rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Ministro francês acusado de esbanjar dinheiro renuncia

Festival de Cannes Cinema brasileiro Cultura Cannes 2019

Publicado em • Modificado em

Brasil tem mais um representante no Festival de Cannes, com “Sem seu sangue”

media
"Sem Seu Sangue", primeiro longa de Alice Furtado, concorre em Cannes. Felipe Quintelas

Foi divulgada nessa terça-feira (23), em Paris, a seleção da Quinzena dos Realizadores, mostra paralela do Festival de Cinema de Cannes, que acontece de 14 a 25 de maio. O brasileiro “Sem seu sangue”, da carioca Alice Furtado, faz parte dos filmes escolhidos.


“Sem seu sangue”, apresentado no exterior com o título “Sick, Sick, Sick”, é o primeiro longa de Alice Furtado. “Foi uma grande aposta, minha e da equipe inteira, e um longo processo de muito trabalho também. É muita satisfação saber que a Quinzena acredita no filme e quer levá-lo ao encontro de um público atento como o de Cannes”, declarou a diretora, após o anúncio da seleção. “Estou muito feliz e ansiosa, também para que conheçam o belo trabalho do nosso elenco, a maioria se apresentando lá pela primeira vez”, completou. 

O filme conta a história de Silvia (Luiza Kosovski), uma adolescente introspectiva que vê em Arthur (Juan Paiva), um jovem hemofílico recém chegado em sua turma, um motivo para se sentir viva. Mas a relação dos dois será transformada por um grave acidente. 

Alice Furtado já tem uma relação com Cannes, do qual participou em 2011 com o curta “Duelo antes da noite” do Cinéfondation, programa que reúne a cada ano filmes enviados por faculdades de cinema do mundo todo. Agora, na Quinzena, ela compete em uma mostra que ajudou a revelar para o grande público nomes como George Lucas, Ken Loach ou ainda Spike Lee. 

A lista dos 26 longas desse ano conta com alguns nomes já consagrados, como o francês Bertrand Bonello, que fará a estreia mundial de “Zombi Child”. 

América Latina bem representada

Do lado latino-americano, concorrem “Canción sin nombre”, da peruana Melina León, e “Por el dinero”, do argentino Alejo Moguillansky. “A Quinzena dos Realizadores também tem o papel de fazer existir novos diretores”, lembrou Paolo Moretti, que dirige a seleção da mostra, ao divulgar a seleção. O italiano estreia esse ano à frente da programação da Quinzena. 

“Sem seu sangue” se junta assim à seleção de filmes brasileiros que participam dessa 72° edição do Festival de Cannes. Além de Alice Furtado, Juliano Dornelles e Kleber Mendonça disputam a Palma de Ouro com “Bacurau” e Karim Aïnouz concorre na mostra Un Certain Regard (Um certo olhar), com “A vida invisível de Eurídice Gusmão”. 

O Brasil também estará presente com “O Traidor”, uma coprodução brasileira dirigida pelo italiano Marco Bellocchio, que concorre à Palma de Ouro. Sem esquecer de Rodrigo Teixeira, produtor brasileiro do esperado “The lighthouse”, do americano Robert Eggers.

A Quinzena homenageia esse ano John Carpenter, que receberá o troféu Carroça de Ouro. A programação terá ainda com a esperada projeção de “The Staggering”, novo projeto de Luca Guadagnino, com Julianne Moore. O italiano estreia em Cannes após o sucesso mundial de “Me chame pelo seu nome”, filme que também foi produzido por Rodrigo Teixeira.  

Seleção de longas da Quinzena dos Realizadores: 

“Alice et la mer”, de Nicolas Parisier (França)

“And then We danced”, de Levan Akin (Geórgia)

“The halt”, de Lav Diaz (Filipinas)

“Deerskin”, de Quentin Dupieux (França) Filme de abertura

“Dogs don’t wear pants”, de Jukka-Pekka Valkelpää (Finlândia)

“Canción sin nombre”, de Melina León (Peru)

“Ghost tropic”, de Bas Devos (Bélgica)

“Give me liberty”, de Kirill Mikhanovsky (EUA)

“First love”, de Takashi Miike (Japão)

“The Lighthouse”, de Robert Eggers (EUA)

“Lilian”, de Andreas Howath (Áustria)

“Oleg”, de Juris Kursietis (Letônia)

“On va tout péter”, de Lech Kowalski (França)

“The orphanage”, de Shahrbanoo Sadat (Dinamarca)

“Les particules”, de Blaise Harrison (Suíça)

“Por el dinero”, de Alejo Moguillanski (Argentina)

“Perdrix”, de Erwin Le Duc (França)

“Sem seu sangue”, de Alice Furtado (Brasil)

“Tlamess”, de Ala Edding Slim (Tunísia)

“To live to sing”, de Johnny Ma (China)

“Une vie facile”, de Rebecca Zlotowski (França)

“Wounds”, de Babak Anvari (EUA)

“Zombi child”, de Bertrand Bonello (França)

“Yves”, de Benôit Forgeard (França) Filme de encerramento