rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Arles: festival de fotografia mostra trabalho de Pedro Kuperman e indígenas Ashaninka, do Acre

Por Patricia Moribe

O fotógrafo Pedro Kuperman apresenta nos Encontros de Arles, no sul da França, imagens que ele realizou com os indígenas Ashaninka, do rio Amônia, no interior do Acre. O projeto inclui também oficinas de capacitação da comunidade em fotografia e fotos feitas pelos próprios indígenas.

“É importante que eles queiram contar sua própria história e mudar o caráter etnocêntrico, onde o homem branco sempre falou pelo indígena”, relata o artista.

Os Ashaninka são originários do Peru, onde atualmente são cem mil, e chegaram ao Brasil no século 19. Eles se estabeleceram no Acre e a etnia conta com 2.500 integrantes. O maior desses grupos está na aldeia Apitwtxa, na região do Alto Juruá.

Pedro Kuperman, 35 anos, frequenta o grupo há cinco anos, como fotógrafo, mas desde 2016, a pedido das lideranças Ashaninka, ele passou a desenvolver um trabalho de educação em fotografia.

Imagens da comunidade Apiwtxa Ashaninka do Rio Amônia entre 2014 e 2018. Fotomontagens RFI/ Fotos: Pedro Kuperman

As várias oficinas foram desde o princípio da câmera obscura até a fotografia digital. “O que apresento em Arles é um pouco o meu olhar sobre a cultura Ashaninka e um vídeo com o processo das oficinas e como os indígenas estão desenvolvendo um olhar próprio, como estão vendo sua cultura e o seu povo”, conta Pedro.

“Está sendo um processo muito natural, aos poucos, com cuidado, deixando que eles se apropriem dos conceitos, da forma de enxergar a luz, discutindo o significado disso dentro da cultura deles”, acrescenta.

“No Brasil, as pessoas têm pouco interesse sobre suas populações originais, os povos tradicionais. Geralmente o pouco que chega até as pessoas é uma visão que fala sobre a ausência, a escassez, a violência, a pobreza. Há também a ideia de que um indígena, por exemplo, não pode usar uma roupa que não é de sua cultura, não pode usar celular. Pensam que são como peças de museu. Mas eles são como nós, que gostamos de usar elementos de diversas culturas, incorporar coisas de fora, mas não deixamos de ser quem somos. Eles também não”, explica o fotógrafo.

Banda Natiruts lota casa de shows em Paris com 'I love', "ampliando raízes" do reggae

Livro de brasileira radicada em Paris desmistifica glamour da capital francesa

Especialista da FAO alerta para contaminação do Aquífero Guarani no Brasil

Militares são os maiores defensores da Amazônia, diz novo embaixador do Brasil na França

Hong Kong: Impacto internacional limita riscos de novo massacre pela China, diz professor

Brasileiro propõe Notre-Dame com cobertura leve em vitrais: “Risco estrutural é real”

“Somos seres humanos como Bolsonaro”, diz índio brasileiro no Festival de Locarno

“Países que praticaram políticas de privatização do ensino nunca chegaram a esse nível”, diz professora da Unirio, que participa do protesto pela educação no Brasil

Após turnê europeia, cantor Dienis retorna ao Brasil com “Lua Cheia”

Filme de brasileira concorre a prêmio no Festival de Locarno tocando em feridas abertas da colonização amazônica

Paulo Artaxo: limitar aquecimento global a 2°C é “praticamente impossível”

Não há risco de epidemia de malária vinda da Venezuela, mas de sarampo sim

Brasil vive "tentativa de imbecilização coletiva”, diz filósofo português

“Aliança militar com EUA é coerente com projeto de submissão do Brasil”, diz pesquisador da UNESP

Ao dar "bolo" em chanceler francês, Bolsonaro mostra que não tem postura de presidente, analisa cientista político

“O sistema judiciário se tornou espaço de disputas políticas”, diz juiz Rubens Casara

Discurso de governo para explorar terras indígenas legitima invasões, alerta organização indigenista

“A sociedade diz todos os dias como uma mulher negra tem que se comportar”, afirma cantora Tássia Reis, em turnê na Europa

Demônios da Garoa se apresenta pela primeira vez na Europa em festival que homenageia São Paulo