rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Ruínas do Convento do Carmo em Lisboa viram cinema a céu aberto

Por Silvano Mendes

Entre os dias 20 de agosto e 1° de setembro as ruínas do Convento do Carmo, em Lisboa, se transformam em um verdadeiro cinema a céu aberto. Pelo segundo ano consecutivo, o monumento acolhe um ciclo de filmes, vindos do mundo todo, entre eles o brasileiro Aquarius.

O ciclo é organizado pela Filmin, uma plataforma portuguesa de vídeo on demand dedicada ao cinema independente, que se associa ao Museu Arqueológico do Carmo, onde se encontra o monumento. Os filmes são projetados ao cair da noite, às 21h30, entre as colunas das emblemáticas ruínas da Igreja do Carmo.

“O ano passado foi um sucesso além das nossas expectativas, então este ano passamos de uma semana para duas semanas de programação”, celebra Stefano Savio, responsável pela Filmin. Além disso, os organizadores estão prevendo uma capacidade maior, pois na edição anterior muita gente ficou do lado de fora, já que o número de lugares é limitado. “Por isso aconselho que comprem os bilhetes com antecedência”, alerta o produtor. Os ingressos estão disponíveis em sites de venda pela internet, como a Fnac.

A programação é eclética e começa com o filme português “Peregrinação”, de João Botelho, que estará presente na projeção, assim como os diretores de “Com amor, Van Gogh”, Dorota Kobiela e Hugh Welchman. Fazem ainda parte da lista “Uma mulher fantástica”, de Sebatián Lelio, “O dia mais feliz da vida de Olli Mäki”, de Juho Kuosmanen, e “O sacrifício do cervo sagrado”, de Yorgos Lanthimos, entre outros.

Aquarius, reflexo da especulação imobiliária em Portugal

O Brasil é representado por “Aquarius”, de Kléber Mendonça. “É um filme forte e interessante, que fala de uma temática muito atual em Lisboa e Portugal”, comenta Savio, em alusão à especulação imobiliária denunciada atualmente no mercado português e que, de uma certa maneira, se reflete na história da personagem Clara, interpretada por Sonia Braga.  

A Filmin propõe em seu catálogo filmes que têm vocação a serem assistidos em casa, na tela do computador. Mas Savio ressalta a importância das projeções em telonas. Talvez por essa razão o ciclo termine com “Cinema Paradiso”, filme franco-italiano de Giuseppe Tornatore, que fala justamente do dilema das salas de projeção em um momento de transformação na maneira de apreciar a 7ª arte.

Apoiar oposição a Maduro é ingênuo e perigoso, diz especialista da Unicamp

"Estrela no Guia Michelin brinda a amizade franco-brasileira”, diz chef Raphaël Rego

Brasil é país que mais cai em relatório sobre competitividade divulgado em Davos

“Europeu gosta de música brasileira com contexto histórico”, diz cantor Mario Bakuna

Decreto de Bolsonaro sobre armas trará mais violência, alerta Instituto Sou da Paz

"Bolsonaro afeta a imagem do Brasil", diz Fernando Henrique Cardoso em Paris

“Bolívia deu uma lição de moral no Brasil ao extraditar Battisti”, diz ex-deputada ítalo-brasileira

“Passamos 80% do nosso tempo negociando”, diz criador de novo método de negociação e gestão de conflito

Brasil será interlocutor dos EUA nas relações com Maduro, aponta pesquisador

Especialista da UFMG sobre política do novo governo: “No Brasil, índio bom é índio morto”

Relações entre Brasil e França vão se deteriorar com política ambiental de Bolsonaro, diz pesquisador

Pianista brasileiro investe no Tango para seu primeiro concerto parisiense

“Com FUNAI já era difícil demarcar terras indígenas, com ruralistas será mais complicado” diz ativista de ONG

Projeto político de Bolsonaro cria desconfiança na Europa, diz historiadora francesa

"Congresso muito fragmentado será obstáculo para governo Bolsonaro", diz professor da UERJ

“Bolsonaro começa mandato pressionado e tem três meses para mostrar a que veio”, diz especialista em economia.

Autora brasileira radicada na França lança livro de memórias de viagens na Amazônia

"Intervenção federal no RJ também foi marcada pela falta de transparência e respostas sobre violações", diz coordenador de Observatório

Direitos Humanos no Brasil: perspectivas para 2019 são preocupantes, diz advogada da OAB