rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Economia
rss itunes

Banco Mundial alerta sobre efeitos econômicos de aquecimento global

Por Ana Carolina Peliz

Como seria o mundo com alguns graus a mais? Esta é a pergunta que faz o novo relatório do Banco Mundial sobre os efeitos das mudanças climáticas na economia mundial chamado "Diminuir o aquecimento, porque um aumento de 4° da temperatura global pode ser evitado." Elaborado pelo Instituto de Pesquisa de Potsdam sobre os efeitos da mudança climática (PIK) e a Climate Analytics, o documento prevê um aumento de 4° da temperatura global até o fim do século em relação aos índices da era pré-industrial, e alerta sobre as consequências deste cenário.

A bióloga especialista em mudanças climáticas da Climate Analytics, doutora Márcia Rocha, que participou da elaboração do documento, explica que o verdadeiro objetivo do relatório é lançar um alerta e afirma que o aumento da temperatura pode ser evitado. Já para Marianne Fay, que co-dirigiu o capítulo sobre mudanças climáticas do relatório sobre desenvolvimento do Banco Mundial em 2010, em países como o Brasil, as ações para limitar o aquecimento global poderiam representar oportunidades econômicas.
 

Lehman Brothers: dez anos depois, profissionais das finanças relembram falência do banco

“Sem forte ajuste fiscal e reforma da Previdência, próximo presidente não terminará seu mandato”, afirma economista Octavio de Barros

Medidas econômicas de Maduro são incoerentes e explosivas, dizem analistas

Superoferta mundial de açúcar faz produtores brasileiros direcionarem safra para etanol

Entre expectativas frustradas e conquistas sólidas, BRICS completam primeira década de existência

Com energias verdes, venda de eletricidade pode virar complemento de renda

Brasil deve perder liderança mundial da produção de açúcar para a Índia

Pais que largam o trabalho para cuidar dos filhos: um tabu que demora a cair

Apoio de franceses a reformas de Macron terá prova de fogo com aposentadorias

Por que o consumidor não sente a queda histórica da taxa de juros no Brasil?