rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Brasil Dívida Fitch

Publicado em • Modificado em

Agência de classificação financeira Fitch reduz nota da dívida soberana do Brasil

media
Agência de classificação financeira Fitch reduz nota da dívida soberana do Brasil REUTERS

A agência de classificação financeira Fitch reduziu nesta quinta-feira (15) a nota da dívida soberana do Brasil de "BBB" para "BBB-", último grau de investimento em seu ranking, depois de medidas semelhantes anunciadas por Standard and Poor's e Moody's. "O rebaixamento da nota reflete o aumento da carga de endividamento público do Brasil, o crescente desafio de consolidação fiscal e uma piora do panorama de crescimento econômico", afirma a Fitch em um comunicado divulgado em Nova York.


A Fitch acompanhou a decisão com uma "perspectiva negativa", o que significa que não descarta um novo rebaixamento dos títulos da dívida pública do país.

A nota "BBB-" é a última do grau de investimento dentro da classificação da Fitch. Um novo corte deixaria os títulos da dívida soberana do Brasil no patamar especulativo.

Recessão e crise de governabilidade

O Brasil, a sétima maior economia do mundo, enfrenta uma recessão e uma grave crise de governabilidade, com a presidente Dilma Rousseff tentando sobreviver a um gigantesco escândalo de corrupção e pagamento de subornos que envolvem a Petrobras e vários políticos do Partido dos Trabalhadores (PT).

O país, principal economia da América Latina, está no quinto ano de crescimento baixo ou nulo. Analistas esperam uma contração do PIB de 2,44% para o ano. O governo também luta contra o avanço da inflação e do desemprego, assim como a desvalorização do real.

"O difícil ambiente político está obstaculizando progressos na agenda legislativa do governo e criando um círculo de retroalimentação negativo para a economia em geral", afirmou a Fitch, justificando sua decisão.

Incerteza afeta a confiança

"A perspectiva negativa reflete a visão da Fitch de que é possível que persista um desempenho fiscal e econômico abaixo das expectativas enquanto que a incerteza política pode continuar afetando a confiança global, postergando uma mudança de ritmo no investimento e no crescimento e crescentes riscos da consolidação fiscal necessária para estabilizar a dívida a médio prazo", acrescentou.

No dia 9 de setembro, a agência de classificação de risco Standard and Poor's (S&P) reduziu a nota da dívida brasileira à categoria especulativa devido a sua incapacidade de implementar um ajuste fiscal.

Em agosto passado, a Moody's foi a primeira a revisar em queda a nota soberana do Brasil, de "Baa2" a "Baa3", último nível com grau de investimento.