rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Imagens de monstros inspiram dupla portuguesa no Festival de Avignon

“Esplendor e Dismorfia” foi o nome do espetáculo apresentado pela dupla portuguesa Vera Mantero e Jonathan Uliel Saldanha na seção Vive le Sujet! do Festival de Avignon, que acontece no sul da França.

Voltada para obras experimentais, Vive le Sujet! impõe uma condição: que a obra em cartaz seja concebida por artistas de diferentes áreas e que nunca haviam trabalhado juntos.  

Coréografa e bailarina com longa experiência em dança contemporânea e performance, Vera Mantero se uniu a Jonathan Uliel Saldanha, apresentado pelo festival como construtor sonoro e cênico, para o desafio de criar um espetáculo transversal.  

“São universos muito próximos, apesar de algumas linguagens serem muito distintas e as formas diferentes. Mas temos ideias que são muito próximas, especialmente neste momento em que estamos com dificuldade de saber onde uma área artística começa e a outra acaba”, conta Jonathan.

“A experiência foi muita fluida, correu naturalmente. Nós dois temos um grande prazer em investigar textos, sons e imagens e o tema dos monstros e dismorfia nos interessa”, explicou Vera.

Vera MAntero, coreógrafa e performer. Foto: (c) TUNA

Além da concepção, a dupla interpreta e assina a decoração e os acessórios da performance inspirada nas imagens de monstros.

Dois corpos hipermusculosos, assexuados e com os rostos tapados dividem a cena entre passagens de vários textos, a começar pelo livro Paisagens com Argonautas, do poeta e dramaturgo alemão Henier Müller.

“O texto do início do espetáculo é um resumo de todos os monstros que um ser humano pode imaginar e compor”, explica Vera.  A obra de Müller também dialoga com enxertos de textos retirados de “O Monstro na arte ocidental”, do escritor e crítico de arte francês Gilbert Lascault.  “Temos a palavra, a fala no ar, fora de nós”, diz.

A dupla optou pelo simbolismo de corpos exagerados fisicamente que se movimentam em tempos distintos, ritmados por vozes e trilhas sonoras.

“Os dois corpos catalisam de forma diferente o que se passa ao longo do tempo. Um está mais em transformação e reorganização caótica dos impulsos daquilo que é atravessado neste tempo e o outro faz uma medida mais de cansaço”, explica Jonathan.

O construtor sonoro Jonathan Uliel Saldanha. Foto: (c) Carlos Melo Arquipelago – Centro de Artes Contemporane

Laboratório na Amazônia

Representante de Portugal na Bienal de Artes de São Paulo, em 2004, onde apresentou uma performance inserida em uma obra do escultor Rui Chaves, a coreógrafa Vera Mantero se prepara para voltar ao Brasil.

Ela participará do laboratório LabVerde, um programa de imersão de arte na Amazônia que acontece em uma reserva dentro da floresta. “Será um tempo de trabalho entre cientistas e artistas com o objetivo de criar relações entre as artes, ciências e questões ambientais”, explica, entusiasmada.

"Esplendor e Dismorfia" fica em cartaz no Festival de Avignon até 12 de julho.

Luiza Brunet diz que “toda mulher é feminista”: “apanhar aos 50 foi gota d’água”

Feira de Frankfurt: “Brasil é o país das impossibilidades”, diz Luiz Ruffato

“Se não tomarmos cuidado, fotografo um mundo em extinção”, diz Sebastião Salgado em Frankfurt

Barbara Paz: Documentário premiado em Veneza é seu “filho-filme” com Babenco

Conferência Internacional [SSEX BBOX] em Paris tem Jean Wyllys e Lea T na programação

Ao canonizar irmã Dulce, papa Francisco promove humanismo, diz biógrafo da religiosa brasileira

Brasil vendia imagem de país cordial, mas sempre foi autoritário, diz Lilia Schwarcz

"Descoberta mudou a física e a astronomia”, diz cientista brasileiro que pesquisou com novo Nobel

“Sucesso do cinema brasileiro não é acidente, foi plantado há vários anos”, diz Karim Ainouz

Da janela de um arranha-céu de Porto Alegre, Rodrigo John filma a “virada histórica” do Brasil de 2013 a 2018

“Desmonte da cultura é um verdadeiro pesadelo no Brasil” diz Julio Bressane, homenageado no Festival de Biarritz

“Surto de desmatamento na Amazônia se explica pela chegada do governo Bolsonaro”, diz cientista do INPA

Documentário sobre greve de caminhoneiros no Brasil é exibido em Paris

"Jacques Chirac vai ser lembrado como um bon vivant", diz escritor Gilles Lapouge

Violência no Brasil é fruto do aparato repressivo herdado da ditadura, diz filósofo Edson Teles

Festival 'Brésil en Mouvements' celebra 15 anos com 11 filmes inéditos e participação da família de Marielle Franco

Pesquisadores formam rede para divulgar acervos estrangeiros sobre cultura brasileira