra “orage”, “tempestade” e se inspira livremente no livro da indiana Gayatri Spivak, “Os subalternos podem enfim falar?”. “É um texto fundamental para os estudos pós-coloniais e a resposta, no final, é que os subalternos não podem enfim falar. Não por uma questão física, eles possuem o aparato físico para isso. Mas eles podem politicamente se posicionar em algum lugar e ter as suas vozes ouvidas”, diz o performer.

Fotógrafo brasileiro apresenta série sobre os desafios do Cerrado em Paris

Museu Internacional da Mulher será inaugurado em Portugal com curadora brasileira

Comitiva de indígenas brasileiros na Europa reforça campanha contra acordo UE-Mercosul

Claudia Jaguaribe lança livros de fotografia sobre mulheres e meio ambiente em Paris

“Atualidade política e social do Brasil me inspirou”, diz Flávia Coelho sobre disco DNA

“Leiam escritores brasileiros vivos!”, pede Fred Di Giacomo, finalista do Prêmio SP de Literatura

Mestre da Arte Óptica, Marcos Marin expõe em Paris obras de Neymar e Santos Dumont

Curador expõe fotógrafos brasileiros da nova coleção da Biblioteca Nacional da França em "Terra Brasilis"

Palcos europeus recebem pela primeira vez a música-poesia de Arthur Nogueira

Revelação do violão brasileiro, João Camarero leva sofisticação do choro a plateias europeias

Do interior do Amazonas a digital influencer premiada em Mônaco: a história de Cacau Sitruk

Duo franco-brasileiro lança disco que mistura “Trem das Onze” e Erik Satie

“Meu trabalho é pela pacificação”, diz pintora brasileira que expõe em Paris

Luiza Brunet diz que “toda mulher é feminista”: “apanhar aos 50 foi gota d’água”

Feira de Frankfurt: “Brasil é o país das impossibilidades”, diz Luiz Ruffato

“Se não tomarmos cuidado, fotografo um mundo em extinção”, diz Sebastião Salgado em Frankfurt

Barbara Paz: Documentário premiado em Veneza é seu “filho-filme” com Babenco