rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

“Foi o jornalismo que me preparou para a música”, diz a cantora Letícia Maura

Por Maria Paula Carvalho

Durante duas décadas, Letícia Maura emprestou sua voz afinada para a apresentação de programas e jornais na Rádio França Internacional. Porém, a jornalista brasileira foi em busca de um sonho e hoje segue uma nova carreira como cantora. Ela contou à RFI, em Paris, sobre essa mudança de vida e sobre o seu primeiro disco solo.

Para ver a entrevista na íntegra, clique no vídeo abaixo.

O primeiro álbum de Letícia Maura se chama Poetic Collage. Como o próprio nome sugere, é uma mistura de sons acústicos, eletrônicos e e poesia.

“Esse trabalho é um resumo de quem eu sou, uma pessoa que tem emoções acústicas, emoções muito intensas, como uma sinfonia, e emoções delicadas, como um piano solo. Então, eu procurei unir tudo isso. Tudo permeado pela poesia e pela escrita”, diz. "Eu nunca comecei uma música pela melodia, mas sempre pelas letras”, completa.

O disco traz uma parceria na canção "Douze Fleurs", com letra de sua autoria e melodia do músico Raul Misturada, que também assina os arranjos desse trabalho. Porém, é Letícia quem assina nove das dez canções do álbum, passeando entre o português, o inglês e o francês.

“A minha inspiração é a colagem nesse aspecto linguístico e dos idiomas. Eu sou muito cosmopolita, gosto de viajar, gosto de ir para Nova York, vivo em Lisboa, adoro Paris e tenho aqui as minhas referências todas. Esse mix de linguagens estéticas e idiomas resultou nesse trabalho”, explica.  

A beleza da maturidade

Entre os temas abordados pela compositora estão amores complexos, mas também a maturidade feminina, como na faixa "Senhora Sim". "Foi muito importante para mim fazer essa música, porque nós vivemos num mundo em que as mulheres sempre foram muito oprimidas", explica.

"Mas hoje as mulheres estão se empoderando em todos os aspectos. Até um certo momento, dizia-se que os homens eram maduros e as mulheres eram velhas. Eu acho que isso está mudando e que a maturidade é bela, que as mulheres são belas em todas as idades. Nós podemos sonhar e sermos felizes em todas as idades”, afirma.

A cantora paulista já tem outros discos anteriores com o duo São Paris. Mas foi somente em 2017, atendendo ao chamado da música, que ela trocou de vez o “breaking news” pelos palcos.

“Eu sempre sonhei um dia fazer só música, porque o jornalismo é uma profissão que te absorve completamente. Mas foi o jornalismo que me preparou para a música”, afirma. “Pela disciplina, pela curiosidade, pela dedicação que ele exige, pela busca de novos elementos dentro de você mesma”, completa.

A musa Patti Smith

A canção-título é dedicada à cantora norte-americana Patti Smith. “Ela é minha musa e a letra fala isso. Quem leu o livro ‘Just Kids’ sabe que ela sacrificou tudo para ser artista. Nunca seguiu outros caminhos que não fosse esse. Eu sempre admirei isso. Ela passou fome, morou na rua, fez de tudo pela arte”, conclui.

Lançado em abril desse ano, o disco passeia pelo universo da música indie. Letícia explica que, ao reunir canções delicadas, acústicas e momentos mais intensos, com guitarras elétricas e programações eletrônicas, Poetic Collage agrada a públicos diversos.

“Eu estreei com três shows em Lisboa que foram muito bem sucedidos. Tinha gente de todas as faixas etárias e de todos os estilos”, conta. “Agora eu estou preparando o meu novo concerto, que eu mesma vou dirigir”.  

 

 

Hong Kong: Impacto internacional limita riscos de novo massacre pela China, diz professor

Brasileiro propõe Notre-Dame com cobertura leve em vitrais: “Risco estrutural é real”

“Somos seres humanos como Bolsonaro”, diz índio brasileiro no Festival de Locarno

“Países que praticaram políticas de privatização do ensino nunca chegaram a esse nível”, diz professora da Unirio, que participa do protesto pela educação no Brasil

Após turnê europeia, cantor Dienis retorna ao Brasil com “Lua Cheia”

Filme de brasileira concorre a prêmio no Festival de Locarno tocando em feridas abertas da colonização amazônica

Paulo Artaxo: limitar aquecimento global a 2°C é “praticamente impossível”

Não há risco de epidemia de malária vinda da Venezuela, mas de sarampo sim

Brasil vive "tentativa de imbecilização coletiva”, diz filósofo português

Arles: festival de fotografia mostra trabalho de Pedro Kuperman e indígenas Ashaninka, do Acre

“Aliança militar com EUA é coerente com projeto de submissão do Brasil”, diz pesquisador da UNESP

Ao dar "bolo" em chanceler francês, Bolsonaro mostra que não tem postura de presidente, analisa cientista político

“O sistema judiciário se tornou espaço de disputas políticas”, diz juiz Rubens Casara

Discurso de governo para explorar terras indígenas legitima invasões, alerta organização indigenista

“A sociedade diz todos os dias como uma mulher negra tem que se comportar”, afirma cantora Tássia Reis, em turnê na Europa

Demônios da Garoa se apresenta pela primeira vez na Europa em festival que homenageia São Paulo

“Workaholic”, Balzac tinha a pulsão de retratar a França do século 19, diz pesquisadora