rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Cineasta franco-suíço apresenta filme sobre a busca por entrevista com João Gilberto

Rui Martins, especial de Locarno

Este ano, o Festival Internacional de Cinema de Locarno, na Suíça, abre espaço para a vida e a obra de um dos ídolos da bossa nova. O filme “Onde está João Gilberto” conta a busca do diretor George Gachot por uma entrevista com o artista brasileiro.

Muitas vezes o cineasta franco-suíço pediu o apoio de seus amigos músicos brasileiros para lhe ajudarem a encontrar João Gilberto, mas sem sucesso. O criador da bossa nova, afinal, sempre rejeitou pedidos de entrevistas, mesmo da grande mídia brasileira. “Durante esse trabalho, viajando pelo Brasil, tentei várias vezes encontrar o João Gilberto porque gosto muito dele e porque, para mim, ele tem a perfeição. Seu ritmo e sua maneira de tocar o violão muito me impressionam," diz o diretor.

Essa é mais uma etapa do trabalho de Georges Gachot, que já dedicou outros títulos à música brasileira. "Meu trabalho com a música brasileira começou em 2003 com um filme sobre a Maria Bethânia com o nome Música e Perfume. Depois, meu segundo filme, Rio Sonata, foi com a Nana Caimmy e o terceiro foi O Samba, com o Martinho da Vila”, completa.

A dificuldade do projeto não o demoveu desse sonho. "Eu sabia que o João Gilberto era muito complicado, que chegava a parar shows por haver ventilação muito forte na sala ou por ter o violão desafinado, mas eu estava acostumado a trabalhar com artistas complicados. Foi o caso da minha primeira entrevista com Marta Angerich, a conhecida virtuose pianista argentina. Mas com João Gilberto nunca consegui”, conta. "Até que um dia, eu achei na Alemanha um livro do Marc Fischer, que tentou encontrar João Gilberto. Ele falou com o Carlos Lira, com o João Donato, com todos as pessoas mais próximas ao João Gilberto, retornando à Berlim sem ter encontrado o compositor. O livro é muito engraçado porque ele escreveu como se fosse uma pesquisa ou investigação, fazendo-se como um Sherlock Holmes. É um livro muito pessoal", explica

E foi nesse livro que Gachot se inspirou para fazer o filme. "A pista que Marc Fischer me deixou era muito boa e o livro muito bem escrito. Uso os mesmos textos do livro para narrar o meu filme e me faço de Marc Fischer para dar ainda mais autenticidade, como se ele pudesse chegar ao seu objetivo, que era o de ouvir Obalalá cantado e tocado para ele".

Onde está João Gilberto é uma investigação quase policial, como a busca de um homem procurado, mas difícil de se encontrar. O personagem vai a Diamantina, em Minas Gerais, até à procura do famoso banheiro onde João Gilberto se fechava e ficava tocando de madrugada e onde, dizem, criou a bossa nova, as primeiras composições daquele famoso LP branco. E vai também ao Rio de Janeiro encontrar com Miúcha e amigos de João Gilberto, que mostram os lugares que ele costumava frequentar. E nisso, com a fotografia das ruas de Ipanema, da praia, dos encontros nos sebos, nas livrarias, nas casas de discos e com populares, aparece a beleza da Cidade Maravilhosa como cartão postal.

Na impossibilidade de chegar a João Gilberto, Georges Gachot tem agora como objetivo fazer um filme sobre Caetano Veloso.

“Uso da religião está sendo deturpado nas eleições", diz médium Divaldo Franco

“Minha música é um engajamento pela liberdade”, diz gaúcho radicado na França

“Apenas distanciamento histórico vai explicar o que deu errado no Brasil”, diz cineasta Filipe Galvon

"Brasileiros querem coisas novas, mesmo que elas piorem para depois melhorar", diz Luiz Olavo Baptista

Jussara Korngold: "Brasileiros contribuiram para entrada do espiritismo nos EUA"

Documentário sobre ocupação do prédio do IBGE durante Rio 2016 é lançado na França

“Brasil virou um território da burrice”, diz escritor Bernardo Carvalho

“Há uma crença de que um regime mais militarizado colocaria ordem no Brasil”, diz historiadora da USP

Campanha da extrema direita mergulha Brasil em momento regressivo, diz especialista em segurança

"Faremos políticas públicas de alto impacto e baixo custo", diz cocandidata da Bancada Ativista de SP

Bolsonaro é produto de "avacalhação" da democracia brasileira, diz analista

Tudo o que você precisa saber para votar nas eleições brasileiras de 2018 em Paris

“Eu quis mostrar o ciclo criminoso que persiste no sertão brasileiro”, diz cineasta Eduardo Morotó em Biarritz

“Era inimaginável ver alguém defendendo a volta da ditadura, como hoje no Brasil”, diz a cineasta Flávia Castro

“Bolsonaro representa a banda podre do Brasil”, diz cartunista Adão Iturrusgarai

Bela Gil em festival Slow Food na Itália: “É importante conhecer quem produz o alimento”

Sabores do Brasil recebe “30% de brasileiros saudosos e 70% de franceses curiosos” em Paris

Inimigo no fascismo brasileiro é o pobre, diz pesquisadora do voto em Bolsonaro