rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Economia
rss itunes

Indústria britânica pós-Brexit: menos lucro e maior custo de produção

Por Augusto Pinheiro

O Reino Unido ativou no último dia 29 o Artigo 50 do Tratado Europeu de Lisboa, dando início formalmente a sua saída da União Europeia, o famoso Brexit. O anúncio suscitou novamente preocupação em diversos setores da indústria e da economia britânicas sobre o futuro das relações comerciais com a União Europeia.

“Depois de dois anos, se não houver acordo, o Reino Unido estará fora da União Europeia de qualquer maneira. E a EU deve fazer um acordo que seja desfavorável ao Reino Unido, para que fique claro que há um custo envolvido em sair da EU. É muito provável que ele vá dar menos acesso aos mercados europeus para o Reino Unido", analisa a economista Cristina Terra, professora da Escola Superior de Ciências Econômicas e Comerciais de Paris.

A situação cria dois problemas, segundo a economista. "O primeiro é o direto, que resulta em menos exportação. O segundo é que as empresas funcionam e produzem dentro de uma cadeia global de produção, ou seja, elas não só exportam para outros mercados, mas importam produtos e insumos intermediários. Então isso aumenta o custo das empresas inglesas.”

O setor da aviação está entre aqueles afetados negativamente pelo Brexit. A companhia aérea britânica EasyJet já anunciou que pretende abrir uma base europeia.

“Dentro da UE, as companhias inglesas podem ter voos, por exemplo, entre França e Alemanha, ou seja, os voos não precisam passar pelo Reino Unido. E isso significa um mercado enorme. Porém, com o Brexit, caso o acordo não seja mantido, a companhia inglesa não poderá voar entre países europeus, apenas partindo ou chegando ao Reino Unido. Uma solução é que a empresa se instale na Europa”, diz Cristina.

Setor automobilístico

Outro setor importante da economia britânica que poderia ser afetado é o automobilístico, que atualmente vende mais da metade da sua produção aos países-membros da União Europeia. "Ele entra ainda mais na situação de que a indústria não apenas vende para outros países, mas utiliza muitos insumos de outros países. O Brexit, com o qual o Reino Unido vai ter mais custos para comercializar com a Europa, vai fazer com que o lucro com a exportação diminua e os custos de produção aumentem, devido às novas barreiras de importação.”

O setor financeiro já se movimenta para evitar os obstáculos pós-Brexit. O banco inglês HSBC anunciou a transferência de cerca de mil empregados para Paris. USB, JPMorgan e Goldman Sachs farão o mesmo, segundo o jornal francês Le Monde. Porém os custos do Brexit não recaem apenas sobre o Reino Unido.

“Quando a EU impõe custos à saída do Reino Unido, ela também dá um tiro no próprio pé. Isso implica em custos para ela mesma. Assim como as empresas inglesas precisam exportar para a Europa e comprar insumos, as firmas europeias também tem essas conexões com a economia do Reino Unido. Então os dois perdem, mas, por ser menor, o Reino Unido perde mais”, diz a professora da Escola Superior de Ciências Econômicas e Comerciais de Paris.

No ano passado, apesar das previsões sombrias, a economia britânica cresceu 1,8%.

Apoio de franceses a reformas de Macron terá prova de fogo com aposentadorias

Por que o consumidor não sente a queda histórica da taxa de juros no Brasil?

Divergências sobre acordos bilaterais retardam investimentos do Catar no Brasil

Livre de cassinos desde 1920, Paris abrirá “clubes de jogos” em 2018

Acordo Mercosul-UE: franceses apostam na qualidade para enfrentar carne brasileira

Volatilidade dos mercados está de volta e favorece especulação em 2018

De celular a sextoys, franceses revendem presentes de Natal que não agradaram

Entrada de Bitcoin na bolsa anima futuro de moedas virtuais – mas há riscos

Incubadoras brasileiras na França: soluções inovadoras para mercado de € 5 bi