rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Do burlesco à modernidade, livro retraça percurso revolucionário da atriz Helena Ignez, musa do 'cinema marginal' brasileiro

Por Márcia Bechara

O pesquisador e professor da Unicamp, Pedro Guimarães, lançou na França, em co-autoria com Sandro de Oliveira, o livro Helena Ignez, actrice expérimentale (Helena Ignez, atriz experimental, em português), pelas edições Accra, da Universidade de Estrasburgo (leste). O livro explora o percurso cinematográfico da musa do cinema experimental brasileiro dos anos 1950 e 1960. Revolucionária, Helena Ignez imprimiu sua marca indelével e muito pessoal na história do cinema brasileiro, transformando para sempre as técnicas de atuação e de presença na película.

* Para ver a entrevista na íntegra, clique no vídeo ao fim da matéria

Segundo Pedro Guimarães, o livro Helena Ignez, actrice expérimentale é fruto de uma pesquisa acadêmica que ele desenvolve sobre atores brasileiros nos últimos cinco anos. "Na verdade, foi um convite da Universidade de Estrasburgo, depois de uma passagem minha como professor-convidado. Mostrei alguns filmes da Helena Ignez para professores e alunos e eles ficaram encantados, nunca tinham ouvido falar dessa atriz e acharam incrível o tipo de trabalho que ela fazia", conta.

O professor afirma que redirecionou seu trabalho de pesquisa sobre atores para o percurso de Helena Ignez. "O livro é fruto de um projeto de pesquisa financiado pela Fapesp, a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo e pela Capes, uma agência nacional de fomento. É importante frisar que estas duas agências impulsionam a pesquisa universitária e científica. É importante que elas continuem existindo e financiando esse tipo de trabalho, que leva o nome do Brasil para o mundo", diz.

Quem foi Helena Ignez?

"Helena Ignez é uma atriz brasileira, de teatro e de cinema, que começou sua carreira na década de 1950 e trabalhou com uma série de diretores como Gláuber Rocha, antes mesmo de chegar ao cinema marginal. A partir de 1968, com "O bandido da luz vermelha" [direção de Rogério Sganzerla, seu companheiro na época], Helena traçou um trabalho de atuação de corpo, de construção de uma persona, absolutamente inédito no Brasil e no mundo", relata o pesquisador.

"Costumo dizer que ela bebe nas fontes do cinema burlesco, do início de Chaplin e outros cineastas, passando pelas atrizes modernas dos anos 1950 e fazendo disso uma base de seu trabalho como atriz, mas indo muito além do que esses atores norte-americanos e europeus propuseram", afirma Guimarães.

"Helena se inscreve nessa modernidade cinematográfica, mas vai muito além, trabalhando com a realidade brasileira dos anos 1970, com a iconografia brasileira dos rituais africanos, numa relação muito clara com as artes plásticas e com o teatro do Brasil nesse período, ou seja, alguém muito antenada com seu tempo. Ela propõe uma atuação revolucionária no sentido de criação corporal, de empoderamento feminino. É uma atriz que não existe igual em nenhuma parte do mundo", diz.

Assista ao vídeo abaixo para ter acesso à entrevista completa sobre o percurso da musa Helena Ignez, suas características, referências e principais trabalhos.

Luiza Brunet diz que “toda mulher é feminista”: “apanhar aos 50 foi gota d’água”

Feira de Frankfurt: “Brasil é o país das impossibilidades”, diz Luiz Ruffato

“Se não tomarmos cuidado, fotografo um mundo em extinção”, diz Sebastião Salgado em Frankfurt

Barbara Paz: Documentário premiado em Veneza é seu “filho-filme” com Babenco

Conferência Internacional [SSEX BBOX] em Paris tem Jean Wyllys e Lea T na programação

Ao canonizar irmã Dulce, papa Francisco promove humanismo, diz biógrafo da religiosa brasileira

Brasil vendia imagem de país cordial, mas sempre foi autoritário, diz Lilia Schwarcz

"Descoberta mudou a física e a astronomia”, diz cientista brasileiro que pesquisou com novo Nobel

“Sucesso do cinema brasileiro não é acidente, foi plantado há vários anos”, diz Karim Ainouz

Da janela de um arranha-céu de Porto Alegre, Rodrigo John filma a “virada histórica” do Brasil de 2013 a 2018

“Desmonte da cultura é um verdadeiro pesadelo no Brasil” diz Julio Bressane, homenageado no Festival de Biarritz

“Surto de desmatamento na Amazônia se explica pela chegada do governo Bolsonaro”, diz cientista do INPA

Documentário sobre greve de caminhoneiros no Brasil é exibido em Paris

"Jacques Chirac vai ser lembrado como um bon vivant", diz escritor Gilles Lapouge

Violência no Brasil é fruto do aparato repressivo herdado da ditadura, diz filósofo Edson Teles

Festival 'Brésil en Mouvements' celebra 15 anos com 11 filmes inéditos e participação da família de Marielle Franco

Pesquisadores formam rede para divulgar acervos estrangeiros sobre cultura brasileira