rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Cultura
rss itunes

Em Paris, o artista travesti Grayson Perry discute a sexualidade através de obras de arte

Por Patricia Moribe

Grayson Perry, 58 anos, um dos artistas mais conceituados da cena britânica, ganha uma retrospectiva na Monnaie de Paris, antiga Casa da Moeda.  São cerâmicas, tapeçarias gigantes, esculturas, fotos, quadros... Ele também escreve livros e é um documentarista premiado. Um artista plural, um observador perspicaz da sociedade, principalmente a britânica, cujos preconceitos, tradições e idiossincrasias aparecem com frequência na obra de Perry.

Em 2003, Perry ganhou o prêmio britânico Turner, um dos mais importantes do mundo das artes plásticas. Ele subiu ao palco transvestido em Claire, com um vestido curto lilás cheio de frufrus, laçarote no cabelo e sapato vermelho de verniz. Na plateia, estavam sua mulher e sua filha.

The Upper Class at Bay,2012,Wool.jpg GraysonPerry/courtesy the artist and victoria Miro, London/Venic

“Quando ganhei o prêmio Turner, um jornalista me perguntou se eu era um artista sério ou um cara engraçado?”, conta Perry em uma entrevista de TV. “Não acho que sou o primeiro artista engraçado do mundo. Ou que é travesti. Eram como se fossem qualidades incompatíveis e resolvi adotar isso. Sou ambos e vocês vão ter que aceitar isso!”, diz.

Masculinidade virada do avesso

Heterossexual, mas travesti desde pequeno, a sexualidade é um tema predominante. A masculinidade é virada do avesso e questionada a todo momento. Ele conta, no vídeo que acompanha a exposição.

“Gênero – o que define um homem ou uma mulher – sempre me interessou, por eu ser um transvesti. Eu era muito safadinho, desde pequeno. Quando eu me vesti de anjo Gabriel, na escola, foi uma revelação sexual, tive uma fantasia a respeito de me vestir como uma mulher. Um dia vi uma reportagem sobre transvestis num jornal tabloide e pensei. Oh Meu Deus, tem outros como eu. Nesse momento eu soube que era um e foi interessante. Mantive isso em segredo, não era algo para contar vantagem, só sai do armário na escola de artes e daí virou uma quase vantagem”.

Kenilwort AM1,2010Custom-built motorcycle GraysonPerry/courtesy the artist and victoria Miro, London/Venic

Cerâmicas fálicas

Grayson Perry é conhecido principalmente por suas cerâmicas, cujas formas remetem à antiguidade e tradições, mas decoradas com colagens, imagens fálicas e demoníacas:

“Eu não sabia que a cerâmica ia se tornar meu material de referência, pelo menos me colocou no caminho para se trabalhar a tradição. Imediatamente eu dialogava com outros períodos e artistas. Ainda hoje faço isso, com qualquer material que eu esteja trabalhando. Vou muito a museus para me inspirar. Nunca busquei a originalidade. Eu copio algo e deixo algum defeito. Daí vira algo novo”, explica rindo, na entrevista veiculada na Monnaie, de Paris.

Daniel Galera lança na França romance apocalíptico "Meia-noite e vinte"

Crise de refugiados é tema de espetáculo em festival de marionetes em Paris

Com jurados brasileiros, "Queer Palm" chega na sua 10ª edição em Cannes

Mostra em Paris propõe imersão nas emoções do amor à primeira vista

Apartamento parisiense de Le Corbusier é um marco da arquitetura moderna

Paris acolhe 1ª exposição de esculturas híbridas e sensuais da brasileira Erika Verzutti

Atelier des Lumières revisita Van Gogh em mostra digital e atrai multidões em Paris

Animação The Tower conta saga de menina palestina em campo de refugiados no Líbano

Biblioteca digital revela 500 anos da relação entre a França e o Brasil

Polêmica sobre apropriação cultural marca nova criação do Théâtre du Soleil

De Tutancâmon à Lua, temporada das artes em Paris revisita civilizações em 2019