rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Grécia Economia Zona do Euro Eurogrupo

Publicado em • Modificado em

Cresce pressão para Grécia apresentar plano de reformas e evitar saída do Eurogrupo

media
Bandeiras da Grécia e da União Europeia. REUTERS/Yves Herman

A quatro dias de uma nova reunião dos ministros das Finanças da zona do euro, cresce a pressão para a Grécia apresentar um amplo programa de reformas para evitar uma saída da zona do euro. Autoridades europeias estimam que Atenas "não tem mais tempo a perder".


Em entrevista ao jornal Le Figaro nesta segunda-feira (20), o presidente do Banco da França, Christian Noyer, alertou que o Eurosystems - instituição que reúne o Banco Central Europeu e os bancos centrais dos países que adotaram a moeda única - já repassou € 110 bilhões aos bancos gregos, o mais alto valor já oferecido pelo bloco.

Segundo Noyer, se esses empréstimos não forem reembolsados, o caminho estará aberto para a exclusão da Grécia da zona do euro, o que pode provocar um "traumatismo" para todo o bloco.

Nos últimos seis meses, segundo o presidente do Banco Central francês, aumentou de maneira significativa o repasse de dinheiro extra de emergência, além do programa de refinanciamento já acertado anteriormente com o sistema bancário grego.

De acordo com Noyer, a saída da crise "está nas mãos" do governo de Alexis Tsipras. O chefe de governo deve apresentar rapidamente reformas para mostrar que o modelo econômico da Grécia é viável. "Já perdemos tempo demais", estima Christian Noyer.

Só "plano A"

O comissário europeu para os Assuntos Econômicos e Monetários, Pierre Moscovici, disse que o governo grego não deve mais perder tempo se quiser ficar na zona do euro. "Meu trabalho não é de preparar a saída da Grécia da zona do euro. É de evitar", afirmou. "Não existe plano B, apenas plano A que é o de manter a Grécia no bloco", acrescentou.

Na próxima sexta-feira (24), os ministros das Finanças da zona do euro se reúnem em Riga para discutir a situação grega. Na sexta-feira, o presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, estimou que ainda não estão reunidas as condições para um acordo.