rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Políticas de Trump podem ter impacto direto na indústria têxtil e de moda do Brasil

Por Silvano Mendes

O Brasil está entre os cinco maiores produtores de têxtil do mundo. No entanto, quando o assunto é exportar roupa pronta, com produtos de maior valor agregado, o país ainda está aquém de suas expectativas. Além do contexto interno, as mudanças geopolíticas também podem afetar o futuro do setor.

 Segundo Fernando Pimentel, presidente da ABIT, a Associação brasileira da indústria têxtil e de confecção, uma série de fatores justificam essa dificuldade do Brasil no mercado externo. Um deles é o sistema de taxas de exportação, apontado com frequência como grande vilão na hora de vender produtos fora do país. “Os impostos são uma grande barreira, mas esse não é o único problema. Há também muitas oscilações na taxa de câmbio e custos em logística que transcendem o custo de seus competidores”, explica o executivo, que estava em Paris para o salão Première Vision, onde a ABIT acompanhava 11 empresas. Para ele, “o Brasil é um país que precisa ser passado a limpo, no sentido de desburocratizar e simplificar o ambiente de trabalho, com poucas, mas boas regras”.

A indústria têxtil e da confecção no Brasil representa 33 mil empresas, emprega mais de 1,6 milhão de trabalhadores, gerando um faturamento anual de US$ 53,6 bilhões. Porém, apesar de seu peso na economia, ainda parecem faltar dispositivos públicos de apoio ao setor. Pimentel compara a situação brasileira com a de seus concorrentes: “países que deram certo, e com muito menos recursos que nós, conseguiram lograr êxito porque tiveram uma continuidade, a despeito do governo de plantão. O Brasil precisa de uma política de Estado, e não uma política de governo”, aponta.

Mas o executivo também chama a atenção para elementos externos, que podem representar surpresas nos próximos meses. Um desses fatores é o discurso protecionista do presidente norte-americano Donald Trump, que balança as relações com o vizinho México, um de seus grandes parceiros no setor têxtil, mas também com a China. “Se os Estados Unidos resolvem impor barreiras tarifárias ou técnicas a produtos chineses, Pequim vai querer vender isso em um outro mercado. E, nesse caso, pode sobrar para nós uma parte desse excedente, o que seria extremamente prejudicial, já que a China tem características de concorrência distintas das nossas”, analisa. No entanto, essa política americana também pode representar uma oportunidade junto a blocos como Mercosul ou União Europeia, além do próprio México, pondera Pimentel.

Assista a entrevista completa no vídeo abaixo.  

"Candidatos antissistema representam maioria do povo francês, que é independente e rebelde", diz analista

Franceses não sabem se querem eleger um 'pai da nação' ou criar um novo sistema político

“Financiamento apenas público não resolve problema do Caixa 2”, diz pesquisadora

"Nenhuma reforma trabalhista cria emprego": Jorge Boucinhas Filho, advogado

Ciro Gomes: “Nosso problema central não é a corrupção e sim o colapso econômico do Brasil”

“É preciso reconstruir essa esquerda”, diz Silvia Capanema sobre eleição presidencial na França

"Primavera literária brasileira" promove escritores contemporâneos na Europa

Pedro D-Lita, produtor: “Europeus ficam surpresos com a nova música brasileira”

Muito antes de Woody Allen, escritor brasileiro voltou no tempo em Paris

“Casas do Brasil na Europa são território simbólico e afetivo", diz antropóloga Ceres Brum

Bernardo Carvalho, escritor: "A literatura que importa é a literatura de dissenso, radical"

Manassés de Sousa, músico: "Minha relação com a França é muito forte"

Chef carioca conquista parisienses misturando gastronomia francesa com sotaque brasileiro

João Moreira Salles: "A ideia da felicidade e do fim dela, sempre me interessou"

Escritora faz sucesso com livro desenvolvido em oficina de García Márquez

Domício Proença Filho, sobre Capitu: “É muito difícil ser mulher”