rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Bélgica rejeita acordo de livre comércio entre UE e Canadá

O ultimato dado pela União Europeia à Bélgica terminou. A Valônia, região francófona do sul do país, rejeitou o texto do acordo de livre comércio entre o Canadá e o bloco europeu, o CETA. Mesmo sem o sinal verde da Bélgica, a cerimônia de assinatura do acordo, prevista para quinta-feira, com a presença do primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, até o momento foi mantida.

Letícia Fonseca, correspondente da RFI em Bruxelas

O acordo de livre comércio entre UE e Canadá - CETA, na sigla em inglês - prevê o fim das taxas de importação para praticamente todos os produtos. Entre as pouquíssimas exceções estão as exportações de carne bovina e suína do Canadá para o bloco europeu. Os detalhes do pacto têm sido negociados há sete anos pelos dois lados. Os partidários do CETA defendem seus benefícios para o crescimento econômico e a criação de empregos.

Com o acordo UE-Canadá, os exportadores europeus poderiam economizar € 500 milhões anuais. Na semana passada, a ministra de Comércio canadense, Chrystia Freeland, abandonou as negociacões em Bruxelas alegando ser impossível fechar um acordo com os europeus. O principal motivo foi a resistência da Valônia, região francófona do sul da Bélgica, que receia ser inundada de carne de porco e de vaca canadenses.

No último final de semana, o Canadá afirmou que agora “a bola estava no campo da União Europeia”. Os europeus deram então um ultimato à Valônia, que terminou ontem à noite, para decidir o futuro do pacto com o Canadá. Porém, o líder do governo socialista valão, Paul Magnette, declarou que “nas atuais circunstâncias era impossível dar um sim ao acordo”. Magnette criticou o ultimato e disse não ser compatível com o exercício dos direitos democráticos.

Governo valão quer mais garantias

O governo valão quer mais garantias, especialmente para proteger os agricultores diante das empresas multinacionais. Segundo as autoridades da Valônia, a maior controvérsia do acordo é autorizar as multinacionais que investem em um país estrangeiro a processá-lo caso adote uma política contrária a seus interesses.

Os socialistas valões, que são maioria no parlamento regional, insistem que o acordo com o Canadá, apesar das alterações, continua a ser prejudicial para os agricultores do bloco. Eles argumentam que o texto do acordo abre brechas para questionar a legislação trabalhista europeia e os direitos dos consumidores. A Valônia é uma região ao sul da Bélgica com apenas 3,6 milhões de habitantes, economicamente decadente, com uma indústria prejudicada pelos efeitos da globalização e um alto índice de desemprego – 26,5% dos jovens com menos de 25 anos estão sem emprego.

Para a maioria dos valões, esse pacto iria beneficiar ainda mais a vizinha Flandres – região mais rica ao norte do país. De uma certa forma, o veto ao acordo com o Canadá faz parte de uma briga doméstica que envolve as duas comunidades belgas há décadas. O maior perigo é o precedente que esse bloqueio da Valônia poderia abrir, colocando em dúvida a capacidade da União Europeia de negociar acordos similares.

O Tratado Transatlântico de Comércio e Investimentos, o TTIP, que o bloco europeu negocia com bastante dificuldade com os EUA poderia, por exemplo, ser a nova vítima. Os futuros pactos comerciais entre UE e Japão, e também com os países do Mercosul poderiam ser afetados. Assim como a capacidade de Bruxelas negociar a saída do Reino Unido do bloco.

Para entrar em vigor o documento deveria ser ratificado em nada menos que 38 parlamentos regionais e nacionais através do continente europeu. A cerimônia para assinatura do acordo UE- Canadá, prevista para quinta-feira, com a presença do primeiro-ministro canadense Justin Trudeau não foi cancelada.

Para Trudeau, ainda é possível salvar acordo

O Canadá ainda tem esperança de que o acordo possa ser assinado na quinta-feira. O líder canadense Justin Trudeau conversou com o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk logo após o anúncio do veto da Valônia. Trudeau acredita que ainda é possível salvar o acordo, mesmo se a Bélgica declarou a impossibilidade de aprovar o texto. Porém, a vinda de Trudeau à Bruxelas ainda está incerta. Para ratificar o acordo, o governo belga precisa do apoio de seus cinco parlamentos regionais.

Para dar uma dimensão de quem está envolvido neste impasse, de um lado temos a minúscula Valônia, com apenas 3,6 milhões de habitantes, que com seu veto pode afetar profundamente o comércio entre o Canadá, com 36.300 milhões de habitantes, e que é o 12o maior parceiro comercial do bloco europeu, e a UE, com 508 milhões de habitantes. Uma digna batalha entre Davi e o gigante Golias.

Possível fracasso nas negociações do Acordo Econômico e Comercial Global (Ceta) entre a UE e o Canadá Agencja Gazeta/Kuba Atys/via REUTERS ATTENTION EDITORS

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Evo Morales enfrentará inédito segundo turno na Bolívia e perde controle no Congresso

Elizabeth Warren desponta como a pré-candidata preferida dos democratas

Turquia ignora sanções dos EUA e promete intensificar ataques no norte da Síria

Partido ultraconservador vence eleição na Polônia e prosseguirá reformas controvertidas

Alemanha: autor de ataque contra sinagoga afirma ter sido motivado por ideias de extrema direita

Briga por processo de impeachment pode fortalecer a reeleição de Trump

Postura instável de Trump no norte da Síria ameaça futuro de curdos e pode fortalecer grupo EI

Papa Francisco condena "proselitismo religioso que força conversões" na Amazônia

Com coalizão "Geringonça", socialista António Costa desponta como vencedor do pleito em Portugal

Assassinato de jornalista saudita completa um ano sem punição e sem corpo

Manifestante é ferido a tiros em Hong Kong em protesto contra festa da China comunista

Catedral de Manaus celebra missa para religiosos que irão ao Sínodo do Vaticano

Maioria no Senado americano, republicanos não temem ameaça de impeachment

Derrubada de vetos de Bolsonaro à Lei de Abuso de Autoridade fortalece Congresso, diz presidente do Senado