rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Apesar dos retrocessos no país, literatura brasileira vive um bom momento, avalia Henrique Rodrigues

Por Adriana Brandão

“Previsões para ontem”, este é o título instigante do livro de poesias que o escritor carioca Henrique Rodrigues está lançando em várias cidades europeias. Ele já passou por Londres, está agora em Paris, antes de seguir para o interior da França, Bruxelas, Pontevedra e Lisboa. Além de autor, Henrique Rodrigues coordena o importante Prêmio Sesc de Literatura, e diz, nesta entrevista à RFI, que apesar da “onda de retrocesso” hoje no Brasil, a “literatura brasileira vive um momento muito rico”.

*Assista abaixo, no fim do texto, o vídeo completo com a entrevista.

Henrique Rogrigues tem 13 livros publicados no Brasil. Ele navega por vários gêneros literários: poesia, literatura infanto-juvenil, conto e romance. Seu último trabalho, “Previsões para ontem”, editado pela Cousa, marca sua volta à poesia, 13 anos depois de sua primeira obra, “A musa diluída”.

À RFI, ele explicou que este é um livro político: “Estes momentos da nossa vida pública me instigaram a voltar à poesia, que me pareceu a forma mais adequada para dizer algumas coisas que preciso dizer”.

O título, tirado de um verso, resume, segundo ele, “o sentimento de ‘déjà-vu’ que temos. Parece que estamos andando para trás em alguns aspectos. Tanto na esfera pública, quanto na privada. As pessoas estão todas armadas, muito agressivas, algo que me parece uma onda de retrocesso”.

Otimismo

Apesar da inquietação com essa falta de perspectiva da sociedade, Henrique Rodrigues não perde por completo o otimismo. Um de seus versos ilustra bem essa dualidade: “O Rio de Janeiro/15 assassinatos/por dia/e 130 saraus/de poesia/se eu me chamasse Raimundo/uma rima/e um solucinho”.

O escritor, que também é coordenador do Prêmio Sesc de Literatura, diz, sem hesitar, que a literatura brasileira vai bem e “vive, já há alguns anos, um momento muito rico, muito produtivo, muito diverso”. O prêmio Sesc, que desde 2003 revela dois jovens autores brasileiros por ano, nas categorias conto e romance, teve neste ano quase duas mil inscrições, um recorde. “Apesar de tudo, a gente nota o desejo de muita gente de ingressar na carreira literária. Eu acho que a busca pela literatura mostra também uma vontade de questionar isso tudo. A literatura é um bom caminho para a gente reler e reescrever a realidade. Nem tudo está perdido!”, avalia.

Para ele, o que explica o pequeno número de leitores regulares no Brasil é que “a sociedade brasileira não foi educada em escala para valorizar os bens culturais. Todo mundo diz que o livro é caro, mas não diz que o celular é caro. É uma questão de valores e é isso que precisa ser trabalhado na raiz”.

Visibilidade internacional

Henrique Rodrigues tem um livro traduzido na França. Seu primeiro romance, “O próximo da fila”, foi publicado no ano passado pela editora Anacaona com o título de “Au suivant”. Ele veio à França participar do lançamento e achou a recepção do público francês "muito interessante".

Mas, no geral, “a visibilidade internacional da literatura brasileira ainda é muito restrita a um público lusófono”, avalia o escritor, que pede mais esforços e investimentos, público e privado, para divulgar a vasta e diversa produção literária nacional no exterior. A falta de visibilidade está inserida em um problema maior que é “o entendimento do que é o Brasil, suas manifestações culturais, sua literatura”. E essa falta de conhecimento vale também no próprio país: “O Brasil não se conhece, não conhece muito da sua própria produção que se concentra em alguns centros. A gente tem muito que construir”.

 

Hong Kong: Impacto internacional limita riscos de novo massacre pela China, diz professor

Brasileiro propõe Notre-Dame com cobertura leve em vitrais: “Risco estrutural é real”

“Somos seres humanos como Bolsonaro”, diz índio brasileiro no Festival de Locarno

“Países que praticaram políticas de privatização do ensino nunca chegaram a esse nível”, diz professora da Unirio, que participa do protesto pela educação no Brasil

Após turnê europeia, cantor Dienis retorna ao Brasil com “Lua Cheia”

Filme de brasileira concorre a prêmio no Festival de Locarno tocando em feridas abertas da colonização amazônica

Paulo Artaxo: limitar aquecimento global a 2°C é “praticamente impossível”

Não há risco de epidemia de malária vinda da Venezuela, mas de sarampo sim

Brasil vive "tentativa de imbecilização coletiva”, diz filósofo português

Arles: festival de fotografia mostra trabalho de Pedro Kuperman e indígenas Ashaninka, do Acre

“Aliança militar com EUA é coerente com projeto de submissão do Brasil”, diz pesquisador da UNESP

Ao dar "bolo" em chanceler francês, Bolsonaro mostra que não tem postura de presidente, analisa cientista político

“O sistema judiciário se tornou espaço de disputas políticas”, diz juiz Rubens Casara

Discurso de governo para explorar terras indígenas legitima invasões, alerta organização indigenista

“A sociedade diz todos os dias como uma mulher negra tem que se comportar”, afirma cantora Tássia Reis, em turnê na Europa

Demônios da Garoa se apresenta pela primeira vez na Europa em festival que homenageia São Paulo

“Workaholic”, Balzac tinha a pulsão de retratar a França do século 19, diz pesquisadora

“Foi o jornalismo que me preparou para a música”, diz a cantora Letícia Maura