rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Ilustradora Suppa e Miguel Falabella criam canal no Youtube para crianças de todas as idades

Por Silvano Mendes

Foi-se o tempo em que as crianças se contentavam em assistir desenhos animados na televisão. Principalmente diante da oferta crescente de conteúdos dirigidos para a nova geração de internautas. Um dos projetos que vem conquistando os pequenos no Brasil é o Canal da Charlotte, criado no Youtube pela ilustradora e artista plástica Vivian Suppa junto com o ator, diretor e escritor Miguel Falabella.

O projeto nasceu a partir do livro Os Óculos Mágicos de Charlotte, lançado por Suppa pelaeditora Callis, em 2016. Na obra, a personagem principal – inspirada na filha da autora – consegue, graças ao acessório que dá título ao livro, ver o mundo como deveria ser, e não como ele é. Diante do sucesso, Suppa, amiga de longa data de Falabella, decidiu transformar a história em um desenho animado.

“Conheço Miguel há 20 anos e sempre sonhamos em fazer um projeto juntos. Eu queria que ele escrevesse um livro para eu ilustrar, mas nunca conseguíamos, pois ele trabalha enormemente. Mas quando eu mostrei o livro, ele adorou a ideia”, conta a autora, de passagem por Paris. Desde então, os dois trabalham a quatro mãos e o ator não poupa esforços. Falabella é roteirista, escreve as canções de alguns episódios e faz até a voz de Pelusso, um cachorro meio filósofo que ajuda Charlotte a resolver seus problemas.

A particularidade dos programas, que duram menos de 5 minutos cada, é que as crianças “interagem” com a personagem principal, enviando questões e mostrando problemas nos locais onde vivem. Pois além de ter uma dimensão pedagógica (como nas canções sobre as expressões mágicas: “Com licença, por favor e muito obrigado”), os vídeos tentam desenvolver uma consciência cidadã nas crianças. Em alguns deles, por exemplos, os pequenos internautas denunciam a sujeira nas ruas do bairro.

O Canal da Charlotte tem um programa novo por semana e a autora, que já morou na França, não descarta uma internacionalização do projeto, disponível atualmente apenas em português. “Charlotte já tem um nome francês, então gostaria muito que ela tivesse uma versão francesa”, almeja Suppa.

"João Gilberto sintetizou o samba", diz Bernardo Lobo ao homenagear compositor em Paris

Em Paris, soprano brasileira Camila Titinger canta na ópera Don Giovanni

Artista plástico Oscar Oiwa expõe em Paris obras de três cidades ligadas pelas Olimpíadas

Revista Vesta discute os desafios das adoções que “não dão certo”

Série sobre índios da Amazônia rende prêmio a fotógrafa brasileira em Perpignan

Artista plástica radicada na França, Janice Melhem Santos exibe coletânea de obras

“Democracia brasileira está sendo golpeada por dentro”, diz, em Genebra, representante da OAB

"O maior problema da Amazônia é a impunidade”, diz fotógrafo italiano premiado por trabalho na região

Empresárias brasileiras visitam Paris para se “reconectarem com seu lado feminino”

Documentário da franco-brasileira Véronique Ballot revisita primeiro encontro entre índios e brancos no Brasil

Miriam Grossi: Cortes de bolsas da Capes podem levar pesquisadores a deixar o Brasil

“O Brasil sempre vai estar presente no meu jeito de fazer música”, diz cantora de jazz Agathe Iracema

Para grupo Brasileiras de Paris, misoginia de Bolsonaro não começou com Brigitte Macron, mas com Dilma

Sem mudança ambiental “radical”, perspectiva é “muito pessimista” para o agronegócio do Brasil

Afastamento de França e Brasil vem desde o impeachment, lembra cientista político

Banda Natiruts lota casa de shows em Paris com 'I love', "ampliando raízes" do reggae

Livro de brasileira radicada em Paris desmistifica glamour da capital francesa