rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

“Acredito na resiliência do setor cultural”, diz assessor da Ancine sobre riscos para fomento

Por Elcio Ramalho

O 2° Fórum do Audiovisual França Brasil programado para esta terça-feira (16), em Paris, será a ocasião para celebrar os 50 anos da assinatura do acordo de cooperação entre os dois países e discutir o futuro dessa parceria para coproduções.

Representante do Brasil no evento, o assessor da Direção da Ancine, Daniel Tonacci, vai se reunir com produtores, diretores e representantes do setor audiovisual francês para falar do panorama da criação brasileira e de suas perspectivas em um cenário de mudanças.

“O mercado da economia criativa do Brasil representa atualmente 2,6% do PIB do Brasil, sendo 0,64% pelo setor audiovisual. São cerca de 13 mil empresas gerando cerca de 385 mil empresas. É um setor que movimenta R$44 bilhões por ano e que cresce entre 8 e 9% ao ano”, afirma Tonacci ao exibir o dinamismo do setor cultural.

Além dos números, Tonacci  terá a ocasião de explicar a reestruturação em curso na Agência visando o desenvolvimento da política de internacionalização da produção audiovisual.

O acordo bilateral entre França e Brasil vigora até o momento para o cinema, mas há intenção de estendê-lo para a televisão quando for renovado.

“O acordo facilita as condições de coprodução, o que significa que obras feita em parceria com os franceses possam ter acesso à recursos do Fundo Setorial do Audiovisual”.  No entanto, é preciso da aprovação do Congresso Nacional para o acordo se estender à área televisiva, mas ainda não tem previsão para a matéria ser votada pelos parlamentares.

Riscos de cortes para o fomento

O evento também vai permitir ao assessor da Ancine atualizar os franceses sobre mudanças no Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) que, segundo ele, visam tornar o mecanismo de financiamento mais objetivo em relação aos critérios de seleção e mais previsível no cronograma de execução e contratação. 

Na entrevista à RFI Brasil, o especialista não descarta um risco de diminuição do fomento à produção audiovisual do país no momento em que a Ancine passa por um período de adaptação ao novo ciclo político e às exigências manifestadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU) de uma melhoria de gestão para garantir que os projetos continuem sendo financiados e aprovados por meio de acordos.

“Acho que existe uma possibilidade de modulação (da atividade de fomento). Existe uma preocupação fundamentada sobre o que pode ocorrer a partir deste acórdão do TCU. Essa não é uma questão nova, da capacidade da agência de operacionalizar sua prestação de contas. Foi dada uma solução que está sendo questionada hoje. Mas a previsão que a gente tem é que seja resolvido com o mínimo de impacto possível”, afirma.

Segundo Tonacci, o debate vai ser focado em discussões sobre uma eventual redução do volume de recursos a partir de critérios técnicos e operacionais. “Mas a perspectiva não é de uma redução de recursos”, garante.

O problema será adaptar o mecanismo atual com as diretrizes do novo governo que manifesta outras prioridades nas áreas de economia e gestão.   

“O que impacta mais é o peso do fomento estatal na produção cultural. O risco é esse. A produção cultural é muito dependente do fomento estatal, mas ela tem vida própria. Acredito na resiliência do setor cultural como um todo. O que estamos tentando construir é o menor impacto possível a partir das mudanças que estamos vendo agora”, diz.

 

Hong Kong: Impacto internacional limita riscos de novo massacre pela China, diz professor

Brasileiro propõe Notre-Dame com cobertura leve em vitrais: “Risco estrutural é real”

“Somos seres humanos como Bolsonaro”, diz índio brasileiro no Festival de Locarno

“Países que praticaram políticas de privatização do ensino nunca chegaram a esse nível”, diz professora da Unirio, que participa do protesto pela educação no Brasil

Após turnê europeia, cantor Dienis retorna ao Brasil com “Lua Cheia”

Filme de brasileira concorre a prêmio no Festival de Locarno tocando em feridas abertas da colonização amazônica

Paulo Artaxo: limitar aquecimento global a 2°C é “praticamente impossível”

Não há risco de epidemia de malária vinda da Venezuela, mas de sarampo sim

Brasil vive "tentativa de imbecilização coletiva”, diz filósofo português

Arles: festival de fotografia mostra trabalho de Pedro Kuperman e indígenas Ashaninka, do Acre

“Aliança militar com EUA é coerente com projeto de submissão do Brasil”, diz pesquisador da UNESP

Ao dar "bolo" em chanceler francês, Bolsonaro mostra que não tem postura de presidente, analisa cientista político

“O sistema judiciário se tornou espaço de disputas políticas”, diz juiz Rubens Casara

Discurso de governo para explorar terras indígenas legitima invasões, alerta organização indigenista

“A sociedade diz todos os dias como uma mulher negra tem que se comportar”, afirma cantora Tássia Reis, em turnê na Europa

Demônios da Garoa se apresenta pela primeira vez na Europa em festival que homenageia São Paulo

“Workaholic”, Balzac tinha a pulsão de retratar a França do século 19, diz pesquisadora

“Foi o jornalismo que me preparou para a música”, diz a cantora Letícia Maura