rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Cantor Renato Fagundes traz a Paris tradição e modernidade da cultura gaúcha

Por Elcio Ramalho

Músico, cantor e compositor, Renato Fagundes está na programação da 6ª edição do Festival do Rio Grande do Sul de Paris. Em sua primeira apresentação na França, o gaúcho terá a ocasião de mostrar um trabalho que mistura ritmos tradicionais regionais com um toque de harmonia contemporânea.

Criado dentro de um ambiental musical, Renato começou a tocar violão aos 9 anos de idade, e sempre teve como influência as tradições locais. Em Paris, ele mostrará o repertório de seu primeiro CD, Assoviando a milonga, lançado em 2016.

“A ideia é manter a preservação da cultura regional do Rio Grande do Sul, dos ritmos tradicionais, mas com uma roupagem moderna e contemporânea para manter a cultura regional, mas numa nova linguagem para que as novas gerações possam também desfrutar”, diz o porto-alegrense que vive em Eldorado do Sul.

A produção do disco, assinada com o irmão Antonio Flores, traz um conjunto de canções próprias e de outros compositores que se inspiram na chamada “música de raiz”. “Aconteceu naturalmente, de sempre ouvir desde criança e estar ligado à cultura de raiz gauchesca e ouvir outras coisas, e misturar isso. Foi intuitivo”, destaca.  

“A aceitação é legal, tanto para quem gosta de música de raiz, quanto para os que estão descobrindo agora a musicalidade gauchesca. O que procurei fazer foi preservar os ritmos regionalistas da região do pampa e trazer harmonias contemporâneas”, acrescenta.

Programa de rádio e cavalgadas

Além de shows em rodeios, bares e centros de tradição gaúcha, Renato também divulga a cultura de sua região em programas de rádio. Ele anima o programa Gauchesco brasileiro, que atinge todos os estados da região sul, além das fronteiras com o Uruguai e Argentina.

“A aceitação é muito grande. Cada vez mais rádios se interessam em consumir a cultura do Rio Grande do Sul”, garante.

Renato Fagundes ainda é vice-presidente do Instituto dos Cavaleiros Farroupilha, uma associação criada para promover atividades culturais e cavalgadas em trilhas na região sul.

Ele segue os passos de seu pai, Dorotéo Fagundes, que há 26 anos começou a fazer as cavalgadas farroupilhas, um evento que inclue uma série de atividades visando preservar a história regional. Os participantes percorrem a cavalo trilhas históricas, sempre homenageando uma personalidade relevante para a história gaúcha e dos pampas. Este ano o grupo homenageou Aimé Bonpland, filantropo, médico e botânico francês que viveu na Argentina e no Brasil. “Cavalgamos com os familiares desse importante personagem para a cultura do sul e dos pampas”, lembrou.

 

“PT não promoveu alfabetização política no Brasil”, diz Frei Betto

Cineasta Marcelo Novais lança em Paris um “diário íntimo de uma geração”

Incêndios e barricadas substituíram greves como forma de protesto na França, diz especialista

Representante dos delegados da Polícia Federal diz ser contra banalização das armas no Brasil

Lia Rodrigues volta à Paris com “Fúria”, coreografia com moradores da favela da Maré

Militares nomeados por Bolsonaro são mais moderados do que ministros, diz Leonardo Sakamoto

“Comunidade internacional espera responsabilidade ambiental do Brasil”, diz especialista

“Muita gente procurava uma confeitaria menos doce”, diz chef francês radicado em Brasília

Paris recebe Bazar de Natal com artesanato de mulheres de favelas cariocas

Fotógrafo brasileiro lembra 30 anos da morte de Chico Mendes com exposição em Paris

Músicos Francis e Olivia Hime homenageiam Vinicius de Moraes na França

“Ser estrangeiro me fez escritor”, diz Natan Barreto, que lança livro de poesias em Paris

“Discurso de Bolsonaro legitima ‘direito de matar’”, afirma professora da Universidade de Brasília

Ex-ambulante brasileiro fala para 400 estudantes na Europa: “Seja parte da solução, não do problema”

“Romances em quadrinhos estão em momento especial”, diz ilustradora Luli Penna

“Sociedade civil é quem vai mudar o Brasil”, diz empresária Luiza Trajano em Paris

“É preciso regulação para que investigações sobre fake news não demorem anos”, diz especialista