rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Música Bossa Nova Morte

Publicado em • Modificado em

Imprensa europeia homenageia "gênio da Bossa Nova" após morte de João Gilberto

media
João Gilberto em show no Teatro Municipal do Rio, quando estava com 77 anos. Ari Versiani / AFP

O cantor e compositor João Gilberto morreu neste sábado (6), aos 88 anos, no Rio de Janeiro. A causa da morte ainda não foi divulgada. A notícia já tem repercussão na Europa. "A Bossa Nova perdeu seu pai", anuncia a rádio France Info, que toca a versão de "Garota de Ipanema" imortalizada na voz do violonista baiano, com letra de Vinicius de Moraes e Tom Jobim.


"Meu pai morreu. Sua luta foi nobre, ele tentou manter sua dignidade ao perder sua soberania", escreveu seu filho, João Marcelo, no Facebook.

O pai mais perfeccionista da Bossa Nova subiu nos maiores palcos mundo para seus shows de voz e violão. Entre suas muitas canções antológicas estão "Desafinado", "Garota de Ipanema", "Chega de saudade", "Rosa Morena", "Corcovado" e "Aquarela do Brasil". Entre os álbuns de sucesso estão Chega de Saudade (1959), O Amor, o Sorriso e a Flor (1960) e João Gilberto, de 1961. Entre 1976 e 1977, o artista gravou também o disco Amoroso. Na celebração de 60 anos da Bossa Nova, no ano passado, ele teve sua obra relançada no Brasil.

A rádio France Info refere-se à interpretação de "Garota de Ipanema" como uma gravação de importância "universal e intemporal". A voz do brasileiro ganhou espaço na programação noturna da emissora especializada em informação.  

No jornal Le Monde, a jornalista Véronique Mortaigne – uma das maiores especialistas em MPB na França – lembra que João Gilberto era um inveterado fumante de maconha, que inventou a Bossa Nova, "um gênero que está conosco há seis décadas e continua a se renovar, uma revolução proteiforme, presente em tudo o que é música, de elevador até em festa rave". Intérprete genial, prossegue a jornalista, ele compôs poucas músicas, salvo algumas em forma de onomatopeia, como Bim Bom, mas se apropriava de tudo, dando às canções um ritmo muito particular e sussurros sensuais. Sozinho no palco, com o pé em uma cadeira, João Gilberto escreveu grandes capítulos de música, como o Live at The 19th Montreux Jazz Festival, em 1986, recorda Mortaigne.

O jornal português "Público" relata que João Gilberto estava isolado e longe dos palcos há vários anos. "Nascido em Juazeiro, João Gilberto Prado Pereira de Oliveira [...] tornou-se um ícone não só da música brasileira como mundial ao dar sentido e rosto ao movimento Bossa Nova em finais dos anos 1950", observa o diário português. "Foi na batida do violão de João Gilberto que residiu o segredo do novo gênero musical", completa.

Disputa familiar

"O violonista, que iluminou o estilo musical que o Brasil mais tarde exportou para o mundo, vivia longe dos holofotes [...], corroído por dívidas e problemas familiares", destaca o diário espanhol El País.

Por anos, João Gilberto se viu envolvido em um conflito entre dois de seus três filhos, João Marcelo e Bebel Gilberto, também músicos, e sua última esposa, Cláudia Faissol, uma jornalista 40 anos mais nova que ele e mãe de sua filha adolescente. Bebel e João Marcelo acusam Cláudia Faissol de se aproveitar da fraqueza do pai e provocar sua ruína. No final de 2017, Bebel obteve sua tutela, quando já não podia cuidar de sua saúde e de suas finanças devido à sua fragilidade física e mental.

A maioria dos brasileiros o viram pela última vez em um vídeo em 2015, onde apareceu muito magro e de pijama cantando "Garota de Ipanema" para sua neta acompanhado de seu violão.