rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Economia
rss itunes

Taxista e outras profissões estão ameaçadas de extinção na era digital

Por Lúcia Müzell

Nas últimas semanas, quase diariamente, taxistas franceses bloqueiam o acesso aos aeroportos de Paris para protestar contra a presença de motoristas que operam pelo aplicativo Uber ou outro semelhante. O surgimento do serviço paralelo inflama a categoria em diversos países, inclusive o Brasil. Mas os motoristas de táxi estão longe de ser os únicos afetados pelas novas tecnologias.

De tempos em tempos, novas listas de profissões ameaçadas de extinção pela emergência da internet e da robótica são divulgadas por especialistas das mais renomadas universidades. A diretora-adjunta do departamento de inovação e concorrência do Observatório Francês de Conjuntura Econômica (OFCE), Sarah Guillou, não vê o fenômeno com surpresa. “Vai demorar um pouco até que os motoristas desapareçam totalmente, mas é óbvio que há profissões que vão desaparecer. É algo que vemos na história econômica há muito tempo”, explica.

As primeiras vítimas são as tarefas repetitivas: operários nas indústrias e caixas de supermercados são os exemplos mais flagrantes. Depois, aparecem os trabalhos que são ou serão cada vez mais desempenhados por um computador, como o de tradutor, agente de viagens, operador de mercado financeiro (trader) e, em futuro nem tão distante, motoristas de transporte público e até pilotos de avião. Por fim, algumas profissões ditas intelectuais foram tão abaladas pelas mudanças dos hábitos após a internet que tendem a desaparecer, como repórter de jornal impresso – levando consigo os donos de bancas de jornais e entregadores desse produto obsoleto.

Adaptação é a palavra de ordem

Apesar dos avanços tecnológicos, o economista Robin Rivaton, membro do conselho científico do think tank Fondapol, em Paris, é cético sobre o fim das profissões – ele prefere falar em adaptação ao novo cenário. O especialista em competitividade e novas tecnologias lembra que 40% das tarefas poderiam ser automatizadas, mas só 5% são, de fato, substituíveis.

“Vamos usar essas novas ferramentas nas nossas profissões, de maneira a aumentar a produtividade e descobrir novas profissões. As necessidades humanas são infinitas e novos desejos a satisfazer surgem o tempo inteiro e, por causa disso, o mercado de trabalho vai se adaptar”, ressalta.

Especialistas no setor automotivo são taxativos: em no máximo 15 anos, haverá mais carros automáticos e sem motoristas do que veículos como os que circulam hoje. Mas para Rivaton, isso não significa o fim dos taxistas, pela simples razão que os seres humanos gostam de estar em contato uns com os outros.

“Todas as profissões ligadas aos transportes – incluindo a de agricultor, que é cada vez mais um trabalho de pilotar máquinas – são extremamente importantes para a geração de empregos”, destaca o economista. “Não é tão fácil substituir todos esses empregos por máquinas. Progressivamente, é possível que aconteça, mas não será logo. Acredito que vamos levar várias décadas até concluir essa mudança.”

Presença humana segue importante

Sarah Guillou segue pela mesma linha. A economista avalia que a participação humana pode até cair nos setores ameaçados pela internet, mas não deve acabar.

“A profissão de caixa diminuiu bem mais nos Estados Unidos, que é um país de ponta em automatização, do que na França. É um serviço que a sociedade americana gosta, assim como os americanos gostam do contato com o frentista, e na França tanto faz”, analisa a pesquisadora do OFCE. “Essas profissões poderiam perfeitamente ser substituídas por robôs, o que seria bem mais barato para os empresários - mas na maioria delas, pode haver uma margem não substituível.”

Quarta revolução industrial pode acabar com 5 milhões de empregos

O último Fórum Econômico Mundial alertou que a chamada “Quarta Revolução Industrial” pode cortar cinco milhões de empregos nas principais economias do mundo, nos próximos cinco anos. Rivaton destaca a importância de os profissionais permanecerem atualizados sobre os aplicativos e sites na sua área de atuação – e diz que a resistência aos avanços tecnológicos leva a lugar algum.

“As máquinas serão úteis para as partes repetitivas do trabalho de jornalista ou de trader, como a publicação de notas de agências de notícias ou a análise de tabelas de dados. Mas em toda a parte criativa, como inventar novos formatos de reportagens, preparar entrevistas ou visualizar a estratégia de investimentos, a mudança é muito menos certa”, diz Rivaton. “A parte cognitiva vai continuar sendo executada por um cérebro humano. Por isso, todo o valor agregado do trabalho permanece.”

O desafio também passa pela atualização dos cursos profissionalizantes e universitários, que com frequência formam profissionais pouco versáteis, que terão mais dificuldade para se adaptar à entrada de uma nova máquina ou aplicativo no mercado. “Eu acho que a maioria das universidades e centros de formação estão atrasados em relação ao que acontece na sociedade e o uso dos serviços pela internet. Hoje, as pessoas alugam e trocam sem passar pelos serviços tradicionais, mudanças que deixaram perdidos os professores de muitos cursos, inclusive de administração e comércio”, constata Guillou.

 

Movimento de "coletes amarelos" faz vendas de final de ano despencarem na França

Empresários franceses esperam ações concretas de Bolsonaro sobre dívida e crescimento

Declarações de Bolsonaro não devem atrapalhar comércio com a China, dizem especialistas

Comércio entre Brasil e Irã ainda não foi impactado pelas sanções americanas a Teerã

Privatizações previstas por Bolsonaro agradam investidores estrangeiros

"Inteligência artificial vai mais criar do que destruir empregos no século XXI", diz especialista

França: Plano com mais de 100 medidas visa integrar refugiados em mercado de trabalho

Nacionalismo ambíguo de Bolsonaro entrará em conflito com visão de Guedes, dizem economistas

Destaque do Salão do Automóvel de Paris, carro elétrico ainda enfrenta obstáculos para emplacar

Lehman Brothers: dez anos depois, profissionais das finanças relembram falência do banco

“Sem forte ajuste fiscal e reforma da Previdência, próximo presidente não terminará seu mandato”, afirma economista Octavio de Barros

Medidas econômicas de Maduro são incoerentes e explosivas, dizem analistas

Superoferta mundial de açúcar faz produtores brasileiros direcionarem safra para etanol