rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Economia
rss itunes

Para Renault, impostos e falta de infrastrutura afastam carro elétrico do Brasil

Por Lúcia Müzell

O Brasil é o segundo maior mercado global da montadora francesa Renault, mas no setor de veículos elétricos, ainda custa a deslanchar. A falta de infraestrutura adequada – principalmente de postos de carregamento da bateria – e a alta carga tributária de importação inviabilizam a popularização deste tipo de automóvel no país.

Os carros elétricos são os que menos poluem o meio ambiente. Além disso, a partir de 30 quilômetros rodados por dia, o abastecimento custa mais barato do que os veículos a combustível. A montadora Renault foi a primeira a tentar conquistar o mercado brasileiro, mas até o momento apenas 80 automóveis foram vendidos no país – todos para empresas como Natura, Fedex e Itaipu Binacional.

O diretor de Operações na América Latina, Denis Barbier, admite que as vendas “penam a decolar”, mas mantém o entusiasmo com a região nas próximas décadas. Ele cita o Equador como exemplo de país que colocou como prioridade a redução das emissões de gases poluentes pela frota urbana, através dos modelos elétricos.

“Hoje, nós não fazemos previsão em termos de volume de vendas de veículos elétricos na América Latina. A nossa ambição hoje é começar a ingressar nos diferentes países do continente, desenvolver os primeiros mercados – digamos mercados-teste, primeiramente com frotas institucionais, limitadas”, explica Barbier. “Ainda não estamos em busca da conquista do público em geral. Para isso, seriam necessários investimentos pesados em infraestrutura, para recarregar os veículos.”

A baixa autonomia dos carros elétricos é um dos principais pontos fracos do veículo – atualmente, eles rodam em média 150 quilômetros. O automóvel é indicado para uso diário nas grandes cidades, onde há mais pontos de recarregamento.

Três vezes mais caro que na Europa

A carga tributária, por outro lado, afasta o interesse dos consumidores pelos veículos, que por enquanto são importados. No Brasil, o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) sobre os elétricos é de 25%. O chamado “custo Brasil” faz com que modelos como Zoé sejam três vezes mais caros do que na Europa, onde são vendidos por € 20 mil (R$ 61 mil).

“O que pudemos constatar nos mercados nos quais os carros elétricos se desenvolvem com força é que é necessário um comprometimento muito forte dos governos, tanto para apoiar o desenvolvimento das infraestruturas, como no estímulo para a aquisição de frotas – na França, o governo colabora com um abatimento sobre o valor”, observa. “Os governos precisam querer desenvolver os veículos elétricos, que consomem energia limpa e econômica.”

Eleições

Neste ano, a diminuição do crescimento econômico no Brasil também impacta nas vendas de veículos em geral no país, com queda de 9,7% desde janeiro. O cenário é desfavorável, mas permanece animador a longo prazo, segundo o Denis Barbier.

“Nós achamos que o potencial continua. O índice de carros por pessoa ainda está abaixo do que pode e deve ser, portanto o mercado brasileiro ainda vai se desenvolver”, avalia o diretor de operações. “É verdade que atualmente tem uma desaceleração – nós sabíamos que isso aconteceria na época da Copa do Mundo e achávamos que a retomada aconteceria depois, mas por enquanto ainda não veio. A situação está diretamente ligada ao cenário político do país, em que os consumidores estão esperando para ver o que vai acontecer nas eleições outubro”, considera.

Noruega é o melhor mercado europeu

Na Europa, é na Noruega que os carros elétricos mais têm sucesso – 20% dos veículos vendidos usam energia elétrica. Na França, apesar dos incentivos, a proporção ainda permanece baixa, de apenas 0,5%.

Béatrice Foucher, diretora do Programa de Veículos Elétricos da Renault, atribui os resultados ao contexto econômico de crise e a quantidade ainda insuficiente de postos de carregamento – dos 7 mil existentes em todo o país, 5 mil se concentram em Paris e região. “Quando este mercado estiver bem consolidado na Europa, tenho certeza de que outras regiões, como a América Latina, vão acompanhar”, destaca Foucher.
 

Portugal: “milagre econômico de esquerda” terá novos desafios após a crise

Guerra comercial EUA-China favorece algodão do Brasil, que se torna 2º exportador mundial

Fechamento de duas aéreas francesas evidencia desafios de low cost intercontinentais

Envelhecimento na Europa causa impacto na economia e exige reformas de aposentadorias

Marcas de fast fashion oferecem conserto, reciclagem e revenda de roupas

Franceses são maiores empregadores estrangeiros no Brasil; rixa prejudica novos negócios

Baixar alíquota máxima do IR seria mais um “presente para os ricos”, diz discípulo de Piketty

No 1º salão após venda à Boeing, Embraer foca em defesa, jatos e inovação

Em meio a cortes na Defesa, governo acerta compra de mísseis europeus por € 200 mi

Cortes do governo Bolsonaro prejudicam agricultura familiar, apontam especialistas na FAO

Brasil não corre risco de “virar uma Argentina”, apesar de confusões de Bolsonaro

Incentivos fiscais fazem doações milionárias à Notre-Dame recaírem sobre o Estado francês